De uns tempos pra cá, mudei. Foi a melhor coisa que fiz - por Ester Chaves

De uns tempos pra cá, mudei. Foi a melhor coisa que fiz - por Ester Chaves

De uns tempos pra cá, mudei. Comecei a dar a importância que as coisas têm e parei de sofrer por bobagens. Se antes, ponderava muito antes de sair das relações e ficava como porteiro desequilibrado tentando controlar o fluxo e as despedidas, hoje ajudo a fazer as malas e fecho a porta sem arrependimento.

Não, não me tornei uma pedreira. Não sou insensível. O meu coração continua bobo por sutilezas, tem predileção por exageros bonitos, bate na frequência mais forte, e às vezes, fica descompassado e louco quando se depara com alguma beleza extravagante. O que acontece é que não faz sentido colocar intensidade nas coisas que não vibram. Despejar amor em corações baldios e improdutivos. Se dedicar a quem não sabe o que é ter alguém que se preocupa com a qualidade do seu dia e que espera ansiosamente pelo carinho do seu abraço. Alguém que cuida e se doa nos mínimos detalhes só pra ver a dança da felicidade se exibindo no seu rosto.

Toda mudança requer um olhar demorado sobre as coisas, e ainda me pego pensando nos penduricalhos inúteis que guardei ao longo dos anos; amizades de ocasião, que duraram apenas o quanto pude dar a elas a minha melhor versão. Pseudoamores que despejaram uma carga de insegurança na minha vida e me fizeram duvidar de que o pré-requisito pra ter o amor genuíno é cultivar o próprio. A vida virou uma extensa passarela, onde vi tudo se exibir com pressa e se desmanchar, sem nenhum entusiasmo, sem nenhuma verdade, sem compromisso algum com a reciprocidade. Pessoas que chegaram, interpretaram suas cenas com calculada frieza e desapareceram.



Hoje cuido dos meus afetos com demorada alegria. Sem deixar os meus desejos pra depois. Sem estocar os sentimentos porque coração intenso é órgão que vive exposto. Mas, compreendi que é preciso domesticar os ímpetos e fazer triagem do que fica, de quem fica nestas terras sagradas, neste coração que não precisa sofrer quedas desnecessárias pra descobrir o quanto é importante. Hoje, sei me despedir sem achar que é o fim do mundo, sem imaginar que viver sem uma pessoa vai comprometer a minha vida inteira. Hoje, compreendo que quem não fica é porque não quer. Aprendi que a primeira cláusula de um sentimento verdadeiro se chama “liberdade”.

De uns tempos pra cá, mudei. Foi a melhor coisa que fiz.

Ester Chaves, escritora Brasiliense, graduada em Letras e estudante de Gestão e Produção Cultural.

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Por mais terras que percorra - por Rosana Martins

Aos setenta anos de idade ele chorava. Sentado, na sala, em frente a TV. Era oito de maio, dia da...

A importância da alimentação adequada - por Fabiana Souza

Quando eu nasci, meu pai já padecia os males de uma saúde frágil. Aos 18 anos, ainda no quartel, ele...

Desenvolvimento da capacidade criadora através da arte - por Mercedes Sanchez

A arte é uma atividade dinâmica e integradora, com um papel fundamental na educação. O desenho, a pintura, a música, o teatro..., conformam...

Queijo Serrano: Alimento e tradição - por Sandra Mallmann

Os alimentos, assim como a dança, a vestimenta e os costumes, fazem parte da cultura de um povo, identificando-o e...

Peru - Diversos cenários no mesmo país - por Karine Klein

Recentemente, viajei, com um grupo bem heterogêneo, para o Peru. Que país lindo! Que cultura riquíssima! Cada lugar que conheci...

Rincão Poético: Pequena Esperança - por Evelyn Fagundes

Já olhei para esta floresta.  Já olhei para este rincão.  Já vi pássaros voando. E o sol caindo ao chão. A...

Doroty Gale tem razão - por Franco Vasconcellos

Quando pensei em escrever essa crônica, terminava de organizar as coisas no apartamento onde passei a morar. Pensei seriamente em...

O Uso de Altares no Feng Shui - por Fabiana Souza

Embora o Feng Shui Tradicional não esteja associado a nenhuma religião em especial, sabemos que o Budismo e o Taoísmo...

Pão Pita - Passo a passo com imagens

O pão pita, ou pão sírio, é um pão achatado de origem árabe, introduzido no Brasil pela colônia sírio-libanesa. É...

Liberdade interior - por Mercedes Sanchez

Muitas vezes nos imaginamos seres livres e imediatamente relacionamos com a ideia de poder fazer o que quiser e quando...

Patrocinadores da cultura