Chutando o pau da barraca - por Franco Vasconcellos

Chutando o pau da barraca - por Franco Vasconcellos

Quando tinha apenas catorze anos, assisti “O cozinheiro, o ladrão, sua mulher e o amante”, rotulado como comédia dramática. Eu o rotulo como “inquietante”, até hoje. Conta de um gângster, que janta todas as noites num restaurante em companhia de seus capangas e sua esposa.

Cansada dos modos violentos e grosseiros do marido, ela flerta com outro frequentador do restaurante. Ao descobrir a traição, o chifrudo mata o amante… o faz engolir um livro, página por página. É o gatilho que dispara uma história cheia de diálogos incríveis. 

(Muitas vezes, ficamos resignados numa condição miserável, acostumados, quietinhos em nossa zona de conforto esperando que a “água bata na bunda”, para, somente aí, descobrirmos o quanto sabemos nadar. E quando essa descoberta acontece, tomamos conhecimento de que nossos limites vão muito além do que podíamos imaginar.



O confronto, geralmente tão adiado por receio de suas consequências, é inevitável e necessário. Tantas vezes, o “não querer se incomodar” acaba trazendo transtornos maiores que “chutar o balde e rodar a baiana”. Acabamos deixando para depois que as crianças crescerem, depois que tiverem concluído a faculdade, depois que o carro estiver quitado, ou quando vier aquela promoção. Os anos vão passando e cada vez mais a inércia vai pesando sobre os ombros.

Virar a mesa pode ser libertador. Como esperar da vida uma resposta diferente diante das mesmas e repetitivas atitudes? Mudar pode provocar no outro – e não falo somente de relacionamentos amorosos – aquela mudança com a qual tantas vezes sonhamos e que nos faria mais felizes.)

No filme, recheado de escatologias, Helen Mirren é magistral. Sem sombra de dúvidas, a sua cena final, o momento em que Georgina, seu personagem, decide que não será mais massacrada pelo marido - quando ela convence o chef a assar o seu amante para que este seja servido ao esposo – ambientada no salão do restaurante, apesar de grotesca é arrebatadora e aguardada pelo espectador.

Que a mudança parta de mim. Até dezembro.

Franco Vasconcellos e Souza, gaúcho de Erechim, escreve sobre o cotidiano e aceita sugestões dos leitores

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Museu de América - Madrid/ Espanha

O Museu de América, em Madrid, foi criado por decreto em 1941, mas as coleções que custodia têm uma história...

A cidade dos resmungos

Era uma vez um lugar chamado Cidade dos Resmungos, onde todos resmungavam. No verão, resmungavam que estava muito quente. No...

O que é a Macela?

No Rio Grande do Sul, existe a tradição de colher a marcela na sexta-feira Santa antes do nascer do Sol...

Rincão Poético: Braços de araucária - por Rafaela de Albuquerque Ivo

Araucária dos braços longos Iluminada pelos raios do astro-rei Cresce mais alta em alguns pontos E embeleza o Rio Grande...

Vocação, eis a questão! - por Fabiana Souza

No sistema em que vivemos, é comum acreditarmos que um profissional satisfeito é aquele que ganha bem e, assim, poucos...

Horta orgânica - por Roger França

É o cultivo de verduras, legumes, temperos, frutas e plantas medicinais usando adubos orgânicos. O local de plantio pode ser...

Tour pelo Brasil - Espetáculo de fim de ano do Estúdio de Dança Atittude

Neste último fim de semana, o Estúdio  de  dança Atittude deu um show de dança, cores e magia durante a...

A adolescência saudável e a prática de exercícios - por Mercedes Sanchez

Qual o adolescente que não se preocupa com sua forma física, sua aparência, seu estado de ânimo e com sentir-se...

Desenvolvimento da capacidade criadora através da arte - por Mercedes Sanchez

A arte é uma atividade dinâmica e integradora, com um papel fundamental na educação. O desenho, a pintura, a música, o teatro..., conformam...

Palavras não Ditas - por Jéssica Gomes

Dizem que alguns escrevem histórias que vivenciaram e outros ficção, eu por outro lado, prefiro as histórias inventadas. A ficção...

Patrocinadores da cultura