Amigos - por Heidi Lauterbach

Amigos - por Heidi Lauterbach

“Amigo não chega na hora da colheita. Vem plantar o trigo”. (Luiz Coronel, na “Canção do Amigo”). Existe definição melhor para a amizade verdadeira? Sempre que se aproxima a data do meu aniversário, amigos que não vejo há anos se fazem presentes, por carta, por e-mail, por telefone. E provocam um tsunami de lembranças de anos passados – e já são tantos! Não importa que tenhamos noticias talvez só uma vez por ano, a intensidade dos sentimentos e a certeza que continuamos amigos não diminuem.

Hoje de manhã, lavei a enorme panela de ferro (já está ficando difícil de manusear por causa do peso, mas não desisto dela) que ganhei de uma amiga, há mais que trinta anos atrás, no meu aniversário, recheada de orquídeas (que depois floresceram durante anos no meu jardim). A panela, já bem usada, tinha sido da mãe dela; não tinha mais tampa, mas minha amiga sabia do meu desejo de ter uma panela de ferro. Cada vez que a uso, o rosto feliz da doadora, por cima daquela montanha de “olhos de boneca”, vem na lembrança. E de quantos carreteiros, feijoadas, cozidos ela participou – sim, ela semeou e depois ajudou na colheita.

Quem nasce e vive no mesmo lugar, tem a vida inteira para construir e cuidar de amizades. Mas aquele que muda a cada tantos anos de uma cidade para outra, ou até mesmo de um pais para o outro, depende da sorte para encontrar almas amigas que aceitam ajuda para semear ou que vem para plantar. E aí vira uma teia de amigos, espalhados pelo mundo, cada um com sua vida, mas com um pedacinho da nossa vida amarrado na dele. E quando precisamos um pouco de carinho emocional extra, de sensação de aconchego, de ter com quem compartilhar momentos alegres ou mesmo tristes, basta puxar um dos fios da teia e voltar para um dia qualquer no passado. Como aquele quando o dono de uma loja aqui em Gramado me cumprimentou pelo nome – ele lembrava, mesmo eu morando aqui havia somente quatro meses. Foi como um inicio de amizade – quem saberia? Ele faleceu pouco tempo depois, mas com certeza faz parte da minha “teia”, pois a partir daquele dia senti que cheguei em casa.

Heidi Lauterbach, é tradutora e tem como hobby cozinhar, artesanato, animais, leitura e família.

Deixe seu comentário

Lugares que podem te interessar

view_module reorder

Cânion Churriado - Parque Nacional da Serra Geral

Localização: Parque Nacional da Serra Geral, o cânion está a 23 quilômetros de Cambará do Sul, RS. Localizado a 23 Km de...

Cachoeira dos Venâncios - Cambará do Sul/RS


Localização: A 23 Km da cidade, distante 12,5 Km da RS 020. Ver mapa O município de Cambará do Sul, conhecido...

Cachoeira do Tio França - Cambará do Sul/RS

Localizada a 3 Km da cidade de Cambará do Sul, é onde o arroio Campo Bom despenca para formar uma...

Cânion Fortaleza - Parque Nacional da Serra Geral

Localização: Cambará do Sul, RS - a 23 km do centro da cidade. Ver mapa Considerado um dos lugares mais bonitos...

Passeando em família pelo Itaimbezinho e Fortaleza - por Valéria de Moraes

Localizados nas proximidades do município de Cambará do Sul, na divisa entre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina...

Parceiros na difusão cultural