Nós, as cores… - por Daísa Rossetto

Nós, as cores… - por Daísa Rossetto

Não limitemos as cores.

Que as cores não me limitem!

Sou todas elas, sou a mistura, a pintura fora da margem, fora da tela, depois da moldura.

Não limitam-me as cores que visto numa noite, como uma sentença anual. Sou todas elas, misturas dentro de mim, um arco-íris infinito, em expansão… Infinito.

Porque hoje a noite é fria, é sexta-feira, é inverno. E eu pinto todas as cores na dança dos dedos quando rabisco palavras.

Eu peço, aos céus, entre palavras escritas erradas, entre a (in)concordância e o sentido desfeito, que para os próximos tempos eu possa continuar inventando minhas próprias cores, entre a tinta da caneta e o amarelado do papel.

Porque para todos os princípios eu quero ser o início, a tela branca, todas as cores, todas as falas que vibram sem volume, no som calado.

Não limitemos as cores de uma noite. Deixa ser o tom do calor ou o tom do frio, deixa ser a cor do abraço apertado, da taça borbulhando, das frutas doces, dos beijos estalados, dos beijos demorados, dos beijos todos…

Deixa ser a cor que dança em mim e dança em você, quando a música toca sem sabermos de onde vem…

Deixa ser a cor do passado, do ontem. Das paixões que não chegaram a ser e daquelas que ficaram pela metade na cidade dos estudantes. Deixa ser a cor do amor como for, como quiser ser, como tiver de ser.

Deixa ver a cor do voo da gaivota sobre mim e da pomba caminhando entre as crianças e os cães…

Deixemos ver o mundo em mil faces de luz, de branco que é a união de todas as cores. Apaguemos com a borracha da ponta do lápis, os tons infelizes da guerra, da violência, do mal sem face, sem cor…

Pintemos outra vez a rua, a praça, a igreja, o mar, os prédios desfeitos por bombas e tapas opressores.

Pintemos a cara com os tons que no mundo nos apetecem! E gritemos à vida que ela já não precisa nos esperar. Estamos vivendo, estamos pintando a rua, o dia, a noite e não precisamos nos limitar a cor da virada, não somos a sentença. Somos as cores que pintamos em nós. Pra dentro, ato feito, refeito, outra vez feito. Somos as cores. Nós, as cores…

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Sabia que?

... A maior ponte do mundo fica na China e possui 42 km de extensão? A ponte Qingdao Haiwan faz...

San Juan, São João!! - por Elena Cárdenas

Junho é tempo de longos dias de verão, de sol, de praia e de uma festa muito celebrada, especialmente na zona...

Rincão Poético: O Ébrio - por Cristiano Machado Lisboa

Veja o ébrio que em noite fala o seu encanto, Quando ainda canta sua sina sem parar Veja o ébrio...

A biblioteca e a inclusão das crianças especiais na escola: uma história de dinossauros - por Cléa Penteado

Este é o relato do trabalho desenvolvido na escola, com uma turma de Jardim B(com crianças de 5 a 6...

Olho tudo, boca tudo. Pode? - por Giulia Aimi

Carnaval chegando, muitas cores e muito glitter, eis que surge a dúvida: posso usar olho tudo e boca tudo? Com...

Permita-se a lembrança boa - por Karine Klein

Se você pudesse guardar uma lembrança boa de um amor que lhe feriu, qual seria? Normalmente, quando se termina um...

O Livro dos Abraços - Eduardo Galeano

Tratar a memória como coisa viva, bicho inquieto: assim faz Eduardo Galeano quando escreve. Sua memória pessoal e a nossa...

Ginástica Rítmica - por Amanda Pessôa

As Olimpíadas estão chegando, e muitos esportes que fazem parte desse belo evento não são muito conhecidos pelas pessoas por...

As luzes ainda estão acesas - por Elena Cárdenas

Feliz Ano Novo! Já estamos em 2015 e a imagem das festas natalinas está, ainda, muito forte em nossa memória. Continuamos...

Sabia que...

O córtex cerebral começa a perder espessura aos 5 ou 6 anos de idade, como parte do processo normal de...

Patrocinadores da cultura