Bonecas em caixas - por Rosana Martins

Bonecas em caixas - por Rosana Martins

Guardadas, dentro do guarda-roupa, no quarto dos pais. Como se já não bastasse estarem nas caixas. Intocáveis. Definitivamente fora de alcance. Fora do brincar. Longe das mãozinhas de Ana. Ainda assim, eram suas, as bonecas.
Havia ganhado do pai que fez uma viagem para Europa. Coisa chique e para poucos na época. Trouxe mimos para todos. Para a filha caçula, bonecas. Lindas. Uma de cada país visitado. A da Itália dava-se corda, e ela ninava seu bebê ao som parecido com caixinhas de música. Um encanto! A da França, uma noivinha, vestidinho todo rendado, um luxo. O soldadinho da guarda real britânica então, um amor. A boneca portuguesa tinha sete saias. A espanhola, uma bailarina de flamenco. Guar- dadas, enclausuradas dentro de caixas. “Se tu pegar toda hora vai estragar. Não vê que suja assim? Deixa aí... pra mostrar o que tu ganhou do teu pai”. Era o que ouvia quando ficava sentada ali, em frente ao guarda-roupa com as portas abertas. Só olhando. Olhando e dando nomes a elas, imaginando como seria bom levá-las para o pátio e brincar. Simples, brincar. É para isso que servem bonecas, não? Brincar. Abraçar, tirar e colocar as roupinhas. Posicioná-las em diversas situações imaginárias.

Enfim... o vínculo normal entre uma menina e suas bonecas.
Quando chegavam visitas, Ana vibrava. Sabia que a mãe diria: “Vai lá no quarto. Busca as bonecas que teu pai te trouxe da Europa”, enchia a boca quando falava “Europa”. Para isso que serviam. Exposição. Para brincar Ana tinha a Pedrita, sua boneca de estimação. Personagem dos Flinstons. Já toda esgualepada. Sem o ossinho na cabeça. Os cabelinhos cortados, unhas e bocas pintadas com esmalte. Não tinha mais sua roupinha original. Ficava peladinha mesmo. Pra cima e pra baixo nos braços da moleca.
Ahhh! O que Ana não faria com aquelas, quase contos de fada, guardadas no armário, dentro das caixas, no quarto dos pais. É claro que faria misérias. Pois efetivamente brincaria. Brincaria. As bonecas sairiam das caixas. A menina tomaria posse daqueles presentes de exposição. Daria vida a elas. Ana trocaria os trajinhos, passaria a tesoura naqueles cabelinhos, quem sabe maquiagens definitivas, com esmaltes coloridos naqueles rostinhos. Novos looks conforme as situações imaginadas no brincar. Poderiam ser mães ou filhinhas, donas de casa ou artistas de TV. Poderiam ser o que Ana quisesse. Até mesmo daminhas de companhia como Pedrita. A boneca que não ficou em caixa, longe de ficar guardada. Pedrita estava sempre por perto. Brincando. Nas suas mãos.



 

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

A Crônica da Vez: O estranho comportamento de Joana - por Cassio Schaefer

O relógio na parede adiantado uma hora Joana escuta um choro na madrugada, aquele acorrentado Videl duas vidas sentadas na...

A rotina e o tempo - Evanise G. Bossle

É, parece até muito simples, mas não é, o dia a dia e a rotina destroem até mesmo o melhor...

Atividades - Peso de pedra para papéis

Que tal fazer um peso de pedra, para papéis, com um desenho bem bonito? Você vai precisar de: • Uma pedra...

Recicle seu lixo!

Hoje, ecologia e meio ambiente se converteram em palavras habituais na linguagem de muitos seres no planeta. Poderíamos dizer que...

Algo se empieza a mover en febrero - por Elena Cárdenas

“Move” é o nome da música do Travis que estou escutando enquanto escrevo este artigo. Signfica movimento e é isso...

Plantas Medicinais – uma farmácia a céu aberto, e pode estar em nosso quintal! - por Telmo Focht

Na edição passada, comentamos sobre plantas tóxicas. Vamos aproveitar a carona no tema saúde e comentar agora sobre algumas plantas...

Bolinho de Chuva - por Tânia D’El Rei Silveira

Ingredientes: - 1 ovo grande batido - 1 xícara de leite frio - 1 colher de sopa de manteiga -...

Fotos Ronco do Bugio por Silvio Kronbauer

Este fim de semana aconteceu o 26o Ronco do Bugio, um festival de música nativista que acontece anualmente desde o...

De olho na conjugação verbal - por Aline Aguiar

Na hora de conjugar corretamente os verbos VER e VIR a dúvida surge, principalmente, quando utilizamos o futuro do subjuntivo...

Uma data chamada Natal - por Patrícia Viale

Natal é mais que uma data ou uma troca de presentes. Natal é um espírito, um estado de ser. Na...

Patrocinadores da cultura