As Causas Ocultas da Violência - por Fabiana Souza

As Causas Ocultas da Violência - por Fabiana Souza

Nos últimos meses, a violência tem gerado pânico no Estado do Rio Grande do Sul por conta da arbitrariedade dos criminosos. A bandidagem, protegida pela precariedade do sistema governamental (legislativo, executivo e judiciário), segue impune, livre para exercer todos os tipos de crime a céu aberto e a qualquer hora do dia, disseminando o terror, o ódio, a revolta e a tristeza profunda no coração das pessoas. Dizem que os bandidos têm um código de ética a zelar (???), o que acabava restringindo a criminalidade às zonas de tráfico de drogas e de armas. Mas hoje, nem mesmo esses ínfimos critérios são poupados da corrupção que circula nas entranhas do Brasil há, mais ou menos, 500 anos.

E como se já não bastasse a sensação de insegurança que estamos vivendo, o nosso medo ainda é multiplicado pelos meios de comunicação, capazes de manter uma sociedade inteira refém de discursos retóricos e de matérias tendenciosas, tudo em prol de mais audiência. Mas o fato é que a violência existe. Sempre existiu. O que não justifica, obviamente, a continuidade da sua existência.

Pesquisadores da alma humana (e de seus direitos) afirmam que o homem é um ser dual, dividido entre a razão e a emoção. Temos, então, uma natureza dupla: metade humana, metade animal. Nossa natureza animal possui as necessidades de comer, beber, excretar, dormir, reproduzir e de viver em comunidade. Nosso instinto de sobrevivência também está associado à nossa parte animal. 

Mas o nosso lado animal não é tão simples assim, pois ele é a sede das nossas emoções. Por isso, mais do que satisfazer as necessidades do corpo para mantê-lo vivo, queremos sentir prazer em tudo o que está relacionado a ele, passando, muitas vezes, por cima da crítica da razão, que avalia o que é bom em termos universais. Logo, a busca pela satisfação dos prazeres a qualquer custo esbarra nos limites da racionalidade e nos faz, perante outros homens, seres perigosos e passíveis de sermos enjaulados ou punidos com a morte.

Mas tudo bem, nem eu nem você somos tão perigosos assim. Somos trabalhadores honestos, pagamos os nossos impostos e queremos a paz mundial. Afinal, somos seres humanos racionais, com o pleno desenvolvimento das nossas faculdades intelectuais e sabemos o que é certo e errado. Por que, então, a injustiça recai sobre nós? Por que somos vítimas da falta de caráter de certas pessoas? Por que as autoridades não conseguem acabar com a violência? Qual é o sentido de trabalharmos dia após dia e de constituirmos uma família se tudo o que acreditamos pode ruir num piscar de olhos, com a chegada da violência à nossa porta? Essas e outras perguntas retumbam na mente de todas as pessoas ditas “de bem”.

No entanto, para responder a essas perguntas, precisamos entender as causas espirituais da violência. Não é algo que se ensine na escola, infelizmente, porque a ciência ainda não alcançou esse nível de investigação. Os ensinamentos espirituais continuam restritos às Escolas de Mistério, ainda que muita informação de qualidade esteja disponível atualmente em todas as partes do mundo.

Para começar, você sabia que os nossos pensamentos são feitos de matéria? Nós estamos encarnados em um mundo material, logo, tudo o que concerne à nossa vida material também precisa ser revestido de matéria. Certamente, os pensamentos humanos não possuem a mesma densidade de uma cadeira ou de qualquer outro objeto que conhecemos. Os nossos pensamentos são feitos de matéria do plano mental, que é extremamente sutil. Compostos de partículas finíssimas, que se agrupam e tomam a forma do desejo de seus donos, os pensamentos se “desprendem” do corpo mental que lhes deu a vida - como uma porção de energia que vaga a esmo - até encontrar outros pensamentos de igual espécie e a eles se juntarem pela Lei da Atração. 

Todos os objetos que fabricamos possuem uma finalidade. A finalidade da cadeira, por exemplo, é servir de assento. Do mesmo modo, os nossos pensamentos também possuem um objetivo. Em geral, os pensamentos humanos são todos da ordem do desejo e a finalidade do desejo é ser satisfeito. Por isso, quando pensamos veementemente em algo que não podemos realizar – seja porque as leis não permitem ou por qualquer outro motivo que coíba ou reprima a nossa prática, os pensamentos buscam a realização fora de nós, em outros corpos.

Os pensamentos são mantidos vivos pela força da intenção que os gerou. Podem durar poucos minutos, mas também podem durar muitos anos. Pensamentos bobos e passageiros não têm força suficiente para causar grandes estragos. Mas intenções muito arraigadas são poderosas fontes, tanto para bem quanto para o mal. Sendo assim, desejos corruptos e depravados podem se mesclar com emoções de ódio, inveja, ganância, ciúme e intolerância, sendo capazes de percorrer muitos quilômetros a fim de acharem um espírito mais fraco e suscetível de realizá-los.



Se você nunca ouviu falar sobre esse assunto e está começando a ficar assustado, a má notícia vem agora: TODOS NÓS SOMOS DIRETA OU INDIRETAMENTE RESPONSÁVEIS PELOS EFEITOS DOS NOSSOS PENSAMENTOS.

