A realidade para viver o sonho - por Karine Klein

A realidade para viver o sonho - por Karine Klein

Basta um cadastro e um tempinho para escolher, para um mundo de magia, possibilidades e descobertas se abrir. Ser leitor é um privilégio. 

O cheiro das páginas, a textura de seu volume e a sensação de imaginar quantos já tiveram aquela mesma obra nas mãos e o que sentiram ao lê-la, desperta os sentidos dos adoradores de livros. Unida a tudo isso está a oportunidade de conhecer terras distantes, seres e situações difíceis de acreditar. Ah, um bom livro! Quantas possibilidades ele guarda... Em São Francisco de Paula, quem é amante da literatura conta com um espaço organizado e de fácil acesso: a Biblioteca Pública Municipal Dr. Elyseu Paglioli. 

Localizada desde 2012, na Avenida Júlio de Castilhos, nº 726, em frente ao Monumento ao Carreteiro, a Biblioteca, que é mantida pela Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Desporto, conta com um acervo de aproximadamente 25 mil livros, de diversas áreas, salas de leitura divididas por gêneros literários e o apoio e orientação de oito funcionários. 

Maria Luiza Canani de Oliveira, 68 anos, é professora aposentada e frequentadora assídua da Biblioteca Pública. Geralmente visita o espaço de 15 em 15 dias, mas isso depende da quantidade de livros que leva emprestado para casa. As funcionárias da Biblioteca contam que Maria Luiza é tão pontual que muitas vezes chega antes mesmo delas abrirem. “Ler para mim é uma forma de esquecer as preocupações e os medos. É uma viagem, um prazer, um relaxamento”, afirma a leitora. E é nessa atividade que ela – que gosta de ler à tarde, mas antes de dormir também não resiste – se perde e entra madrugada adentro. 

Maria Luiza Canani de Oliveira enxerga a leitura como uma maneira para relaxar.

Ela explica que quando era menina, não havia muitas opções de lazer, por isso o hábito da leitura iniciava desde cedo. “Naquela época já se nascia lendo”, brinca. Entre suas preferências estão os romances policiais, como por exemplo, os de Agatha Christie. Inclusive é da “rainha do crime” o livro que atualmente está lendo: “A Ratoeira”. Além disso, Maria Luiza aprecia muito os livros das histórias do famoso detetive Sherlock Holmes, escritas por Sir Arthur Conan Doyle. Como educadora ela reflete, “a biblioteca é muito importante, porque hoje é preciso bastante incentivo para as pessoas lerem”.

No entanto, Zoraia Maria da Silva Andrade, a coordenadora da Biblioteca, afirma que incentivo não falta por parte das escolas, que sempre levam turmas para ler e pesquisar no local. E se a motivação para a leitura é reforçada nas instituições de ensino, em casa não é diferente. Angela Novides Alves do Nascimento, 49 anos, é pedagoga, professora de Educação Infantil e mãe de Jonas Alves da Fonseca, 5 anos, estudante da Pré-Escola na Escola Estadual Antônio Francisco da Costa Lisboa, e de Jader Alves Barbosa, 9 anos, estudante do XXX ano da XXXESCOLA. Os três compõem uma família de leitores. Toda a semana o filho mais novo leva em média três livros para casa. Como ainda não está alfabetizado, o pequeno conta que gosta dos livros “de figurinhas”. A preferência de Jonas é pelas histórias em quadrinhos, os famosos gibis cheios de imagem que encantam as crianças. Por esse motivo, Angela lê para o filho mais novo todas as noites. 

Seu irmão Jader, apesar de também apreciar muitos os gibis, principalmente os da Turma da Mônica e da Disney, já se aventura pelas histórias de Monteiro Lobato. “Nas férias da escola ele passou a ir até a Biblioteca sozinho, daí eu vi que ele se comportava e passei a deixar”, explica a mãe. Angela conta que normalmente os filhos levam os livros em sacolas para casa, de tanta quantidade que retiram. “Teve um dia que eles levaram 28 livros de uma só vez”, lembra. 

Fascinado pela leitura, Jader Alves Barbosa, de 9 anos, é frequentador assíduo da Biblioteca

As primeiras leituras de Angela, assim como o filho mais velho, também foram de Monteiro Lobato. Atualmente a pedagoga diz gostar bastante de Machado de Assis e de Literatura Policial e Suspense. O livro que mais lhe marcou foi “Admirável Mundo Novo”, de Aldous Huxley. “É incrível, porque tudo que o cara falou que ia acontecer, acontece hoje em dia. Aquela tecnologia impensável, hoje está acontecendo”, justifica a leitora.

Angela estimula desde cedo nos filhos um gosto que também é seu, o de viajar pelas páginas dos livros.

Para seguir atendendo pessoas como Angela, seus filhos e Maria Luiza, a Biblioteca Pública Municipal Dr. Elyseu Paglioli conta bastante com doações. Zoraia Andrade diz que o principal gênero que precisam no momento é o Infantil. “Vivemos de doações, não chegam muitos livros do governo”, afirma. Como agradecimento, cada pessoa que doa um livro ganha uma caneta personalizada. A funcionária da Biblioteca lembra da política com relação aos leitores de pouca idade: “queremos que as crianças cheguem aqui e mexam, que se sintam à vontade”, enfatiza. 

Zoraia também é uma leitora por paixão. “Livros são minha vida desde sempre”, diz. A funcionária prefere a Literatura Estrangeira, porém se rende aos encantos de Jorge Amado. Entre os autores preferidos dela estão Fiódor Dostoiévski, Gabriel García Márquez e William Shakespeare. Sobre o ambiente de trabalho em meio aos livros e os diversos projetos para o futuro do local, ela pondera:  “É um pouco sonho, um pouco realidade”.

