Artes marciais • Origem do MMA - por Alexandre Almeida

Artes marciais • Origem do MMA - por Alexandre Almeida

Num mundo onde o MMA (mixed marcial arts - artes marciais mistas) está amplamente difundida através da empresa mais popular do mundo o UFC (Ultimate Fighting Championship); observa-se grande publicidade e inúmeros lutadores que mais parecem estrelas de cinema do que verdadeiros lutadores. Devo ressaltar que minha última frase não é sobre a qualidade técnica dos lutadores, mas sim a excessiva publicidade em que estão expostos os mesmos.

MMA, o próprio nome indica: artes marciais mistas. Afinal, que artes marciais são essas? Qual a mais eficaz? Veremos isso a seguir.

A origem das artes marciais possui várias vertentes, ou seja, alguns acreditam que sua origem é grega, outros acreditam que sua origem é oriental (hindu-chinesa). Independente da verdadeira origem, as artes marciais foram criadas para uma única finalidade: Guerra. Com o passar do tempo, as artes marciais foram adquirindo o status de esporte, com regras, competições, premiações e participações em jogos olímpicos.

Quantas são as artes marciais existentes? O que diferenciam umas das outras? Bom, a primeira pergunta não é possível responder, uma vez que existem artes marciais não divulgadas, ou que são restritas a povos ou mesmo transmitidas de pai para filho. Entretanto, as artes marciais mais conhecidas são: Kung Fu, Karatê, Judô, Aikidô, Jiu Jitsu, Kenjutsu, Boxe, Savate, Tae Kwon Do, Hapkido, Kickboxe, Muay Thai, Krav Magá, Capoeira, Kempô, Sumô e Luta Greco-Romana (Luta olímpica).

A grande diferença entre as modalidades de artes marciais são: luta agarrada e luta em pé. As lutas em pé são as modalidades que proferem golpes de contusão, ou seja, socos, chutes, cotoveladas e joelhadas. Nas lutas agarradas não são permitidos esses golpes, logo são lutas onde o objetivo é subjugar o adversário fazendo-o desistir do combate por meio de imobilização, torções em articulações ou mesmo fazendo perder a consciência através de estrangulamentos.

Para que as lutas tenham o caráter desportivo, foram estabelecidas regras para proteção dos praticantes destas modalidades. Deste modo, em competições oficiais no Brasil não são permitidos golpes nas genitálias, garganta, cotoveladas (exceto UFC), morder, por dedos nos olhos do oponente, puxar cabelo, atingir a nuca, chutar o adversário quando ele estiver no chão, pisar na cabeça do adversário e jogar adversário fora do ringue (exceto Sumô, onde o objetivo é justamente esse!).

Dentre as lutas em pé estão: Karatê, Boxe, Kung Fu, Savate, Kickboxe, Tae Kown Do, Muay Thai, Capoeira, Kenjutsu, Krav Magá e Hapkido. As lutas agarradas são: Judô, JiuJitsu, Aikido, Kempo, Luta Greco-Romana, Sumô e Hapkido. Cabe ressaltar que o Hapkido está em ambas as categorias, uma vez que esta arte em especial possui elementos de contusão (socos, chutes) e também elementos de luta agarrada (chaves, torções e estrangulamentos). Outra ressalva é o Krav Magá, pois o mesmo não é considerado uma arte marcial e nem um esporte, mas sim defesa pessoal. O Krav Magá é ensinado no exército de Israel e tem como característica principal a utilização de qualquer coisa além das mãos e pés, que esteja disponível para ser utilizado contra o oponente, exemplo: pedras ou pedaços de pau. 

É bastante comum nas artes marciais os praticantes possuírem graus de instrução, ou seja, graduação em determinada arte. Normalmente inicia-se com o grau branco (faixa, cordão, camisa, etc.) até atingir o grau preto. Neste caso, atinge-se status de professor, ou seja, alguém apto a ministrar aulas e propagar o conhecimento. Em outras oportunidades serão dedicados textos referentes a artes marciais específicas. Agora seguiremos nas artes marciais mistas (MMA).



O MMA surgiu a partir do campeonato idealizado pelos irmãos Gracie, na época era conhecido como Vale Tudo e o Campeonato levava o nome de Ultimate Fighting Championship (UFC). O formato do evento era bastante diferente dos moldes atuais. O Vale tudo não possuía divisão de peso e as lutas não possuíam controle de tempo, ou seja, cada luta acabava somente por desistência ou nocaute. As regras também eram muito menos restritivas, deste modo só eram proibidos golpes na garganta e dedo nos olhos, fora isso era tudo permitido; por isso o nome: Vale Tudo. Outra diferença era no molde de premiação do evento. O título de campeão era dado para cada edição do evento, logo, não existia defesa de título.

Mas ainda não era MMA, eram lutadores de determinados estilos que participavam daquele campeonato específico. O que se objetivava na época era saber qual era o estilo mais eficaz, exemplificando: JiuJitsu contra boxe. Este formato de evento era demasiado violento e não garantia a segurança dos lutadores; perdendo a essência de esporte e tratando-se apenas de duelo de estilos e egos. Dentre os lutadores brasileiros existem grandes nomes, que surgiram na época do Vale Tudo e dominavam um determinado estilo como: Marco Ruas (Muay Thai), Pedro Rizzo (Muay Thai) e Roice Gracie (Jiu Jitsu). Com a extinção do Vale Tudo, esses lutadores passaram a ser treinadores e líderes de equipes de MMA. Dando assim a origem do UFC nos moldes atuais, bem como aos demais eventos de MMA que seguem regras muito parecidas.

