Inquietações e questionamentos sobre um dos marcos culturais do Brasil: o futebol - por Rodrigo Koch

Inquietações e questionamentos sobre um dos marcos culturais do Brasil: o futebol - por Rodrigo Koch

Sempre me perguntei porque o futebol ocupa tanto espaço na mídia. Será que não há outra ou outras modalidades esportivas que possam atrair o interesse dos brasileiros? Tenho a sensação de que já há muito espaço para o futebol no universo nacional. Seria interessante uma pluralidade maior na esfera esportiva brasileira, pelo menos no que diz respeito à educação.

Especialmente nas escolas, em espaços e momentos de práticas corporais, observo que o futebol exerce uma condição hegemônica sobre as demais modalidades esportivas. Mesmo que a proposta não seja a prática do futebol em si, os aspectos culturais que envolvem o esporte acabam conduzindo para isso, como por exemplo quando se vai dividir as equipes – sejam estas para outras modalidades como vôlei, handebol, basquete, ou mesmo para um simples “cabo-de-guerra” – é natural que os alunos fiquem separados entre gremistas e colorados, em função dos nossos clubes locais. Em São Paulo, a divisão pode colocar de um lado corintianos e do outro palmeirenses e/ou são-paulinos, assim como no Rio de Janeiro os estudantes podem ser divididos entre flamenguistas e vascaínos, tricolores e botafoguenses. Cada capital, cidade, região ou Estado nacional vai adquirir os contornos clubísticos do futebol local. Portanto, observo uma certa futebolização da cultura, expressando- se nos espaços cotidianos da vida. Talvez a forte presença do futebol no Brasil seja pela simplicidade pela qual foi caracterizada a modalidade por aqui.

O modelo norte-americano das high schools e universidades me parece ser o ideal. Nos Estados Unidos, desde a infância e ao longo
da juventude, os estudantes têm contato com uma gama diversificada de esportes, podendo optar pelo que mais lhes agrada e pelo qual melhor se adaptam. Há, inclusive, incentivo para que isso ocorra. Mas deve haver explicação para o Brasil apresentar esse quadro de uma quase monocultura do futebol. Parece existir no Brasil, assim como em outros países uma futebolização cultural.

Segundo relatos, o futebol teria chegado ao Brasil no final do século XIX na mala de jovens estudantes de famílias de origem europeia e das classes sociais mais favorecidas, que retornavam do velho continente, onde passavam pelas public schools. A ideia era de que o esporte fosse legitimado por aqui como uma prática do que se chamava a ‘elite brasileira’. No entanto, logo teria sido tomado pelos operários, negros recém libertados do regime de escravidão e pelos pobres, que adotaram a modalidade não só como meio de lazer, mas principalmente como trampolim para ascender socialmente. As marcas do futebol, construídas nos mais variados espaços de atuação e com enorme colaboração da mídia, que transforma o esporte em espetáculo, inscrevem-se nas gerações e perduram a vida toda. As relações entre torcedores e clubes transcendem o que se considera aceitável e normatizado. É possível mudar de opinião política, trocar de religião, ou romper o matrimônio quantas vezes for necessário, mas jamais trair seu time de futebol.

Nas últimas décadas a modalidade passou por grandes transformações econômicas e invadiu lares e demais espaços com a participação da mídia, principalmente, através dos canais de televisão pagos. Os reflexos na escola – ainda tido como o ‘local por excelência da educação’ – são visíveis. O futebol pós-moderno, extremamente midiatizado e espetacularizado, buscando a cada dia novos mercados e clientes, produz novos comportamentos em empresários, dirigentes, atletas, torcedores e aficionados, sejam estes adultos constituídos e estabelecidos economicamente ou recém-nascidos que ainda trilharão seus caminhos identitários
e profissionais. Não há como ir contra e não admitir este processo de futebolização, principalmente, no Brasil, um país com fortes
marcas desta modalidade, até porque estamos diante do maior evento esportivo mundial em território nacional: a Copa do Mundo, que certamente irá gerar novas produtividades deste fenômeno.



• Publicado na Revista Usina da Cultura - número 08 - Dezembro de 2013.

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Lasanha de Berinjela

A lasanha de berinjela é uma excelente opção para quem quer incluir no seu dia a dia mais verduras no...

Caldinho de Ervilha


Para estes dias de frio, um caldinho de ervilha cai super bem! Saudável, nutritivo e fácil de preparar. Ingredientes: • 1 e...

Rincão Poetico: Vou Continuar - por Iva da Silva

Vou continuar, Lançando minhas sementes ao vento, Que voem para pontos incertos, Que caiam no alto mar, Que cheguem em...

O conceito de cultura nas ciências sociais - por Marcio Barcelos

Você já parou para pensar no significado da palavra “cultura”? Seria “cultura” uma coisa que a gente “adquire” assistindo filmes...

Rincão Poético: Desfolhando - por Angélica Mattos

E eis que o tempo não muito brando, Foi passando, passando, E o vento nada amigo, ventando, ventando, E solitário...

Ecoserra: da escola para a vida

“A Ecosserra constitui um conjunto de ações em educação ambiental, que visa deixar uma mensagem de preservação e de equilíbrio...

Rincão Poético: Árvore Frondosa - por Iva da Silva

Árvores, ramos... Poetas, livros... Ramos carregados de folhas. Livros cheios de versos. Folhas, oxigênio do ar. Versos, palavras ao vento. Oxigênio, suporte do...

Campeonato Gaúcho de Rally Regularidade 4x4 realiza final em São Francisco de Paula - 03 e 04 de novembro

Competição define campeões das categorias Graduados, Turismo e Novatos nos dias 3 e 4 de novembro Com a definição de todas...

A Tartaruga Negra e a Saúde - por Fabiana Souza

A Tartaruga Negra Gigante é um dos quatro animais sagrados, também utilizada no Feng Shui. Ela está localizada no assentamento...

Sem água, luz ou wi-fi - por Franco Vasconcellos

Abrir a torneira. Acender uma lâmpada. Tão automático quanto piscar os olhos. E tão comum quanto eu estar aqui te...

Patrocinadores da cultura