Apenas o nariz - por Franco Vasconcellos

Apenas o nariz - por Franco Vasconcellos

Edy Britto e Samuel, uma dessas duplas sertanejas que pipocam e que eu nem sabia que existia (não curto o gênero) tem um refrão chiclete que diz que “homem chora sim”. Ouvindo, fui obrigado a pensar que, em meados do ano de 2016, início do terceiro milênio, isso ainda é tabu.

Há uns dois mil anos, o apóstolo João, no versículo 35, no capítulo 11 de seu evangelho, nos conta: "Jesus chorou"... isso não fez dele menos homem. E ele era um grande homem. Cabra macho que só... brigou com o capeta e venceu até a morte.

Sou chorão. Talvez isso seja novidade para ti. Os que convivem comigo já sabem dessa minha, digamos, característica. Comum é chorar pela beleza das coisas, por pequenas alegrias e gestos cotidianos. E são tantas as coisas que me alegram.





Andar descalço na grama ou na areia me alegra. Brincadeiras com minhas filhas me alegram. Fico feliz quando faço um bom trabalho, seja no cartório, no teatro ou na cozinha. Gosto de elogios, ainda que não saiba exatamente como recebê-los. (É mais ou menos aquela sensação de quando cantam “Parabéns à Você”, em que a gente não sabe se bate palmas, canta junto, ou se esconde debaixo do tapete).

Corações puros também me emocionam. Acho lindo quando percebo, em qualquer pessoa, que a criança ainda mora ali, em algum lugar. Bondade gratuita e desinteressada é outra coisa que enche meus olhos.

Sanguíneo, no dia a dia, me estresso, faço e pago contas. Atraso algumas, corro atrás, perco o sono, levo bronca, xingo, reclamo do frio, tenho dores de cabeça e azia. Mas não costumo me abalar.

Posso estar dando a impressão de que sou um cara tristonho e que ando por aí de cabeça baixa. Ao contrário, 99,99% do meu choro costuma ser provocado por bons sentimentos, sendo também farto o meu riso, o que confirma a teoria de Millôr Fernandes: “Entre o riso e a lágrima há apenas o nariz”. Sábio Millôr.

Franco Vasconcellos e Souza, gaúcho de Erechim, escreve sobre o cotidiano e aceita sugestões dos leitores

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Bolo de banana (sem farinha, açúcar e leite) - Por Alba Sanchez

Este bolo é delicioso e beeeem fácil de preparar. Uma ótima opção para quem quer um lanche mais leve, nutritivo...

Espécies exóticas e invasoras – uma ameaça real - por Telmo Focht

Exótica, ou introduzida, tem origem em outro ambiente ou região, mesmo que a origem e o destino estejam localizados dentro...

Os Reis Magos do Oriente - por Elena Cárdenas

Muitas são as tradições celebradas em todo o mundo durante a época natalina. Nos últimos anos a tradição do Papai...

“Se você não parar com isso vai apanhar...” • Parte III - por Thainá Rocha

REGRAS Quando a criança nasce, já começamos a ensiná-la algumas regras, como por exemplo, na amamentação. Algumas mães conseguem organizar uma...

Rota do Sol - No caminho do litoral

Ver mapa Verão, época de praia! Até pouco tempo atrás os gaúchos da Serra precisavam fazer um grande percurso, ou acessar...

As sobrancelhas importam? - por Giulia Aimi

Algumas pessoas acreditam que elas não fazem parte da maquiagem ou sequer fazem diferença no resultado final. Na dica de...

Hífen - por Aline Aguiar

Algumas regrinhas básicas que auxiliam em muitos casos. Emprega-se o hífen: CONSOANTES IGUAIS - Quando o prefixo e o segundo termo apresentarem consoantes...

Torta fria de atum - por Rosangela Valim Traslatti

Ingredientes: 1 Pão de sanduíche 2 Latas de atum 1 Vidro de maionese (500 g) 1 Vidro de pepino em...

Uso dos porquês - por Aline Aguiar

1º caso: Por que Usa-se o porquê separado e sem acento (por que), sempre que houver a possibilidade de substituí-lo pelas...

Rincão Poético: Fim do Carnaval - por Evanise Gonçalves Bossle

Fim de festa, fim de sonhos talvez. Terminado todo o poder da sedução e sem mais esforços, retira a máscara...

Patrocinadores da cultura