El dia más dulce - por Elena Cárdenas

El dia más dulce - por Elena Cárdenas

Pensando neste artigo, lembrei da música “La femme chocolate” (a mulher de chocolate), de Olivia Ruíz, uma doce canção sobre a metamorfose.
Precisamente, de chocolate e metamorfose eu gostaria de falar neste mês. O chocolate é um alimento muito versátil e o podemos encontrálo de diferentes formas: em pó, em barra, em creme, líquido... (de chocolate sabem muito em Gramado, verdade?) Por isto é o ingrediente perfeito e o principal protagonista da segunda- feira de Páscoa na região da Catalunya.
Em muitos países é habitual celebrar a Páscoa com atividades para as crianças, onde o prêmio são ovos de chocolate decorados. Mas, se ao invés de um ovo, você recebesse um Castelo, um carro, ou um jardim feito em chocolate? Isto é o que se dá de presente na Catalunya no “Dia da Mona”, onde, apesar do nome estranho, é um dos dias mais doces do ano.Segundo a tradição, na segunda-feira de Páscoa os padrinhos presenteiam seus afilhados com “La Mona”. Originariamente consistia em uma base de bolo, enfeitado com um ovo cozido, decorado com penas e pintinhos. Mas, como todas as tradições, evoluiu de um simples bolo para uma autêntica obra de engenharia, pela complexidade das decorações.A cada ano as confeitarias competem criando as peças mais espetaculares e chamativas. Prédios, esportistas ou personagens de desenhos animados modelados em chocolate são os protagonistas das “monas”. Desde as mais simples até as mais elaboradas, todas requerem horas de trabalho. Os confeiteiros dedicam-se durante semanas para poder estar com tudo pronto na segunda-feira de Páscoa.Ainda lembro como me senti ao receber minha primeira mona, uma casinha de chocolate em forma de cogumelo, com pintinhos amarelos, rodeada de penas coloridas. Era tão linda e tinha tanto chocolate que eu não sabia por onde começar a comer. Inclusive, hesitei durante um segundo em fazê-lo, pois dava pena desmanchar aquela obra de arte.Devo confessar-lhes uma coisa, é verdade que esta é uma festividade para as crianças, mas não há um adulto que possa resistir a um “bocadito” de chocolate.

Elena Cárdenas, Designer, comunicadora e escritora vocacional. Apaixonada pela serra gaúcha e por seu país, Espanha, reside em Barcelona atualmente, mas se considera uma cidadã do mundo.

• Publicado na Revista Usina da Cultura - número 22 - Março de 2015: http://www.usinadacultura.com/index.php/usina-da-cultura/ler-online-revista-usina-da-cultura/edicao-marco-2015.html

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Palavras não Ditas - por Jéssica Gomes

Dizem que alguns escrevem histórias que vivenciaram e outros ficção, eu por outro lado, prefiro as histórias inventadas. A ficção...

Será que vou me arrepender? - Diogo Krevoniz

Esta perguntinha me atormenta e se aplica a tudo na minha vida. Afinal, temos que fazer escolhas constantemente. As escolhas...

Ditados Populares com nomes de Animais – você já deve ter ouvido muitas vezes - por Telmo Focht

Quem já não ouviu pelo menos uma das dezenas, ou centenas, de ditados populares envolvendo o nome de pelo menos...

Como viver o AGORA? - por Mercedes Sanchez

Viver o agora é estar presente no presente. Raramente estamos integralmente no momento presente, pois nossas emoções, lembranças ou projeções interferem...

Carnaval? Não, obrigada. - por Fabiana Souza

Quem tem um pouco mais de lucidez e tranquilidade na alma se angustia quando chega o Carnaval. A folia, forçada...

Academia Rio-Grandense de Letras Cria Prêmio Literário Anual

A Academia Rio-grandense de Letras (ARL) lança, dia 22 de junho, concurso literário que contempla três categorias: escritor do ano...

Citação - por Cassio Schaefer

Não tenho boas palavras para um aborto o homem anda numa nevasca terrível congelando até sua alma de pescador trás...

Atividades - Papai Noel de Dobradura

Vamos fazer esse Papai Noel de dobradura? Depois de pronto, você poderá usá-lo no pinheirinho, em cartões, guirlandas... Use a...

Daria um filme (A ida) - por Franco Vasconcellos

Seguidamente, ao contar alguma das minhas histórias, ouço alguém dizer: “Bah... daria um filme!”. Muitas vezes, eu concordo. Essa que...

Chutando o pau da barraca - por Franco Vasconcellos

Quando tinha apenas catorze anos, assisti “O cozinheiro, o ladrão, sua mulher e o amante”, rotulado como comédia dramática. Eu...

Patrocinadores da cultura