A Biblioteca Pública Municipal Dr. Elyseu Paglioli tem seu serviço totalmente gratuito para a comunidade, inclusive na devolução de livros atrasados. O horário de funcionamento é de segunda a sexta-feira, das 8h30min às 12 horas e das 13h30min às 21 horas. Telefone para contato: (54) 3244-3858.

Basta um documento de identidade e comprovante de residência para poder retirar livros na Biblioteca Pública Municipal Dr. Elyseu Paglioli

Incentivo à leitura fragmentado em gêneros

Literatura Brasileira, Literatura Estrangeira, Poesia, Cinema, Teatro, Comunicação, Português, Filosofia, Cultura, Idiomas, Esportes, Revista Seleções Reader’s Digest, Saúde, Educação Ambiental, Política, Coleção Barsa, Coleção Mundo da Criança, Direito, Trabalhos Manuais, Desenho, Artes Visuais, Dicionários, Bíblias, Religiosos (contendo a maioria das seitas, doutrinas e religiões) e Autoajuda são alguns dos gêneros e coleções possíveis de encontrar na Dr. Elyseu Paglioli. Outro aspecto que chama a atenção na organização do local, é que as salas também são divididas por gêneros. Há a sala de História, onde se encontram os livros de História universal, brasileira, regional, e de São Francisco de Paula. Além de ser dividido em subgêneros como Negros, Escravos e Índios, que as funcionárias contam serem muito procurados.



Projetos

Não bastasse tudo isso, a Biblioteca Pública reforça ainda mais sua importância e seu compromisso com a comunidade serrana desenvolvendo diversos projetos que incentivam e tornam acessível a todos a leitura. Um desses projetos, que foi apresentando na Feira do Livro do ano passado, é o “Carona da Leitura” que consiste em sacolas ecológicas cheias de livros infantis, colocadas nos transportes escolares municipais que conduzem as crianças do interior até a cidade, para que elas tenham um momento a mais de contato com a leitura, enquanto se deslocam para as escolas. Assim eles podem também levar os livros para casa para os pais terem acesso. Outro projeto é o “Troca-Troca” que estimula o compartilhamento de livros entre os leitores.

Além disso, a funcionária da Biblioteca, Júlia Comin Teixeira durante seu estágio curricular em Relações Públicas pela FACCAT desenvolveu diversos projetos voltados à comunicação interna e externa e à informatização da instituição, além dos já mencionados, outros como as sugestões de leitura que são postadas periodicamente na página oficial da Biblioteca no Facebook e também a possibilidade de renovação e reserva de exemplares por meio da mesma rede social, também estão em vigor. 

Para o futuro

Atrás do prédio aberto à visitação, há outro, no momento desativado, onde se encontram livros ainda a serem catalogados, além do arquivo histórico municipal, que reúne diversos documentos, como por exemplo, papéis da separação de São Chico de Santo Antônio da Patrulha. Porém não há previsão para a conclusão do serviço a fim de que seja possível ao leitor acessar essa outra parte da Biblioteca. 

Ao lado desse espaço nos fundos, há uma pequena construção, em que, segundo Zoraia Andrade, futuramente a ideia é desenvolver um projeto e torná-la uma casinha de leitura das crianças. Planos não faltam!

SERRANÍSSIMA - São Chico em pauta                                                         

Karine Klein é jornalista e apaixonada por São Chico. Sonha viver de contar histórias e acredita que cada um pode começar a mudar o mundo.

 

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Rincão Poético: Pai um amigo - por Eronilda Cândida Santos Lucena

PAI,UM AMIGO OU CHEFE.   Ser pai é ter responsabilidade  É dividir sonhos e alegrias  Comemorar vitórias e enfrentar derrotas  Sem perder...

Lara & JackPot Band - Trouble

Sobre o artista: Suponha que Hendrix, Stevie Ray Vaughan e Rory Gallagher, pela ajuda de uma força superior ou por uma...

Vôlei na areia: das praias californianas para o mundo - por Rodrigo Koch

O vôlei na areia (em duplas, quartetos e até sextetos) – ou vôlei de praia (beach volley) – surgiu nas...

A que paradigma responde minha maneira de pensar e de viver? - por Mercedes Sanchez

Certamente, vivemos dentro de normas orientadoras, que estabelecem limites e determinam como as pessoas devem viver. Estes paradigmas surgem nas...

Curitiba
 · A cidade exala cultura - por Marcelo Silveira

Viajar pela tão famosa e desenvolvida Curitiba foi incrível! A cidade exala cultura e tive o privilégio de conhecer diversos...

Peixe em Cartoccio - por Leonardo dos Santos

Ingredientes: • 400 g Filé de salmão ou outro peixe de preferência• 30 ml Azeite de oliva• 100 g Cebola em...

Cambará do Sul

Cambará do Sul é conhecida também como a "terra dos cânions" e "capital do mel", é também campeã no ranking...

Para mim fazer ou para eu fazer? - por Aline Aguiar

O correto é: Para eu fazer. Lembre-se que a palavra mim é um pronome oblíquo, ou seja, não conjuga verbos. Exemplo: Para...

Visual com Arte: Minha arte, em 2004 - por Wilson Barbosa

“Minha arte, em 2004” Tela em acrílico sobre bagum Autor: Wilson Barbosa {loadmodule mod_custom,Banner adsense middle article}

Livro - Barba ensopada de sangue - por Daniel Galera

Um professor busca refúgio em Garopaba, após a morte do pai, mergulhando em um isolamento geográfico e psicológico. Ao mesmo...

Patrocinadores da cultura