O dono do carnaval - por Franco Vasconcellos

O dono do carnaval - por Franco Vasconcellos

Tá chegando o carnaval... a festa de Momo.
Sei que após ler o que segue, alguns irão me taxar de quadrado, ou fanático, ou mesmo de metido e chato, mas algumas coisas não consigo deixar de falar.
Segundo os gregos, Momo nasceu filho do Sono e da Noite, como o deus da zomba ria, do sarcasmo, da galhofa, do delírio, da irreverência e do achincalhe. De tanto criticar e ridicularizar os outros deuses, a divindade maior do Olimpo perdeu a paciência com ele e o despachou para a Terra, onde o deportado passou a apresentar o estandarte da folia. Houve um tempo em que na Roma Antiga, o soldado escolhido como o mais belo de todos era quem recebia a coroa de monarca brincalhão, o que lhe dava o direito de comer, beber e brincar até esgotar totalmente suas forças, sem que ninguém o impedisse de fazer coisa alguma. Ao final era queimado em sacrifício – por isso ‘quarta-feira de cinzas’.


Por aqui as coisas não parecem muito diferentes, o que muda é o sacrifício final. Uma grande safra de ‘filhos do carnaval’, lá pelos meses de outubro e novembro, sem mencionar a propagação de doenças que veio com a deturpação dos valores. Muitos sequer tem como descobrir de quem pegaram a DST, tamanha a rotatividade de parceiros.
Aqui no interior ainda nos chocamos ao ver na TV que os adolescentes ‘ficam’ com oito, 12 ou 23 em apenas uma noite, fazendo parecer normal o inaceitável. Os criticamos e suspiramos aliviados por não morarmos em grandes centros. A punhalada vem quando descobrimos que as coisas por aqui já não são tão diferentes. Quantas são as tristezas que nos traz uma manhã de Carnaval? Acontece aos milhares. Independente de crença religiosa, não quero aqui fazer um manifesto anti-Momo. Apenas quero recomendar quem é pai ou mãe, a que estejam atentos a seus filhos. Aproximem-se deles... e que o carnaval seja apenas festa.

Franco Vasconcellos e Souza
Gaúcho de Erechim, morador de São Francisco de Paula, escreve sobre o cotidiano e aceita sugestões dos leitores.
Envie e-mail para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

 

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Rincão Poético: Abandono - por Daiana Michaelsen Mergener

Sob o prisma desta luz o que era loucura agora é necessidade; Sob o prima desta luz o que era rotina...

A importância da Educação Física na Educação Infantil - por Amanda Pessôa

“Lutei para escapar da infância o mais cedo possível. E assim que consegui, voltei correndo pra ela.” - Orson Welles Ah! Já...

Visual com Arte: Minha arte, em 2004 - por Wilson Barbosa

“Minha arte, em 2004” Tela em acrílico sobre bagum Autor: Wilson Barbosa {loadmodule mod_custom,Banner adsense middle article}

Trono de vidro • Sarah J. Maas - por Isabela Sanchez

Como seria se, de repente sua vida fosse arrancada de você, e um ano depois, uma nova oportunidade de ter...

Batata recheada ou baked potato

Muito comum na Inglaterra a batata é uma excelente opção para fazer muitas receitas. Hoje vamos a uma receita de batata...

Austrália, meu bem querer! - por Fernanda Mumbach

Imagino o mundo sem poder viajar, aff, não seríamos tão felizes. Gracias Santos Dumont, guerreiro da aviação, que ligou as...

Rincão Poético: Para Jú(Ju)lia - por Gustavo Malagigi

Um acento nesse teu nome E um movimento da minha mão É artístico como uma habilidade de uma esgrima (Seria...

O que te identifica? - por Franco Vasconcellos

Num dos trechos de “O Homem do princípio ao fim” - seguidamente falo desse texto, pois o acho incrível, e...

Os joelhos da fé - por Laerte Santos

Estou me recuperando de uma segunda paralisia facial em dois anos. Acidentes de percurso dizem alguns. Coisas da vida, dizem...

Aprendendo a ser criança - por Fabiana Souza

Quem me conhece um pouco mais de perto, sabe que eu nunca gostei de ser criança. Sempre achei um tédio...

Patrocinadores da cultura