Queremos realmente uma língua mais simples? - por Sérgio Marino

Queremos realmente uma língua mais simples? - por Sérgio Marino

Tenho ouvido muitas vezes que a nossa língua, o português, é uma das línguas mais “difíceis” do mundo e que o inglês, essa sim, é uma língua “fácil” de se falar e escrever, já que tem poucas regras e menos flexões que a nossa. Ora, se isso é verdadeiro, devemos regozijar-nos, pois estamos vivendo em um tempo de “simplificação” de nosso vernáculo: estamos, finalmente, simplificando as flexões verbais: “Cê qué almoçá? Nois já almoçô!” “Se cê quizé, nois esquenta de novo procê.” “Tu qué que eu pego?” 'Tu qué que eu busco?”.

Achou feio, não gostou? Ora, provavelmente você já reclamou inúmeras vezes das regras que regem nossa gramática. É assim mesmo, se não gostamos de tantas “gramatiquices” devemos saudar as inúmeras simplificações que ocorrem diariamente na prática linguística:

Vamos comparar o verbo ser com o verbo to be do inglês:

 

É ou não é uma bela reforma na conjugação verbal? Assim, simplificada, o português se torna uma das línguas mais simples e já não perdemos anos e anos aprendendo regras e estaremos livres para outras atividades mais proveitosas, como a leitura por exemplo.

Quem achou horrível os exemplos citados e tantos outros de que oportunamente falaremos, deve mudar a postura e parar de dizer que o inglês ou outras línguas são melhores porque são mais simples. Não sejamos incoerentes: o português pode ser simplificado quase infinitamente. É isso que o povo está fazendo, simplificando a língua. É isso realmente o que a gente quer?!


Sérgio Marino
Professor de Língua Portuguesa



 • Publicado na Revista Usina da Cultura - número 08 - Dezembro de 2013.

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Gabinete da Primeira-Dama de Gramado leva tema de violência contra a mulher para as escolas

Com o objetivo de trabalhar a prevenção da violência contra a mulher e promover a igualdade de gênero, o Gabinete...

5 Dicas para um relacionamento feliz - por Ana Cruz

Por um mundo com menos “eu” e mais “nós”, por favor. Seja o namoro ou o casamento, em um relacionamento amoroso...

Bolinho de Chuva - por Tânia D’El Rei Silveira

Ingredientes: - 1 ovo grande batido - 1 xícara de leite frio - 1 colher de sopa de manteiga -...

As luzes ainda estão acesas - por Elena Cárdenas

Feliz Ano Novo! Já estamos em 2015 e a imagem das festas natalinas está, ainda, muito forte em nossa memória. Continuamos...

Ajuste de balanço de brancos - por Silvio Kronbauer

Sabe aquelas imagens de cores quentes, aconchegantes? E aquelas imagens de tons frios, que passam certa melancolia a uma cena?...

Encontro com a natureza - por Mercedes Sanchez

As férias de verão nos trazem novas experiências. É como reiniciar cada jornada com a expectativa do novo, do que...

Descobrindo as Relíquias Mineiras - por Lilian Lutz Lindorfer

Cidades Históricas A menos de 100 km de Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, inicia a jornada a caminho das importantes...

A Leniência Brasileira - por Fabiana Souza

O estado de mansidão da alma brasileira é dar nos nervos. Até Jesus, exemplo máximo de candura e solidariedade, se...

Inquietações e questionamentos sobre um dos marcos culturais do Brasil: o futebol - por Rodrigo Koch

Sempre me perguntei porque o futebol ocupa tanto espaço na mídia. Será que não há outra ou outras modalidades esportivas que possam atrair...

Festival de Bonecos de Canela comemora sucesso desta edição e prepara a trigésima

Foram 9 dias de muita cultura, espetáculos, debates e integração, no Festival Internacional de Teatro de Bonecos, em Canela, que...

Patrocinadores da cultura