Agrotóxicos - por Thuani Farias

Agrotóxicos - por Thuani Farias

O aumento exacerbado da população humana, chegando a 7 bilhões em 2011, desencadeou o crescimento da demanda por alimentos. Nessa perspectiva, o setor agrícola tem sido direcionado para o desenvolvimento de sistemas que priorizam minimizar as perdas, e que ao mesmo tempo eleve a produtividade dos cultivos.

O uso de biocidas engrenou no mundo com a Revolução Verde, modelo baseado no uso intensivo de agrotóxicos e fertilizantes sintéticos na agricultura, cujos produtos originaram-se do arsenal da Segunda Guerra Mundial.

No Brasil, um dos programas que impulsionou o uso de biocidas na agricultura foi a criação do Sistema Nacional de Crédito Rural, em 1965, que vinculava a obtenção de crédito agrícola à obrigatoriedade da compra de agrotóxicos pelos agricultores, ou seja, fazendo com que se fortalecesse o fluxo de mercadorias desse gênero em todo o país. “[...] a palavra biocida significa ‘mata a vida’. Este termo inclui também organismos não alvos, atingidos no amplo espectro destes produtos químicos” (MORAGA & SCHNEIDER, 2003).

Isto é, esses “organismos não alvos” referem-se a nós e todos os outros seres vivos. Umas das questões mais preocupantes no âmbito da saúde humana com relação ao consumo de agrotóxicos são os sintomas crônicos, estes podem ser diagnosticados até anos depois do contato, seja indireta ou diretamente. Dor de cabeça, tonturas, tosse, agitação, diarreia, são alguns sintomas que podem ser causado por intoxicação, contudo estes sintomas podem ser consequências de vários outras causas. Ou seja, a intoxicação crônica é difícil de diagnosticar, pois os sintomas iniciais se mascaram em outras possíveis doenças. Ao contrário das agudas, quando a pessoa já apresenta sintomas mais graves como dificuldade respiratória, hemorragia, câncer, convulsões, coma e morte. Este último pode ser, também, consequência de forte depressão, por parte dos trabalhadores rurais, fato que já é foco de muitas pesquisas científicas.

Hoje, com todas as fontes de informação que estão a nossa disposição, é impossível não estar ciente desses dados básicos sobre o assunto que são a ponta do iceberg! As pessoas não estão em busca de alimentos realmente saudáveis, pois uma alface ou uma maçã há muito tempo deixou de ser visto assim, pelo menos para quem sabe como esse alimento foi produzido. Ao invés de buscar seu direito por uma melhor qualidade de vida, para a presente e futuras gerações, a população exige que o alimento seja lustroso, grande, sem bicho, que não tenha absolutamente nem um “machucadinho” e principalmente, que o custo seja baixo. O problema não são os agrotóxicos, mas sim a nossa visão de mundo, de sistemas inter-relacionados que regem a vida na Terra.



“Todas as coisas estão interligadas, como o sangue que une uma família. Tudo está relacionado entre si. Tudo quanto agride a terra, agride os filhos da terra. Não foi o homem quem teceu a trama da vida: ele é meramente um fio da mesma. Tudo o que ele fizer à trama, a si próprio fará”. Cacique Seattle.

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Bolo molhado de chocolate - por Gabi Figueredo

Ingredientes: 120g de chocolate meio amargo derretido em banho Maria 100g de iogurte natural 175g de farinha de trigo peneirada...

Atividades Físicas ao Ar Livre - por Amanda Pessôa

Muitas pessoas deixam de cuidar do corpo e da saúde porque não suportam a ideia de se exercitar em locais...

Atividades - Peso de pedra para papéis

Que tal fazer um peso de pedra, para papéis, com um desenho bem bonito? Você vai precisar de: • Uma pedra...

Ressocializar e fazer o bem - por Karine Klein

Crédito foto principal: Silvio Kronbauer -  Parceria entre a ONG Amigos de Rua e o Presídio de São Francisco de Paula...

Primavera em ritmo de música - por Elena Cárdenas

Sempre gostei de música! Cresci ao embalo dos Rolling Stones, Deep Purple, com algum acorde de flamenco, por isso muitos...

Participação, qualificação do Serviço Público e Governança Democrática - por Márcio Barcelos

Quando se fala em governança, e principalmente boa governança, duas questões são apontadas como as mais importantes atualmente: a participação...

Daria um filme (A ida) - por Franco Vasconcellos

Seguidamente, ao contar alguma das minhas histórias, ouço alguém dizer: “Bah... daria um filme!”. Muitas vezes, eu concordo. Essa que...

Cortinas abertas - por Franco Vasconcellos

Sou um palhaço. De repente, me vi, novamente, em cena e era tão prazeroso que não compreendia o porquê havia...

Gratidão - por Mercedes Sanchez

Gratidão à vida por ter-me permitido viver aprendendo. Aprender que tudo passa abriu minha mente e coração para viver o...

Um destino mais feliz - por Mercedes Sanchez

Eu nasci em Mendoza, Argentina, terra privilegiada aos pés da cordilheira dos Andes, forjada através do esforço continuo de seus...

Patrocinadores da cultura