A gente se despede quando percebe que não faz mais sentido ficar - por Ester Chaves

A gente se despede quando percebe que não faz mais sentido ficar - por Ester Chaves

Um dia, a gente, finalmente, se despede. Descobre que ir embora não é mais difícil do que ficar onde não é bem-vindo. A gente se veste de coragem, cata os verbos soltos pelo chão, as juras de amor e as promessas de ocasião.

Um dia, a gente compreende que, estar por estar onde quer que seja, não leva a lugar nenhum. É como ser qualquer coisa num cenário abandonado. E ser qualquer coisa em qualquer lugar não é ser nada.

Um dia, a gente descobre que se despedir é olhar de relance para tudo o que fica, para todas as coisas nascidas da comunhão de um instante que já foi eterno. Mesmo com essa lembrança, a gente não quer ficar porque não se sente mais em casa. O coração está adormecido e não se emociona com a risada do outro que antes era sol e abrigo.



Um dia, a gente, simplesmente, cansa de tentar arrumar a casa, ajeitar a mobília quebrada. A gente cansa de doer sozinho e sofrer por tantas ausências premeditadas. No fundo, a gente quer que tenha reciprocidade, a gente quer ser lar em beira de estrada, mas também quer ser luz acesa no coração do outro.

A gente não quer ser só passagem, travessia e meio pelo qual alguém faz alguma coisa. A gente quer ser o desfecho daquela história bonita, sonhada com laços e arranjos de fita. Mas, a gente se dá conta que era só rascunho e sombra no caminho do outro. A gente percebe que era só um nome avulso numa folha qualquer, um ancoradouro para abrigar alguns cansaços. Um estepe. Um talvez.

A gente se despede quando percebe que não faz mais sentido ficar se o coração do outro só se ressente, não perdoa e não ama mais. A gente se resgata indo embora sem olhar para trás, sem tentar lembrar que partir pode ser um erro imperdoável, mas que ficar não pode ser mais nada.

Ester Chaves, escritora Brasiliense, graduada em Letras e estudante de Gestão e Produção Cultural.

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Visual com Arte: Minha arte, em 2004 - por Wilson Barbosa

“Minha arte, em 2004” Tela em acrílico sobre bagum Autor: Wilson Barbosa {loadmodule mod_custom,Banner adsense middle article}

BBB e a Avenida - por Marisa Fernandes Nunes

Recentemente foi transmitido pela TV Globo o reality show Big Brother Brasil, que como o próprio título sugere, é copia...

Corrida: Corra o risco de ser feliz! - por Márcio de Avila Palermo

A corrida é um sucesso! Pesquisas recentes indicam como sendo um dos esportes mais praticados no país. Este dado é facilmente percebido a...

Cresceram mesmo - por Franco Vasconcellos

Não. Não me venham dizer que as meninas cresceram! Sempre sonhei com a menininha parceira que dizem que toda menina...

Sobre física - por Maria Zilda O. Valim e Eduardo Amaral

Há muito tempo despertou nos homens uma vontade de compreender o mundo no qual está inserido, entender também fenômenos naturais...

O Canal de Beagle - por Gilmar Hinchinck

Navegando nas turbulentas águas do fim do mundo... Todos Sabemos que nesse mundão temos uma grande variedade de lugares paradisíacos. Com...

Cataratas do Iguaçú

Texto:Duas amigas.Fotos: Martin St-Amant As Cataratas são uma sucessão de 275 saltos em forma de ferradura que brotam do rio Iguaçu...

Nova Petrópolis

No início do Século XIX, a região sul era um problema de segurança e infra estrutura para o governo central brasileiro recém liberto...

Chutando o pau da barraca - por Franco Vasconcellos

Quando tinha apenas catorze anos, assisti “O cozinheiro, o ladrão, sua mulher e o amante”, rotulado como comédia dramática. Eu...

Sem água, luz ou wi-fi - por Franco Vasconcellos

Abrir a torneira. Acender uma lâmpada. Tão automático quanto piscar os olhos. E tão comum quanto eu estar aqui te...

Patrocinadores da cultura