O formato dos eventos de MMA atual surgiu por algumas razões, dentre elas: os lutadores foram aprender outros estilos e tentar ser mais completos. Uma vez que no mma pode-se nocautear ou subjugar adversário. Assim, o duelo de estilos deixou de existir e passou a ser duelo entre lutadores, foi inserido o critério de divisão de pesos e tempo determinado de cada combate. Bem como também a premiação ficou semelhante ao boxe, ou seja, existe defesa de título. Cabe ressaltar ainda que os atuais lutadores de MMA são oriundos de determinado estilo de luta e vão “beber na fonte” de outros estilos para aumentar sua eficácia no esporte.

Observa-se de modo geral que a maioria dos lutadores preferem 3 estilos de artes marciais para seu arsenal. Boxe, Muay Thai e Jiu Jitsu, tais escolhas se dão pelos seguintes motivos: Boxe é escolhido pelo seu alto poder de nocautear o adversário através de socos; Muay Thai é conhecido como luta das oito armas (socos, cotoveladas, joelhadas e caneladas), ou seja, trata-se de uma modalidade de alto poder de nocaute; por fim a modalidade de luta agarrada o Jiu Jitsu, este com uma infinidade de chaves e imobilizações é uma das mais eficazes em subjugar o oponente. Logo, grande poder de nocaute e finalização torna o lutador bastante completo.

Os expoentes brasileiros do MMA são: Anderson Silva (Muay Thai e Jiu Jitsu), peso médio (até 83,9 KG) este considerado o melhor lutador de MMA peso por peso da atualidade, com mais de 10 defesas de título; José Aldo (Jiu Jitsu e Muay Thai), peso pena (até 65,7Kg); Vitor Belford (Boxe e Jiu Jitsu), peso médio; Wanderlei Silva (Muay Thai e Jiu Jitsu), peso médio, Rodrigo “Minotauro” Nogueira (Jiu Jitsu e Boxe), peso pesado (até 120,2 Kg) e Rogerio “Minotouro” Nogueira (Jiu Jitsu e Boxe), peso meio pesado (até 92,9 Kg), Júnior Cigano (Jiu Jitsu e Boxe), peso pesado e o gaúcho Fabrício Werdum (Kickboxe e Jiu Jitsu), peso pesado.

O Brasil é conhecido por ser “celeiro” de talentos de lutadores, logo, existem um grande número de academias que ministram aulas de MMA em todo o território nacional. Assim, como em todas as profissões, existem bons e maus profissionais. Por se tratar de esportes de contato, as academias possuem obrigação de zelar pela segurança dos alunos. Os espaços devem ser propícios à prática do esporte e o principal: o instrutor deve ser responsável pelos seus alunos! Responsável no sentido amplo da palavra, ou seja, o instrutor deve zelar: pela aprendizagem da arte; segurança e integridade do aluno e principalmente, o instrutor deve zelar pela filosofia da arte marcial. Pois é assim que se diferencia luta de briga.

Alexandre Augusto Ferreira de Almeida - Engenheiro Civil - Graduado pela Universidade Estadual Paulista - UNESP Engenheiro concursado da Prefeitura de São Francisco, atua na prefeitura desde 2013. Também é Musicoterapeuta (Graduado pelo Centro Universitário Conservatório Brasileiro de Música - Rio de Janeiro) Especialista em Psicologia do Desenvolvimento pela UFRGS.

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

As Mensagens Ocultas na Água - por Fabiana Souza

Água exposta à música Lago dos Cisnes, de Tchaikovsky Quem teve a oportunidade de assistir ao documentário “Quem somos nós?” (“What...

Escolas sem Partido ou Partidos sem Escola? - por Aline Reis Calvo Hernandez

Venho de uma família de professoras e de professores. Minha avó materna, mesmo tendo cursado somente o Ensino Fundamental, foi...

Dia 25 de Novembro • A Jornada de Ísis - São Francisco de Paula/RS

Espetáculo de Dança Oriental: A JORNADA DE ÍSIS O Mito de Ísis e Osíris contado através da Dança. É com muita honra que...

Torta de abobrinha sem glúten - Gabi Figueredo

A receita de hoje é especial para os doentes celíacos, mas quem não tem a doença pode comer a vontade...

Como investir em maquiagem? - por Giulia Aimi

Nesta edição, vamos conversar um pouquinho sobre como comprar maquiagem sem gastar tudo e mais um pouco. Para poder explicar...

Liberdade - por Filipe Farinha

Fiquei em débito com uma amiga em escrever sobre a “liberdade”. Tenho refletido muito sobre. Vejo que muito já se...

Não trema na foto! - por Silvio Kronbauer

Essa é outra coisa que aborrece fotógrafos: foto tremida! Por que isso ocorre? Esse é o assunto de hoje. Tem...

Albert Schweitzer - O médico de Lambarené

“Dar o exemplo, não é a melhor maneira de influenciar os outros - é a única.” Formou-se em teologia e filosofia na...

Você sabe o que é a Massoterapia? - por Juliana Gomes

A arte da massoterapia existe no Brasil desde o início do século passado, possui lei própria e diversas outras leis agregadas à profissão...

Ginástica Rítmica - por Amanda Pessôa

As Olimpíadas estão chegando, e muitos esportes que fazem parte desse belo evento não são muito conhecidos pelas pessoas por...

Patrocinadores da cultura