A casa amarela - por Daísa Rossetto

A casa amarela - por Daísa Rossetto

Na rua onde moro existe uma casa esquecida pelo tempo…

Ela é cercada por um pequeno muro de tijolos antigos, que está sob uma cerca baixa de ferro pintada de branco.

Na rua onde moro existia uma casa. Sua base era feita de tijolos compactos que davam sustentação às madeiras largas, grossas e densas. Essas madeiras foram pintadas em tom de amarelo claro. Agora já velho, manchado pelo sol e pela chuva.

A casa antiga, da minha rua, tinha janelas brancas e vidros engordurados pela sujeira. Um telhado de telhas que começaram, também elas, a serem vítimas do tempo. Mas que, pareciam ter sido colocadas uma a uma, como num mosaico.

No entanto, a casa antiga, ou a antiga casa, quase não existe mais. Foi, aos poucos, sendo arrancada, restando pedaços de um esqueleto, pedaços de uma história que eu invento, pedaços de histórias que outros guardarão para si.



As paredes tornaram-se tábuas de madeira, empilhadas umas sob as outras, estão num canto da casa que não é mais casa. Penso se, de repente, os pregos já estão enferrujados…

Perco meu olhar sobre ela, pensando no que irá acontecer ali. E num instante quase temo com o que virá, estruturas prontas, paredes na cor da moda, portão de vidro.

Tento imaginar, e quase me preocupo que, talvez, no futuro, enquanto o tempo continuar a dança eu fique perdida buscando na memória, tentando reconhecer o que haveria ali, antes…

E então, talvez eu lembre, vagamente, qualquer coisa daquela casa amarela, frágil e, talvez, eu ainda recorde do jasmim que no inverno perdia as folhas e no início da primavera surgia em flores brancas, imponentes, respirando vida, transbordando a vida cercada pelo asfalto, numa rua onde passam carros acelerados e onde havia uma casa amarela de porta e janelas que emperravam, a casa que eu passava pela frente e me perguntava se havia alguém morando ali. 

Daísa Rizzotto Rossetto
Aspirante à escritora, desbravadora do mundo. Idealizadora do blog Café, Conversas e Livros e redatora web.

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Ponto de vista - por Maria Lucia da Silva Teixeira

Orgulhar-se de nossa terra, honrar suas tradições, resgatar sua história e sua cultura é muito mais do que uma satisfação...

Taboulee ou Tabule - por Alba Estela Souza

Com origem no Líbano, o tabule é a salada mais famosa da culinária árabe.Delicioso e saudável, é uma ótima opção...

Musicoterapia - por Juliana Gomes

A Musicoterapia é uma terapêutica que visa, através de seus componentes – ritmo, melodia e harmonia - a colaborar no...

Cortinas abertas - por Franco Vasconcellos

Sou um palhaço. De repente, me vi, novamente, em cena e era tão prazeroso que não compreendia o porquê havia...

Sabia que?...

... O mel pode durar centenas de anos? Nas câmaras subterrâneas do Egito antigo, onde eram deixados alimentos em homenagem...

Sob medida - por Tiago Oliveira da Costa

“Uma TV a cada dez metros quadrados, a programação diáriaOs partidos políticos, as promessas em tempos de eleição As propagandas...

A mulher negra na história - por Ângela Nascimento

No mês de março comemora-se o Dia Internacional da Mulher, elas recebem abraços, flores e presentes de quem as admiram...

StreuSelkuchen - Torta de crocante - por Bartira Maues

Ingredientes Massa 01 ovo 1/2 copo de açúcar 1/2 pitada de sal 1/2 copo de leite morno 1/4 copo de óleo...

3 Mitos sobre a depressão - por Ana Cruz

A depressão não surge do nada, nem nasce do vácuo. Tão pouco tem a ver com falha de personalidade. As...

Definidos Finalistas do Prêmio Academia Rio-Grandense de Letras - Cerimônia de Premiação 12 de dezembro

Já foram definidos os finalistas do primeiro concurso literário lançado este ano pela Academia Rio-Grandense de Letras e a cerimônia...

Patrocinadores da cultura