Gente que vive chorando de barriga cheia - por Franco Vasconcellos

Gente que vive chorando de barriga cheia - por Franco Vasconcellos

Como é bom um banho quente! Como é bom encontrar, por acaso, um amigo do qual se tem saudade! Como é bom o cheiro do café passando pelo coador! Como são boas as possibilidades!

Andamos tão preocupados com o que há de vir e com “as vacas magras”, que esquecemos do que já veio e de alimentá-las. A crise mundial, a falta d’água, a intolerância religiosa e cada novo grande problema que salta, nos impede de nos maravilharmos com os pequenos milagres cotidianos.

Morei, por dez anos, numa pequena vila de pescadores, chamada Santa Fé, numa cidadezinha no sul de Santa Catarina. Todos os dias, rotineiramente, acordava, ficava na cama mais uns minutinhos, levantava atrasado, me aprontava e ia para o trabalho.

Não tinha carro e caminhava pela beira-mar, até a parada de ônibus. Meu vira-latas, o Bóris, me acompanhava pelo trajeto. Sempre assim. Muitas vezes, a pressa era tanta, que nem olhava para o mar. Ele ali, abundante de belezas e despercebido por mim, até que, um dia, já estávamos, eu e o cusco, no trajeto, quando recebi uma ligação. O patrão avisava que poderia chegar mais tarde, por um motivo que nem me lembro.

Parei. Olhei para o Bóris que corria pela praia, na beira do mar, certo de que conseguiria pegar uma das gaivotas. Indesistível, a cada uma que voava ele mudava de alvo.

Vi o mar, a praia, o cão, os pássaros, os pescadores puxando a rede do dia e suas mulheres, ainda na areia, esviscerando a pesca para vender. Nesse dia, alguma coisa mudou dentro de mim e, desde então procuro me maravilhar com as pequenas coisas. Passei a me comover com qualquer coisa à toa, peço conselhos à crianças, descarto o excesso e acho o pouco bastante, visto rosa e ando descabelado, ando de barriga cheia e parei de reclamar.

Franco Vasconcellos e Souza, gaúcho de Erechim, escreve sobre o cotidiano e aceita sugestões dos leitores. Envie e-mail para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

• Publicado na Revista Usina da Cultura - número 23 - Abril de 2015

Deixe seu comentário

Lugares que podem te interessar

view_module reorder

Cachoeira do Tio França - Cambará do Sul/RS

Localizada a 3 Km da cidade de Cambará do Sul, é onde o arroio Campo Bom despenca para formar uma...

Lajeado das Margaridas - Cambará do Sul/RS

Localização: 12 km do centro de Cambará do Sul O Lajeado das Margaridas está localizado a 12Km do centro de Cambará do...

Passeando em família pelo Itaimbezinho e Fortaleza - por Valéria de Moraes

Localizados nas proximidades do município de Cambará do Sul, na divisa entre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina...

Cânion Fortaleza - Parque Nacional da Serra Geral

Localização: Cambará do Sul, RS - a 23 km do centro da cidade. Ver mapa Considerado um dos lugares mais bonitos...

Cânion Churriado - Parque Nacional da Serra Geral

Localização: Parque Nacional da Serra Geral, o cânion está a 23 quilômetros de Cambará do Sul, RS. Localizado a 23 Km de...

Quer saber as novidades na Usina?

Inscreva o seu email na nossa lista e receba por email

Somos contra o spam. Inscrevendo seu email na nossa lista, receberá email emails somente enquanto desejar, a Usina sempre respeitará a sua decisão, deixando sempre disponível no rodapé do email um link para cancelamento a qualquer momento, sem complicações


Parceiros na difusão cultural