Por exemplo, quem ambiciona ter bens materiais sem passar pelo trabalho de conquistá-los com dignidade está corroborando com o aumento dos índices de corrupção, roubos e assaltos na sua cidade. Quem deseja manter relações sexuais impróprias ou pervertidas está corroborando com os índices de prostituição, traições, abusos e estupros. Quem cobiça a morte (inclusive, a de animais para consumo próprio ou para fins religiosos) está corroborando com o aumento dos índices de maus tratos, assassinatos, guerras e genocídios. 

Levando tudo isso em consideração, você tem a real dimensão dos problemas que os seus pensamentos podem estar causando a si mesmo, à sua família, à sua cidade e, até mesmo, ao seu país? Lembre-se da Lei da Atração. Você somente atrairá para a sua vida aquilo que estiver em sintonia com as vibrações da sua consciência. 

Nesse ínterim, podemos nos enganar com a aparente felicidade dos bandidos que esbanjam riqueza e poder usurpados do suor do povo, sem que jamais sejam punidos. Essa falsa felicidade, advinda do sofrimento de outras criaturas, só pode perdurar em espíritos muito primitivos, cuja consciência ainda dormita nas teias da ilusão.

Mas se você está acordado, é chegada a hora de fazer a sua parte para que a violência não atrase ainda mais a nossa evolução. Lute, mas não por mais presídios, leis mais rígidas, torturas, ditaduras e ou outras repressões. Lute para controlar os seus pensamentos, os seus desejos e as suas emoções. Se você e eu, o fulano e mais o sicrano pudermos controlar o conteúdo dos nossos pensamentos, para que nem um único desejo sequer seja a causa energética do sofrimento de alguém, um mundo completamente diferente poderá surgir muito em breve. Chega da hipocrisia de nos autodenominarmos vítimas de uma violência em que somos, na realidade, cúmplices em diversas instâncias. 

Buddha nos ensinou que a verdadeira felicidade reside no desapego. Assim, onde não houver desejos, a dor não nascerá e tampouco poderá criar raízes. No Bhagavad Gita, Krishna ensina Arjuna a lutar para se libertar do ciclo de renascimentos, ou seja, das ações do karma. Essa é uma luta interna, em que a nossa consciência precisa se manter firme e forte na prática do Bem, mesmo em tempos tão difíceis como esse. Como recompensa, poderemos ser chamados, com legitimidade, de seres racionais.

No próximo artigo, veremos algumas medidas simples que todos nós podemos aplicar no dia a dia para ajudar no combate à violência e as técnicas mais utilizadas para controlar os pensamentos.

Boa Sorte!

--- LEIA TAMBÉM: AS CAUSAS OCULTAS DA VIOLÊNCIA PARTE 2 - POR FABIANA SOUZA ---

Professora de Filosofia Oriental, graduada em Filosofia pela UFRGS em 2008. Dedica-se à pesquisa e à prática da Sabedoria Oriental há mais de 20 anos. Especialista nas técnicas do Feng Shui Tradicional e na análise dos sistemas astrológicos chineses Bazi e Zi Wei Dou Shu.

Decoradora, artista gráfica e designer de peças exclusivas de decoração desde 1998. Presta consultoria residencial e comercial de Feng Shui Tradicional Chinês utilizando toda a sua experiência filosófica e estética na construção da identidade visual de empresas e na criação de projetos de harmonização oriental para comércios e residências.

Na área da Educação, oferece os serviços de Orientação Vocacional para crianças e de Orientação de Carreira Profissional para jovens e adultos. Na área da Saúde, trabalha com a Dietoterapia Chinesa baseada na análise dos biótipos constitucionais.

Dá palestras motivacionais direcionadas para os mais diversos segmentos do mercado, cursos profissionalizantes e workshops.

 

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Música - Z-Lions EP

Z-Lions EP  EP Máximo Respeito é o primeiro trabalho da banda Z’Lions dub. O vocalista recifiense Tyroy foi apresentado a partir...

O Uso de Altares no Feng Shui - por Fabiana Souza

Embora o Feng Shui Tradicional não esteja associado a nenhuma religião em especial, sabemos que o Budismo e o Taoísmo...

Sabia que...

... O Salto Angel, é a mais alta cachoeira do mundo, com um total de 979 metros de altura? A...

Curitiba
 · A cidade exala cultura - por Marcelo Silveira

Viajar pela tão famosa e desenvolvida Curitiba foi incrível! A cidade exala cultura e tive o privilégio de conhecer diversos...

O conselho do pássaro - por Ilan Brenman

Um sábio muçulmano e um velho rabino sabiam que as narrativas podiam iluminar o caminho daqueles que buscavam um entendimento...

Feng Shui e o lado prático da vida - por Fabiana Souza

O Feng Shui é uma técnica oriental de harmonização de ambientes e, como qualquer outra técnica, prevê obediência a certas...

ATENÇÃO! Prevenção contra afogamentos: 8 Dicas Básicas

Com a chegada do verão, muitas pessoas se aventuram para as margens de rios, açudes e barragens e não levam...

A que paradigma responde minha maneira de pensar e de viver? - por Mercedes Sanchez

Certamente, vivemos dentro de normas orientadoras, que estabelecem limites e determinam como as pessoas devem viver. Estes paradigmas surgem nas...

O negro espelho, o primeiro-ministro e a porca - por Franco Vasconcellos

Não sou do tipo de assiste séries episódio por episódio, de cada temporada... tenho amigos que dedicam finais de semana...

Vamos dialogar? - por Mercedes Sanchez

O diálogo é uma das melhores ferramentas para estabelecer uma relação harmônica e equilibrada com os que nos rodeiam. Todos dialogamos...

Patrocinadores da cultura