BBB e a Avenida - por Marisa Fernandes Nunes

BBB e a Avenida - por Marisa Fernandes Nunes

Recentemente foi transmitido pela TV Globo o reality show Big Brother Brasil, que como o próprio título sugere, é copia da televisão estrangeira.  Mais de sete pontos foi o aumento da audiência, em comparação às séries anteriormente exibidas no canal, neste horário. Sem dúvida isso ratifica o interesse do público por este tipo de programa. Um programa que aparentemente não tem objetivo algum, a não ser puro hedonismo tanto de quem se exibe no programa, quanto quem o assiste.  Sai caro um dinheiro recebido às custas da exposição ridícula de atividades rotineiras e das idiossincrasias particulares dos participantes, que encantam os expectadores. Revela-se assim, o voyeurismo como forma de curiosidade mórbida em relação ao que é privativo. Mas na televisão, a espiada na fechadura de visão solitária , individual, se abre para a massa. E, quanto mais se massifica, mais fácil a manipulação por um programa sobre nada. Aparentemente. Porém, esta não e uma situação atual. Há alguns anos atrás, nas cidades pequenas do interior, ainda sem televisão e um sistema ainda incipiente de rádio, um modo de distração era debruçar-se sobre a janela para ver o movimento da avenida, transformada em passarela. Era comum observar e comentar o que ali aparecesse. Desde a conhecida dona do bordel e suas companheiras, da fulana que pintou os cabelos, e da sicrana que estava usando sutiã com  enchimento (não existia o silicone), até o casal de mãos dadas e pessoas ditas aleijadas ou com alguma deficiência física. Como disse Nelson Rodrigues, “a televisão matou a janela”. O voyeurismo tornou-se preconceituoso. Tanto no passado, como no presente, ver o lado errado das pessoas serve para expulsar os próprios demônios. Não é de hoje que os homens estão perdendo a sua humanidade.

Marisa Fernandes Nunes
Nascida em Sao Francisco de Paula, em 1944. Atualmente morando em Porto Alegre. Professora universitaria aposentada da UFPR. Doutora em Educacao na Unicamp. Licenciatura e Bacharelado em Ciencias sociais na UFRGS.



O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Patrocinadores da cultura