A cidade dos resmungos

A cidade dos resmungos

Era uma vez um lugar chamado Cidade dos Resmungos, onde todos resmungavam. No verão, resmungavam que estava muito quente. No inverno, que estava muito frio, ou porque tinha sol ou estava nublado.
Queixavam-se uns dos outros: os pais, dos filhos; os irmãos, das irmãs. Todos tinham um problema, e todos reclamavam.
Um dia chegou à cidade um mascate carregando um enorme cesto às costas. Ao perceber toda aquela inquietação, pôs o cesto no chão e gritou:
- Ó cidadãos deste belo lugar! Os campos estão abarrotados de trigo, os pomares carregados de frutas. As cordilheiras estão cobertas de florestas espessas e os vales banhados por rios profundos. Jamais vi um lugar abençoado por tantas conveniências e tamanha abundância. Por que tanta insatisfação? Aproximem-se e eu lhes mostrarei o caminho para a felicidade.
As pessoas riram que alguém como ele pudesse mostrar-lhes como ser feliz. Mas enquanto riam, ele puxou uma corda comprida do cesto e a esticou entre os dois postes na praça da cidade. Então gritou:
- Aqueles que estiverem insatisfeitos escrevam seus problemas num pedaço de papel e ponham dentro deste cesto. Trocarei seus problemas por felicidade!
A multidão se aglomerou ao seu redor. Todos queriam se livrar dos problemas. Cada um rabiscou sua queixa num pedaço de papel e jogou no cesto.
Depois de pendurar todos os problemas na corda, o mascate disse: Agora cada um de vocês deve retirar desta linha mágica o menor problema que puder encontrar.
Todos correram para examinar os problemas. Procuraram, manusearam os pedaços de papel e ponderaram, cada qual tentando escolher o menor problema. Depois de algum tempo a corda estava vazia. Eis que cada um segurava o mesmíssimo problema que havia colocado no cesto. Cada pessoa havia escolhido os seu próprio problema, julgando ser ele o menor da corda.
Daí por diante, o povo daquela cidade deixou de resmungar o tempo todo. E sempre que alguém sentia o desejo de resmungar ou reclamar, pensava no mascate e na sua corda mágica.



 Texto: Autor desconhecido

• Publicado na Revista Usina da Cultura - número 15 - Julho de 2014  

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

3 Mitos sobre a depressão - por Ana Cruz

A depressão não surge do nada, nem nasce do vácuo. Tão pouco tem a ver com falha de personalidade. As...

Agatha - por Cassio Schaefer

Saio pelas ruas de uma cidade grande, não sei bem por que lugares estou andando me pego dentro de um...

O conceito de cultura nas ciências sociais - por Marcio Barcelos

Você já parou para pensar no significado da palavra “cultura”? Seria “cultura” uma coisa que a gente “adquire” assistindo filmes...

Corrida: Corra o risco de ser feliz! - por Márcio de Avila Palermo

A corrida é um sucesso! Pesquisas recentes indicam como sendo um dos esportes mais praticados no país. Este dado é facilmente percebido a...

Antonio Villeroy - Samboleria de Bolso

Grande vencedor do Prêmio Açorianos de Música, anos 2014/2015, com os troféus de Melhor Compositor de MPB, Melhor Disco de...

Em vez de x Ao invés de - por Aline Aguiar

Em vez de x Ao invés de  “Em vez de” pode ser substituído por “no lugar de”. Exemplo: Em vez de viajar...

Concordâncias verbais - por Aline Aguiar

Concordância com o verbo ser • Com as palavras tudo, isto, isso, aquilo o verbo pode ir para o plural. Ex.:...

Coisa de gordo - por Franco Vasconcellos

Bujão, Baleia, Rolha de poço, Chupeta de baleia, Free Willy... e por aí afora... Tenho um amigo gordo – mais que...

Torta de Rabanada - por Tânia D’ El Rei Silveira

Ingredientes:- 1/2 xícara (chá) de açúcar;- 01 colher (sopa) de canela em pó;- Manteiga ou margarina para polvilhar;- 02 e...

Dança - por Lucas Gomes & Thiago Alves

Dançarina: Daniela Sánchez A dança simplesmente existe. Ela não pode ser considerada uma criação humana. Ela compõe com a linguagem corporal...

Patrocinadores da cultura