O frio é o cupido atento que se aproveita da fragilidade dos corpos para aproximar as almas - por Ester Chaves

O frio é o cupido atento que se aproveita da fragilidade dos corpos para aproximar as almas - por Ester Chaves

O frio é um convite para encurtar distâncias. Uma bela desculpa para reconciliação depois de um mal-entendido. Quando o casal briga num dia comum, onde a temperatura não ameaça, o marido já acampa no sofá, voluntariamente, sem cogitar a possibilidade de prolongar a conversa. Sabe que depois do erro, ficará uma lacuna que só será superada após algumas horas de solidão da mulher.

Cabisbaixo, o infrator carrega o travesseiro como uma criança que recolhe da caixa somente o brinquedo que ficará na cama durante à noite. A travessia do quarto para sala é realizada apenas uma vez, sem esticar o olhar para o lado e com extremo cuidado para não esbarrar em algum pertence esquecido por ela no meio do trajeto. Depois disso, não voltará mais ao local do crime, a não ser que seja convocado para matar uma barata.

Passar a noite em outro cômodo da casa sem a companhia da mulher é conhecer o campo minado da ausência. É treinar exaustivamente uma posição menos desconfortável, onde possa acalentar a si mesmo até adormecer. O castigo por ter pisado na bola é proporcional ao tempo de adaptação noturna, onde pensará no delito até que o sono resolva suspender o sofrimento.





Quando a temperatura cai, a tolerância aumenta. Há uma solidariedade espontânea de ambas as partes. Uma disposição heroica para evitar que o outro pegue um resfriado e adoeça. As mãos estão sempre disponíveis, como um cabide automático que oferece casaco. Há o cuidado de alertar o outro sobre a importância do uso das meias e o boletim sobre a evolução das enfermidades que surgem com as baixas temperaturas está sempre atualizado como medida preventiva.

O frio sempre joga a favor da união do casal. Qualquer esbarrão é motivo para oferecer abraço e inaugurar uma nova lua de mel. Qualquer caminhada é pretexto para entrelaçar os dedos. O frio é o cupido atento que se aproveita da fragilidade dos corpos para aproximar as almas.

Ester Chaves, escritora Brasiliense, graduada em Letras e estudante de Gestão e Produção Cultural.

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Cambará do Sul

Cambará do Sul é conhecida também como a "terra dos cânions" e "capital do mel", é também campeã no ranking...

Maze Runner - Correr ou morrer - por Isabela Sanchez

Com o best-seller que virou filme, James Dashner nos traz a história de Thomas, um garoto que está sem memória...

Sabia que...

... Uma das paixões de Elvis Presley era o sanduíche de pasta de amendoim? Dizem que, em uma das turnês...

Andorra - Un pequeño-gran país - por Elena Cárdenas

Durante casi dos años he estado viviendo en Andorra, un país de tan solo 70.000 habitantes ubicado en los Pirineos...

Atividades - Peso de pedra para papéis

Que tal fazer um peso de pedra, para papéis, com um desenho bem bonito? Você vai precisar de: • Uma pedra...

Rincão Poético: Havia - por Evanise Gonçalves Bossle

Havia um nome na parede Daquela velha casa E um coração meio apagado Logo na entrada. Aquele nome raro e...

O que é a Macela?

No Rio Grande do Sul, existe a tradição de colher a marcela na sexta-feira Santa antes do nascer do Sol...

Rabanada

Ingredientes:1 lata de leite condensado1 colher (chá) de essência de baunilha3 ovos, bem batidos20 fatias de pão francês amanhecidoaçúcar e...

E os anjos fumam seus charutos - por Franco Vasconcellos

"... Jamais voltaremos a ser que éramos antes da morte de um ente querido. Morremos também e em nosso lugar...

Estar solteiro: bom ou ruim - por Douglas Blanca

Logo no final das férias acadêmicas desse ano, vendo alguns posts nas redes sociais, pude perceber que para algumas pessoas...

Patrocinadores da cultura