O guri do nariz azul - por Franco Vasconcellos

O guri do nariz azul - por Franco Vasconcellos

Muitos mistérios assolam nossa existência terrena. A mente humana dá lugar aos mais variados questionamentos, sobre os mais diversos assuntos. Há quem procure chupacabras. Há quem sofra com medo do escuro. Há quem elabore teorias sobre corujas “sorteras” - pergunte à Eda, aí de São Chico, ou quem sabe, um dia eu conte aqui mesmo essa outra história. O meu medo da adolescência era mais assustador e envolto em mistérios que qualquer coisa que você, leitor, tenha visto ou duvidado. Eu já morava sozinho. Mas ainda era um guri. Fazia o segundo grau – hoje chamam de ensino médio – em Passo Fundo, em turno integral. Naquele tempo, houve um mistério que me tirava o sono, pois como escrevi ali em cima, eu morava sozinho. Acordava com o nariz pintado de azul.



Na primeira vez, não dei muita bola. Passei uma água, tomei um Nescau, escovei os dentes e fui para a aula. Esqueci do assunto. No outro dia, acordei, me levantei... mesmo ritual de todos os dias. Ao me olhar no espelho do banheiro, lá estava ele, outra vez, me encarando... o guri de nariz azul. Pense num susto. A partir desse dia, acordava, às vezes em plena madrugada, só para dar uma conferida e sempre, invariavelmente, avistava o palhaço gremista do outro lado do espelho. Perdia o sono e divagava... mil teorias sobre o que vinha acontecendo... coisas de outro mundo... Um belo dia, assistindo a um jogo de futebol no meu pequeno televisor Telefunken preto e branco e com bombril na antena, sozinho, acordado, precisei ir ao banheiro e, para meu espanto, lá estava ele outra vez, azulão. Num estalo, encabulado, desvendei o famigerado enigma. Fiquei tão abismado que nem sei como terminou o jogo, sequer me lembro quem jogava. Revelo agora, somente a ti: na frente do meu apartamento, tinha a bodega do Seu Aquiles. Ali, eu, viciado em leite condensado, comprava muitas latas da preciosa iguaria. Bebia, na lata, durante a noite. Fazia um furinho e saciava a minha gula. Acontece que o Seu Aquiles carimbava a tampa da lata com o preço do produto... e o mistério virou piada. Até hoje, mesmo agora, enquanto te conto essa historinha, dou boas risadas. Engordei e parei com o leite condensado.

Franco Vasconcellos e Souza
Gaúcho de Erechim, escreve sobre o cotidiano e aceita sugestões dos leitores.
Envie e-mail para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

• Publicado na Revista Usina da Cultura - número 20 - Janeiro de 2015

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Encontros do Quadrante Patrulhense - por Gesmar Borges

Os 78 municípios desmembrados de Santo Antônio da Patrulha têm efetuado encontros para recapitularem suas experiências. O Quadrante Patrulhense é...

Depois de vários meses - por Cassio Schaefer

Depois de vários meses Depois de vários meses uma borboleta repousa no ralo do chuveiro no bosque do asilo folhas e bancos...

Quando seu filho se afasta de você: desenvolvendo a segurança, autonomia e independência - por Thainá Rocha

Já dizia o famoso psiquiatra e educador Içami Tiba: “Ao olharmos um navio no porto, imaginamos que ele esteja em seu...

São Francisco de Paula promove Beatle Weekend com atrações nacionais e internacionais

Evento ocorrerá durante três dias à beira do Lago São Bernardo, em novembro A Beatlemania no Brasil receberá um novo impulso...

Antonio Villeroy - Samboleria de Bolso

Grande vencedor do Prêmio Açorianos de Música, anos 2014/2015, com os troféus de Melhor Compositor de MPB, Melhor Disco de...

Livro: Imagens do meu Rio Grande do Sul antigo e seus vizinhos

O livro “Imagens do meu Rio Grande do Sul antigo e seus vizinhos” volume 1 é uma coletânea de mais...

A saúde do corpo e da mente - por Mercedes Sanchez

"O dom mais precioso na vida do ser humano é a saúde do corpo e da mente." O dom mais precioso...

Rincão Poético: Eu não tenho preconceito - por Luana Oliveira Barcelos

Foto: Cordéis alunos 3º ano C, EEEF Antônio Fco da Costa Lisboa Eu não tenho preconceito Quem tem eu não sei...

A adolescência saudável e a prática de exercícios - por Mercedes Sanchez

Qual o adolescente que não se preocupa com sua forma física, sua aparência, seu estado de ânimo e com sentir-se...

Domingo - por Laerte da Silva Dorneles

O marido, sentado na poltrona, e os filhos no sofá, assistindo ao jogo. Ela na cozinha terminando de lavar a...

Patrocinadores da cultura