Aliviemos nossos fardos - por Franco Vasconcellos

Aliviemos nossos fardos - por Franco Vasconcellos

Passei um tempão sem escrever aqui. Tanta correria e atropelos me impediam. Creio que esses meses sabáticos serviram para colocar algumas ideias em ordem e entender algumas coisas.

Adando aqui pela Baronesa do Gravataí, numa manhã de calor, ali perto da José do Patrocínio, avistei um casal desses que recolhem papelão e, da reciclagem tiram seu sustento. Eu, com a cabeça cheia das preocupações cotidianas às quais nos damos ao luxo de conservar e, eles, virando lixo, felizes. Era nítida a alegria, que confirmei quando, ao abrir a tampa de um container o moço, após um grito de exclamação disse: “Olha só, neguinha! Quanto papelão!”. Me envergonhei de mim.

Estamos tão habituados a ouvir o quanto a crise nos tem prejudicado, e no quanto as coisas estão complicadas, que acreditamos que o pior bate à porta. E já o vivemos, por antecipação. A simplicidade da alegria daquele casal, me lembrou que não preciso viver buscando um motivo para a felicidade. Viver é o motivo.

Drummond defendia que “Ser feliz sem motivo é a mais autêntica forma de felicidade.”. Passei, recentemente, a concordar com o sábio poeta. Com o raiar do dia, sei que os problemas, antes de mim, já se levantam. Mas também sei que a força que me deu o dia de hoje, dará o de amanhã.

Haverá o dia em que aprenderemos a celebrar, mesmo o lixo. Iniciemos celebrando as pequenas bênçãos cotidianas. Valorizemos aquilo que tem valor de verdade. Aliviemos nossos fardos.

Franco Vasconcellos e Souza, gaúcho de Erechim, escreve sobre o cotidiano e aceita sugestões dos leitores

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Que equipamento devo comprar? - por Silvio Kronbauer

Hoje a dica é um pouco diferente. Seguidamente as pessoas pedem (aos fotógrafos) um palpite sobre qual câmera comprar. Então...

Rincão Poético: Poesia Estradeira - por Glauber Vieira Ferreira

Faça essa experiência Quando estiver às margens de uma estrada deserta, Pare no acostamento Sinta o vento O balançar das árvores ou...

Gabinete da Primeira-Dama de Gramado leva tema de violência contra a mulher para as escolas

Com o objetivo de trabalhar a prevenção da violência contra a mulher e promover a igualdade de gênero, o Gabinete...

O orfanato da Srta. Peregrine para crianças peculiares • Ransom Riggs - por Isabela Sanchez

Jacob Portman é um garoto que desde pequeno sonha acordado com as histórias de infância de seu avô, mas a...

Economize energia, poupe o bolso e o meio ambiente! - por Celina Valderez

Energia A energia elétrica e a grande evolução dos aparelhos eletrodomésticos revolucionaram a vida na Terra. Esse conforto, porém, tem ajudado...

De olho na conjugação verbal - por Aline Aguiar

Na hora de conjugar corretamente os verbos VER e VIR a dúvida surge, principalmente, quando utilizamos o futuro do subjuntivo...

Peru - Diversos cenários no mesmo país - por Karine Klein

Recentemente, viajei, com um grupo bem heterogêneo, para o Peru. Que país lindo! Que cultura riquíssima! Cada lugar que conheci...

Rincão Poético: A Doce Bebida - por Evanise G. Bossle

Vinho... a doce bebida, que traz lembranças antigas... Brincadeiras infantis debaixo dos parreirais. Na sede imensa dos primeiros beijos, sorvendo a...

Onde está a cidadania do brasileiro? - por José Souza

“Cidadão é o indivíduo que, como membro de um Estado, usufrui de direitos civis e políticos garantidos pelo mesmo Estado...

Visual com Arte: Pintura Corporal - por Caroline Patueli Vargas

Artista: Caroline  Patueli Vargas, Rio de Janeiro/ RJ Caroline é modelo, artista e fotógrafa de suas próprias artes! Leva de 4...

Patrocinadores da cultura