E os anjos fumam seus charutos - por Franco Vasconcellos

E os anjos fumam seus charutos - por Franco Vasconcellos

"... Jamais voltaremos a ser que éramos antes da morte de um ente querido. Morremos também e em nosso lugar surge um outro de nós, meio Highlander."

Essa semana, aqui em Erechim, morreu um rapaz de 18 anos. Fiquei sabendo no grupo de Whatsapp da minha família (o nome do grupo é uma homenagem póstuma - :D Vovó Miroca). Nem conhecia o guri. Mas a comoção era percebida em cada post. Estavam chocados. Não é normal nem esperado que pais enterrem filhos. Essa era a dor da qual falavam. Mesmo que a única certeza seja a morte, quando vem fora da ordem natural, provoca espanto e dor.

Dentre as mensagens recebidas estava uma em particular, atribuída à Danilo Sousa,que me trouxe admiração, não pelo texto, mas pelas imagens: “O céu se alegra com uma reação de maternidade a funerais. Os anjos vêem os enterros dos corpos do mesmo jeito que os avós monitoram as portas das salas de parto. ‘Ele sairá a qualquer minuto!’ Eles mal podem esperar para ver a pessoa que está chegando. Enquanto nós dirigimos carros funerários e vestimos preto, eles estão pendurando fitas rosas e azuis e distribuindo charutos.”.

A esse sentimento, complicado e particular, chamamos de luto. O luto nos concede uma certa carta branca, aleluia, e nos dá, por alguns instantes, o direito de sermos irracionais sem passarmos por julgamentos. Poucos são capazes de condenar a atitude de alguém que acabou de passar por uma perda dolorosa, ao contrário, solidarizam-se e dividem a dor.

O luto é importante e deve ser vivido. É um tempo que permite o “cair da ficha” e faz com que a mente trabalhe para aprender a viver sem a pessoa que partiu. E essa perda implica em uma mudança pessoal. Jamais voltaremos a ser que éramos antes da morte de um ente querido. Morremos também e em nosso lugar surge um outro de nós, meio Highlander.

E além disso, há a vida, que segue em frente.

Franco Vasconcellos e Souza, gaúcho de Erechim, escreve sobre o cotidiano e aceita sugestões dos leitores

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Rincão Poético: Braços de araucária - por Rafaela de Albuquerque Ivo

Araucária dos braços longos Iluminada pelos raios do astro-rei Cresce mais alta em alguns pontos E embeleza o Rio Grande...

Transgênicos – são bons ou ruins? - por Telmo Focht

Transgênicos são organismos que possuem em seu genoma (o conjunto de seu material genético) um ou mais genes provenientes de...

Masturbação Infantil: como os adultos devem agir? - por Thainá Rocha

Desde os primeiros meses de vida, a criança começa uma jornada pela exploração do próprio corpo, chegando às zonas erógenas...

Rincão Poético: Vida - por Evanise Bossle

Piquei palavras de papel comum,Palavras soltas de jornal comum.Piquei palavras soltas ao acaso.Fiz como o vento, levandoPétalas, folhas, sementes e...

Como viver o AGORA? - por Mercedes Sanchez

Viver o agora é estar presente no presente. Raramente estamos integralmente no momento presente, pois nossas emoções, lembranças ou projeções interferem...

Minha Vida Fora de Série: 1ª Temporada - por Isabela Sanchez

Mudar de cidade é difícil. Para Priscila, uma garota de 13 anos, essa mudança vai ser muito dura. Depois da...

Como investir em maquiagem? - por Giulia Aimi

Nesta edição, vamos conversar um pouquinho sobre como comprar maquiagem sem gastar tudo e mais um pouco. Para poder explicar...

Alimentação Natural - por Fabíola Frezza Andriola

A alimentação natural é aquela que utiliza alimentos que estejam o mais próximo possível de seu estado na natureza e...

Alimentação adequada e saudável - por Celina Valderez

"Alimentar-se não é apenas “engolir nutrientes”. É um conjunto de práticas que envolvem a escolha dos alimentos,  como eles  são...

Reciclar... sangue!! - por Celina Valderez

Um dos significados de reciclar, segundo a Wikipédia,  é  submeter (algo) a tratamento para reutilização. Esta coluna propõe-se a levantar...

Patrocinadores da cultura