Sarau das prendas, beleza e tradição - por Mariane Soares

Sarau das prendas, beleza e tradição - por Mariane Soares

O Tradicionalismo vai além da indumentária, da música e da preservação dos costumes, tem um jeito de viver singular, e traz, no vocabulário, uma nomenclatura própria.

Quando o Movimento Tradicionalista iniciou, em 1947, apenas os homens frequentavam os bailes e os galpões de CTG. Com o tempo, os Centros de Tradições Gaúchas se tornaram entidades familiares, onde as irmãs, mães e filhas passaram a participar das atividades, junto aos homens da família.

Até hoje, nos CTG’s, o baile é de luz acesa, sendo o ambiente tranquilo e familiar. As entidades tradicionalistas, regidas pela Carta de Princípios do MTG, mantém as regras éticas e morais do gaúcho.

O Sarau de Prendas é um exemplo da maneira peculiar de cultivar a tradição e nada mais é do que um baile de debutantes à moda gaúcha, onde as prendas (debutantes) usam o traje feminino típico do Rio Grande do Sul. O vestido de prenda, inspirado na moda europeia da década de 1940, tem diretrizes definidas pelo MTG.

No sarau admite-se modelos um pouco mais sofisticados. A vestimenta é diferente da prenda adulta, mas algumas coisas todos tem em comum: os vestidos não possuem decotes e a barra da saia deve sempre chegar ao peito do pé.

Na cultura gaúcha, o Sarau deve ser o primeiro baile da prenda que, após esta data, passa a frequentar os fandangos. É um rito de passagem da infância para a adolescência. Geralmente, as debutantes são apresentadas com o nome de seus pais, a música preferida, poesia e uma frase ou mensagem que as defina. Em seguida, dançam uma valsa, sendo a mais tradicional “Prenda jovem”, cuja autoria é do grupo “ Os Serranos”. Seus versos, transcritos a seguir, nos diz muito da essência desta solenidade, repleta de encanto, sonho e magia.



Prenda Jovem
(Os Serranos)

Baila comigo esta valsa prendinha, roda na sala por primeira vez,
hoje não é mais aquela menina, pois prenda jovem agora se fez.
Foste a semente que com muito amor verde esperança de sonhos plantei,
vejo-te desabrochando feliz e eu mais feliz porque a vida te dei.

Flores, perfumes, sorrisos e luz, cenário de sonhos e felicidade.
Tudo é alegria, ternura e canção, na passarela restou a saudade.
Rodas agora com quem tanto quis, ver-te tão linda entre flores fulgir
e neste dia de sonho incomum cantemos todos então a sorrir.

Rodar, rodar neste imenso jardim, rodar, rodar sorrindo pra mim.


Sarau de prendas de
1993


Mariane Soares
Ex-primeira prenda da 27ª Região Tradicionalista Professora, Instrutora da Invernada Artística do CTG Rodeio Serrano, Diretora do Departamento Cultural do CTG 


• Publicado na Revista Usina da Cultura - número 06 - Outubro de 2013

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Mastigação é o princípio para uma alimentação saudável! - por Fabíola Frezza Andriola

Quando sentamos a mesa e, sem pressa, saboreamos nossa refeição, acabamos comendo menor quantidade do que quando sentamos à mesa...

São Francisco de Paula

Porta de entrada da Rota dos Campos de Cima da Serra ou ponto final da Rota Romântica, São Chico, como...

Caldos saudáveis

Caldo de carne, de galinha, legumes, bacon, picanha, costela… Tem caldo pra tudo que é tipo de prato. O problema...

Filme - Eu maior

Direção: Fernando Schultz, Paulo Schultz Ano: 2013Categoria/Gênero: Documentário                                 O documentário é uma reflexão coletiva através de entrevistas com pessoas de diferentes...

A Crônica da Vez: O estranho comportamento de Joana - por Cassio Schaefer

O relógio na parede adiantado uma hora Joana escuta um choro na madrugada, aquele acorrentado Videl duas vidas sentadas na...

Rincão Poético: Desfolhando - por Angélica Mattos

E eis que o tempo não muito brando, Foi passando, passando, E o vento nada amigo, ventando, ventando, E solitário...

Osteoporose • O que é e como evitá-la? - por Karen Gomes Lucena

A osteoporose é uma doença progressiva, caracterizada pela perda de massa óssea e deterioração da microarquitetura do osso, levando à...

Novos voos - por Nathan Camilo

Será que vale a pena? pensou. Estava às voltas com a possibilidade de alçar novos voos. Tinha muita vontade de...

A Crônica da Vez: Invasora - por Andrea Dórea

Outro dia precisei pedir um certo favor para um vizinho de piso, uma bobagem. Chamei à sua porta, expliquei a situação...

Sobre física - por Maria Zilda O. Valim e Eduardo Amaral

Há muito tempo despertou nos homens uma vontade de compreender o mundo no qual está inserido, entender também fenômenos naturais...

Patrocinadores da cultura