Muy capaces - por Elena Cárdenas

Muy capaces - por Elena Cárdenas

Você conhece a canção “Paint in Black”, dos Rolling Stones? Me veio à mente o que aconteceria se Mick Jagger abrisse os olhos e visse tudo preto. Aquilo que ele tanto pede na música é o que acontece com muitas pessoas com deficiência visual.

Um estudo realizado no Brasil confirma que 15% da população sofre de algum tipo de deficiência, seja física ou mental; o levantamento, em base a 200 milhões de pessoas, apontou 30 milhões de pessoas com deficiência. Estima-se também que cerca de 82% das pessoas com deficiência na América Latina são pobres.

A pobreza é um agravante às pessoas com necessidades especiais, que convivem constantemente com a exclusão social, econômica e política, seja por serem rotulados ou por falta de políticas, programas e serviços que levem em conta suas realidades. Essa é uma questão que afeta nossas comunidades e exige que as coisas sejam alteradas, ao menos aquelas que estão ao nosso alcance, como a consideração e a inclusão de políticas de mobilidade, para ajudar no pleno desenvolvimento de quem precisa.

Algo tão simples, como a adequação de uma calçada, já pode fazer a diferença entre um obstáculo ou a possibilidade de autonomia para uma pessoa em uma cadeira de rodas. Um semáforo com sinais acústicos ao estar verde proporciona, a um cego, atravessar a faixa de pedestres com segurança.

É certo que em todos os países ainda há muito por fazer, porém em algumas cidades já se notam algumas alterações, como semáforos adaptados e rampas, além de outros sistemas muito práticos e simples. Por exemplo, em Barcelona, para que as pessoas cegas possam encontrar os pontos de ônibus, o pavimento de calçadas possui listras em relevo que os guiam para o ponto exato onde o ônibus para. Este mesmo sistema é aplicado em estações de metrô ou trem. Há também muitos caixas eletrônicos com teclados em braile*.

Tomar consciência e começar a introduzir pequenas alterações é um grande passo para que as pessoas tenham maior autonomia e qualidade de vida. Podemos todos contribuir!

*Braille é um sistema de leitura tátil e de escrita concebido para pessoas cegas.

Elena Cárdenas
Designer, comunicadora e escritora vocacional. Apaixonada pela serra gaúcha e por seu país, Espanha, reside em Barcelona atualmente, mas se considera uma cidadã do mundo.

• Publicado na Revista Usina da Cultura - número 23 - Abril de 2015

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Métodos de esterilização em animais de companhia - por Bárbara Castagna Lovato

Em várias cidades é alarmante a população de animais de rua. A castração de cães e gatos é de suma...

Museu de Arte Contemporânea de Niterói (MAC)

Obra de Oscar Niemeyer, quem em 2006 diz: “Como é fácil explicar este projeto! Lembro quando fui ver o local. O...

Dar valor à força da palavra é um processo consciente - por Mercedes Sanchez

Uma vez ouvi dizer: “A palavra é prata e o silêncio é ouro” Pensar antes de falar evitaria muito mal-estar, em...

Rincão Poético: Um Livro - por Iva da Silva

Um livro fechado é uma flor Que poderá desabrochar. Um livro aberto é um amigo Em quem se pode confiar. Um...

Perigo a vista: lugares altamente mortais - por Telmo Focht

Ter um seguro viagem é importante para quando você for viajar. Seja para proteger suas bagagens, seu voo ou te...

Você sabe o que é a Massoterapia? - por Juliana Gomes

A arte da massoterapia existe no Brasil desde o início do século passado, possui lei própria e diversas outras leis agregadas à profissão...

Uso do verbo haver - por Aline Aguiar

- O verbo haver no sentido de ocorrer e existir é impessoal, ou seja, permanece na terceira pessoa do singular...

O Reflexo Da Nossa Identidade - por Fabiana Souza

Na  busca pela nossa identidade, o espelho emerge da Mitologia Grega banhado pelas águas que hipnotizaram Narciso. O diálogo entre o...

E além de tudo, é ecológico! - por Celina Valderez

O aleitamento materno é um recurso renovável valioso. É um dos poucos alimentos produzidos e liberados para consumo sem nenhuma poluição...

4.0 (a hora do desassossego) - por Franco Vasconcellos

Achava que quando fosse um velho, de quarenta anos, estaria entregue às baratas. Já contei pra vocês que nem lembro...

Patrocinadores da cultura