Cortinas abertas - por Franco Vasconcellos

Cortinas abertas - por Franco Vasconcellos

Sou um palhaço. De repente, me vi, novamente, em cena e era tão prazeroso que não compreendia o porquê havia me mantido tão distante do teatro.

O primeiro contato foi ainda criança, acompanhando minha irmã num grupo amador lá de Passo Fundo. Era um universo paralelo e encantador.

Durante os três anos do segundo grau (era esse o nosso do Ensino Médio), fiz aula de teatro, além de umas trinta oficinas, dos mais variados estilos da arte. Foi assistindo “O Homem do Princípio ao Fim”, do Millôr Fernandes, durante o “Von der Kindermörderin Marie Farrar – A infanticida Maria Farrar, de Bertold Brecht”, que pensei: “É isso!”.

De lá para cá foram várias peças e algumas dezenas de personagens. Atuei também junto à técnica, como iluminador, sonoplasta, fui contrarregra e diretor. Fui de Shakespeare a montagens experimentais e malucas. Trabalhei com textos adultos, infantis, musicais... até mesmo com mise en scène, para uma companhia de dança... até uma pontinha... bem pontinha mesmo, num filme. Abrimos o Festival de Gramado naquele ano... que orgulho! Foram várias participações em festivais e vários prêmios. E aí, dez anos de jejum de toda aquela adrenalina.


Agora, depois das duas filhas crescidas e chegando aos quarenta anos, decidi voltar a atuar. Novamente me inscrevi para participação em uma oficina de teatro, que reacendeu a chama, participei de um coral, onde cantei em hebraico (Resir hashem mishpotaich / Pina oyvech, melech Israel / Adonai, bekirbech, al tirai), pasmem vocês.

Apenas o foco mudou. Hoje integro a Cia Adora, vinculada à igreja que frequento. São homens e mulheres dedicados a levar ensinamentos cristãos através do teatro e da dança. Além de me auxiliar na rotina do atendimento e entrosamento com os colegas, o teatro, como qualquer forma de arte, tem um poder terapêutico revigorante... é o melhor anti-estresse que eu conheço.


Meu último personagem, um diretor de cinema vindo do nordeste, cabra da peste, arretado da mulinga o Diretô Jerimum, é um clown, um palhaço, mas não aquele modelo clássico de palhaço que vemos em circo... um clown no teatro é basicamente o próprio ator de forma “exagerada”... é um personagem múltiplo e delicioso de fazer. Hora dessas, quando vieres a Erechim, pode ser um ótimo passatempo.

Franco Vasconcellos e Souza
Gaúcho de Erechim, escreve sobre o cotidiano e aceita sugestões dos leitores.
Envie e-mail para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..


• Publicado na Revista Usina da Cultura - número 25 - Junho de 2015

Deixe seu comentário

Lugares que podem te interessar

view_module reorder

Cachoeira do Nassucar - Cambará do Sul/RS

Localização: Vale do Rio Santana, a 24 km do centro de Cambará do Sul. No Vale do Rio Santana, ao norte...

Cânion Churriado - Parque Nacional da Serra Geral

Localização: Parque Nacional da Serra Geral, o cânion está a 23 quilômetros de Cambará do Sul, RS. Localizado a 23 Km de...

Cachoeira dos Venâncios - Cambará do Sul/RS


Localização: A 23 Km da cidade, distante 12,5 Km da RS 020. Ver mapa O município de Cambará do Sul, conhecido...

Cachoeira do Tio França - Cambará do Sul/RS

Localizada a 3 Km da cidade de Cambará do Sul, é onde o arroio Campo Bom despenca para formar uma...

Cânion Fortaleza - Parque Nacional da Serra Geral

Localização: Cambará do Sul, RS - a 23 km do centro da cidade. Ver mapa Considerado um dos lugares mais bonitos...

Quer saber as novidades na Usina?

Inscreva o seu email na nossa lista e receba por email

Somos contra o spam. Inscrevendo seu email na nossa lista, receberá email emails somente enquanto desejar, a Usina sempre respeitará a sua decisão, deixando sempre disponível no rodapé do email um link para cancelamento a qualquer momento, sem complicações


Parceiros na difusão cultural