Humanização do nascimento - por Ricardo Herbert Jones

Humanização do nascimento - por Ricardo Herbert Jones

A atenção humanizada se apoia sobre um tripé conceitual, que tem como base o respeito aos desejos, aspirações e vontades da mulher na condução de seu parto, desde a gestação até o estágio posterior ao nascimento. 

A humanização do nascimento tem se tornado fonte de grandes debates no cenário da atenção ao parto exatamente porque ela estabelece uma crítica aos pressupostos que historicamente governavam o cuidado com este momento tão delicado da vida de uma mulher e o início da existência de todos nós. Muitas são as formas de entender o que esta corrente do pensamento significa para a cultura, e mesmo quais são os limites de atuação dos profissionais que atuam nesta esfera conceitual. Para evitar confusões, consideramos que a atenção humanizada se apoia sobre um tripé conceitual, a saber:  

1 - O protagonismo restituído à mulher, fazendo dela a condutora do processo, que só poderá ocorrer de acordo com seus desejos, aspirações e vontades. Cabe aos cuidadores serem instâncias consultivas, de suporte e aconselhamento, agindo apenas quando o processo se distancia da fisiologia e estabelece riscos para o binômio mãe-bebê.

2 - A visão interdisciplinar, colaborativa e integrativa do processo de nascimento, alargando o seu entendimento para além da visão biologizante e mecanicista, observando-o como um evento humano e subjetivo

3 - Uma vinculação visceral com a medicina baseada em evidências, demonstrando que as propostas desta visão sobre o parto estão assentadas sobre a rocha firme da razão e da ciência, e não se constituem em uma visão romântica sobre um processo vital e significativo na cultura.

Assim, os chamados “humanistas do nascimento” são profissionais que se esmeram em produzir uma prática alicerçada na autonomia das mulheres sobre seu corpos e destinos, ao mesmo tempo que procuram oferecer o cuidado mais abrangente e mais cientificamente embasado para elas. Também é tarefa destes a educação para o nascimento fisiológico, procurando desfazer mitos e ideias errôneas historicamente disseminadas pelos milênios de visão patriarcal a embaçar a real habilidade feminina de gestar e parir com confiança e segurança. É tarefa de todos que buscam um parto mais seguro orientar as mulheres no caminho mais seguro e empoderador sobre este evento.



--- LEIA TAMBÉM YOGA NA GESTAÇÃO ---

Por outro lado, tentar convencer mulheres a parir de parto normal não passa de um colonialismo intelectual e afetivo, um proselitismo inútil e anacrônico, que desconsidera a capacidade das mulheres de fazerem escolhas corretas diante de informações corretas e precisas. Humanização do nascimento é uma ideia a ser exposta, jamais imposta. Não nos cabe agir autoritariamente, desreconhecendo sua subjetividade e o direito de escolher seus próprios caminhos. Em longo prazo torna-se muito mais efetivo direcionar nossos esforços para as mulheres que realmente desejam parir, lembrando que “desejar” é diferente de “querer”. O “desejar” se relaciona com as emoções mais densas, que brotam dos estratos abissais do inconsciente, regulados pela bruma diáfana de nossas experiências mais remotas. O “querer“, por seu turno, é consciente e superficial, racional e objetivo, portanto, enganoso, pois nossa mente frequentemente burla nossas vontades mais profundas.

Fazer pressão em nome de NOSSAS convicções é um desrespeito à liberdade alheia.

Para estas que demonstram sua vinculação afetiva, psicológica e espiritual com o nascimento fisiológico devemos devotar nosso tempo e nossa arte. Para as que estão em dúvida e demonstram vontade de aprender e se informar, todo o esforço de conscientização dos benefícios do parto normal é válido. Todavia, para aquelas cuja decisão pela cesariana já fez casa em seus corações só nos resta desejar o melhor resultado possível para os desafios de uma cirurgia.

Ricardo Herbert Jones
Obstetrícia - Ginecologia - Homeopatia
ReHuNa - Rede pela Humanização do Parto e Nascimento - Brasil

 

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Desenvolvimento da capacidade criadora através da arte - por Mercedes Sanchez

A arte é uma atividade dinâmica e integradora, com um papel fundamental na educação. O desenho, a pintura, a música, o teatro..., conformam...

Visual com Arte: Pintura Digital - por Renan Moraes

A bela ilustração da ruiva, na imagem, é de Renan Moraes e foi publicada na seção Visual com arte, na...

Ajude a salvar vidas - Saiba mais sobre a doação de sangue

Há critérios que permitem ou que impedem uma doação de sangue. Eles são determinados por normas técnicas do Ministério da...

O Fantástico Mundo das Redes Sociais - por Vagner DiCastilhos

Há dentro de nós uma necessidade gritante de nos expressarmos. Isso é um fato, nascemos pra isso. Aliás, aquele nosso...

Definidos Finalistas do Prêmio Academia Rio-Grandense de Letras - Cerimônia de Premiação 12 de dezembro

Já foram definidos os finalistas do primeiro concurso literário lançado este ano pela Academia Rio-Grandense de Letras e a cerimônia...

Picolé de frutas

Gostoso, saudável e refrescante!!  Ingredientes: 01 pêssego cortado ao meio 02 kiwis descascados e cortados em fatias Pedaços de manga 3/4 de...

Rincão Poético: O mundo que eu gostaria - por Lidiane Santos

Gostaria de ver o dia amanhecer O sol chegar de mansinho Enquanto as crianças tomam café E aquecem seus coraçõezinhosGostaria...

Um lar e uma família - por Laerte Santos

Tenho sistematicamente abordado o assunto FAMÍLIA em minhas palestras. Na última semana sugeri ao auditório lotado, de que todos ali...

Premiações brasileiras nas Olimpíadas Rio 2016

Depois da emocionante abertura dos jogos olímpicos, vêm as esperadas premiações nas mais diversas modalidades. E como bons brasileiros, o...

O trabalho por projetos em sala de aula - por Mercedes Sanchez

O trabalho por projetos na escola é um tema que se vem discutindo ultimamente entre os profissionais de ensino, como...

Patrocinadores da cultura