Kaffeekraenzchen - por Heidi Lauterbach

Kaffeekraenzchen - por Heidi Lauterbach

Palavra difícil, esta. Quem tem mais que 80 anos da nossa colônia germânica, certamente sabe o que significa. Para todos os outros, primeiro a tradução literal: “Guirlanda de Café”, e agora a tradução que descreve o que significa: “Reunião semanal de mulheres em torno de um enorme bule de café com bolo para discutir as relações em família e outros probleminhas.”

O Kraenzchen era uma instituição saudável. Acontecia uma vez por semana, sempre na parte da tarde – quando maridos e filhos estavam no trabalho respectivamente na escola – sendo realizado alternadamente na casa de cada participante, de forma que era bom que o Kraenzchen tivesse muitas “irmãs”. Café com leite, bolo, biscoitos – tudo feito orgulhosamente pela dona da casa - , expostos com a devida louça e talheres numa mesa grande, com toalha bordada e engomada, as participantes sentadas em volta tiravam seus diversos trabalhos das bolsas – tricô, bordado, crochê. E quem não gostava de fazer trabalhos manuais, assumia o papel de servir o café cuidando para nunca deixar uma xícara vazia.



Ainda não existia esta profusão de grupos de terapia, de psicólogos, de yoga, de relaxamento, de psicoterapeutas, grupos de terceira idade com suas diversas atividades. Remédios para respectivamente contra depressão ou insônia não eram necessários. O Kraenzchen era a terapia. Enquanto as agulhas faziam as peças crescer, a conversa tratava de desfazer ou, pelo menos, diminuir os nós que cada uma trazia na alma. Maridos, filhos, noras, genros, mães, sogras, tias, eventuais empregados domésticos, doenças, alegrias, a gravidez inesperada de uma, o desespero de outra cujo marido estava sem emprego, um filho adolescente rebelde além da conta, a felicidade por causa da reforma de uma casa que ficou bonita – tudo era discutido, analisado e dividido entre o grupo. Tinha épocas em que todas as participantes preparavam o enxoval para um novo filho que uma delas estava esperando. Ainda não era possível saber se viria um menino ou uma menina, então o enxoval todo ficava nas cores brancas, amarelas, verdinho.

O Kraenzchen funcionava como uma lata de lixo emocional, e o melhor de tudo, tinha uma tampa que mantinha tudo bem guardado, questão de honra! E na hora de terminar, cada uma voltava para casa mais leve, menos preocupada – enfim, de alma lavada.

Heidi Lauterbach, é tradutora e tem como hobby cozinhar, artesanato, animais, leitura e família.

 

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Choro para ir à escola? - por Thainá Rocha

Pergunte a seu filho como ele se sente. Você pode dizer que irão trabalhar juntos para ajudá-lo. As crianças, muitas...

Eu preservo, tu preservas - por Karine Klein

A história do município contada através de acervos históricos particulares  Quando se trata da memória, em São Chico se conjuga o...

Região das Hortênsias - Beleza e encanto na Serra Gaúcha

Foto: Divulgação Prefeitura Municipal de Gramado A Região das Hortênsias, rodeada de hortênsias e araucárias centenárias, é formada pelas cidades mais...

Filtro de barro: saudável e econômico

Na era tecnológica, em que a tradição perde lugar para produtos modernos e multifuncionais, um estudo norte-americano provou que o...

O lobo do homem - por Franco Vasconcellos

Eu queria escrever uma crônica que, agora no final do ano, enchesse teu coração de boas expectativas para o 2016...

Sorvete - por Ana Sanchez Souza

Ingredientes: • 1 lata de leite condensado • a mesma medida de leite (1 lata) • 2 ovos (separados em gemas...

Bolo de milho com goiaba - por Rosangela Valim Traslatti

Ingredientes:  01 xícara de farinha de trigo; 01 xícara de farinha de milho 01 xícara de açúcar; 01 copo de leite;  1⁄2 copo de óleo; 01...

Gengibre, um grande aliado para a sua saúde

O Gengibre ou a raiz do gengibre é o rizoma da planta Zingiber officinale, consumida como uma iguaria, medicinal ou...

As luzes ainda estão acesas - por Elena Cárdenas

Feliz Ano Novo! Já estamos em 2015 e a imagem das festas natalinas está, ainda, muito forte em nossa memória. Continuamos...

Games: más que juegos - por Elena Cárdenas

¿A quién no le gusta jugar? Sea a algún depor- te, a juegos populares, a las cartas, juegos de rol...

Patrocinadores da cultura