São Jorge, livros e rosas

São Jorge, livros e rosas

Na Espanha, na região de Cataluña (Barcelona), as pessoas tem um jeito diferente de celebrar esta data, cultuando as tradições, a cultura, o saber, a amizade e o afeto entre as pessoas.

Neste dia, as pessoas enfeitam as ruas, colocam bandeiras nas sacadas, as ruas se enchem de banquinhas que vendem livros e rosas.  As famílias saem para passear, e comprar livros e rosas, que servirão para presentear pessoas queridas, companheiros de trabalho, etc.

 

A lenda de Sant Jordi

Diz a lenda que perto de Vila de Montblanc vivia um grande dragão que havia aterrorizado os habitantes da aldeia. As pessoas não sabiam como fazer para o dragão não se aproximar da muralha,e decidiram então dar-lhe comida. Primeiro deram-lhe ovelhas, vacas e assim por diante até que o dragão malvado havia comido todos os animais que estavam na aldeia. Mas ele ainda estava com fome e se aproximava cada vez mais da muralha. O povo de Montblanc não sabia como pará-lo e, finalmente, decidiu que teria que se sacrificar, um por um dos habitantes. Eles colocaram os nomes de todos em um pote, incluindo o rei e sua bela filha, a Princesa. Um belo dia, foi a vez da princesa. O Rei pediu aos habitantes que tiveram misericórdia com a princesa e não a deixassem morrer, mas era a vez dela e teria que cumprir o acordo. Quando o dragão veio para pegar a princesa, veio um bravo cavaleiro montado em um belo cavalo e brandindo a espada conseguiu fincá-la no coração do dragão, matando-o. Da ferida do coração veio um grande jorro de sangue que caiu no chão e imediatamente cresceu uma linda roseira. O cavalheiro pegou a princesa em seus braços e deu-lhe a bela rosa. O cavaleiro foi chamado de Sant Jordi. Todas as pessoas ficaram muito felizes porque ele tinha conseguido matar o dragão, até mesmo o rei ficou tão satisfeito que ele tinha salvado sua filha, que lhe ofereceu a sua mão. Mas Sant Jordi, muito grato, seguiu o seu caminho.

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

O interesse ou as ideias nos governam? - por Luís Osório Cardoso de Moraes

Pode-se dizer, mais acertadamente, que pelas ideias, pela ideologia, que dá operacionalidade àquele interesse - até então - mera potencialidade...

Dança - por Lucas Gomes & Thiago Alves

Dançarina: Daniela Sánchez A dança simplesmente existe. Ela não pode ser considerada uma criação humana. Ela compõe com a linguagem corporal...

Hífen - por Aline Aguiar

Algumas regrinhas básicas que auxiliam em muitos casos. Emprega-se o hífen: CONSOANTES IGUAIS - Quando o prefixo e o segundo termo apresentarem consoantes...

Ano novo, vida nova! - por Fabiana Souza

Ano novo é tempo de promessas e esperança, compromissos e mudança. No “brinde da virada”, prometemos ser mais humanos e...

Tipos e qualidade da luz - por Silvio Kronbauer

Quando se fala em fotografia, é imprescindível falar em luz, afinal “fotografar” é registrar a luz. Então, é válida aquela...

A Crônica da Vez: Invasora - por Andrea Dórea

Outro dia precisei pedir um certo favor para um vizinho de piso, uma bobagem. Chamei à sua porta, expliquei a situação...

Visual com Arte: Releitura - por Willian de Souza

Autor: Willian de Souza - Paraguaçu Paulista/ SP Releitura, feita com lápis aquarela preto {loadmodule mod_custom,Banner adsense middle article}

Chutando o pau da barraca - por Franco Vasconcellos

Quando tinha apenas catorze anos, assisti “O cozinheiro, o ladrão, sua mulher e o amante”, rotulado como comédia dramática. Eu...

Bolinho de Chuva - por Tânia D’El Rei Silveira

Ingredientes: - 1 ovo grande batido - 1 xícara de leite frio - 1 colher de sopa de manteiga -...

Amigos de Casa e de Rua - por Celina Valderez

Os animais domésticos, cães e gatos especialmente, estão se tornando cada vez mais presentes na sociedade. A superpopulação é um...

Patrocinadores da cultura