A cidade dos resmungos

A cidade dos resmungos

Era uma vez um lugar chamado Cidade dos Resmungos, onde todos resmungavam. No verão, resmungavam que estava muito quente. No inverno, que estava muito frio, ou porque tinha sol ou estava nublado.
Queixavam-se uns dos outros: os pais, dos filhos; os irmãos, das irmãs. Todos tinham um problema, e todos reclamavam.
Um dia chegou à cidade um mascate carregando um enorme cesto às costas. Ao perceber toda aquela inquietação, pôs o cesto no chão e gritou:
- Ó cidadãos deste belo lugar! Os campos estão abarrotados de trigo, os pomares carregados de frutas. As cordilheiras estão cobertas de florestas espessas e os vales banhados por rios profundos. Jamais vi um lugar abençoado por tantas conveniências e tamanha abundância. Por que tanta insatisfação? Aproximem-se e eu lhes mostrarei o caminho para a felicidade.
As pessoas riram que alguém como ele pudesse mostrar-lhes como ser feliz. Mas enquanto riam, ele puxou uma corda comprida do cesto e a esticou entre os dois postes na praça da cidade. Então gritou:
- Aqueles que estiverem insatisfeitos escrevam seus problemas num pedaço de papel e ponham dentro deste cesto. Trocarei seus problemas por felicidade!
A multidão se aglomerou ao seu redor. Todos queriam se livrar dos problemas. Cada um rabiscou sua queixa num pedaço de papel e jogou no cesto.
Depois de pendurar todos os problemas na corda, o mascate disse: Agora cada um de vocês deve retirar desta linha mágica o menor problema que puder encontrar.
Todos correram para examinar os problemas. Procuraram, manusearam os pedaços de papel e ponderaram, cada qual tentando escolher o menor problema. Depois de algum tempo a corda estava vazia. Eis que cada um segurava o mesmíssimo problema que havia colocado no cesto. Cada pessoa havia escolhido os seu próprio problema, julgando ser ele o menor da corda.
Daí por diante, o povo daquela cidade deixou de resmungar o tempo todo. E sempre que alguém sentia o desejo de resmungar ou reclamar, pensava no mascate e na sua corda mágica.



 Texto: Autor desconhecido

• Publicado na Revista Usina da Cultura - número 15 - Julho de 2014  

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Despertar para as belezas da vida - por Mercedes Sanchez

"A beleza da vida não está nas coisas que possuímos, mas no amor que somos capazes de dar e receber..." Esta...

Fotografia - Filtros fotográficos - por Silvio Kronbauer

Foto: mesma cena sem e com o filtro polarizador Nesta edição vamos abordar os filtros fotográficos. Desde a era analógica, os...

Torta de batata - por Mercedes Sanchez

Esta é uma receita típica da Argentina, muito servida em reuniões familiares e domingos. Lá a torta de batata é...

17 a 19 de novembro - São Chico Beatle Weekend - São Francisco de Paula/RS

A Beatlemania no Brasil receberá mais um impulso nos próximos dias 17, 18 e 19 de novembro. Depois da turnê...

Fazemos uso do tempo com sabedoria? - por Mercedes Sanchez

Se bem, a única realidade que temos é o presente; vivemos as consequências das experiências passadas e de nossa projeção...

Academia Rio-Grandense de Letras Cria Prêmio Literário Anual

A Academia Rio-grandense de Letras (ARL) lança, dia 22 de junho, concurso literário que contempla três categorias: escritor do ano...

Nesta vida, tudo passa... - por Mercedes Sanchez

A vida é um contÍnuo devenir. TUDO PASSA... Passam os anos, as vidas das pessoas, suas obras, seus sonhos e possibilidades. Em realidade...

O negro espelho, o primeiro-ministro e a porca - por Franco Vasconcellos

Não sou do tipo de assiste séries episódio por episódio, de cada temporada... tenho amigos que dedicam finais de semana...

Dia 25 de Novembro • A Jornada de Ísis - São Francisco de Paula/RS

Espetáculo de Dança Oriental: A JORNADA DE ÍSIS O Mito de Ísis e Osíris contado através da Dança. É com muita honra que...

É primavera no Rio Grande do Sul - por Profª Rose Mari Da Sois Fetter

A primavera é uma das estações mais lindas do ano, significa cores e alegrias. O Rio Grande do Sul é...

Patrocinadores da cultura