A importância do equilíbrio de nossos centros de energia - por Patrícia Muller

A importância do equilíbrio de nossos centros de energia - por Patrícia Muller

Mais saúde física, mental, emocional e espiritual

Quando passamos por problemas, nosso campo energético pode se desequilibrar, gerando bloqueios, que travam a passagem do fluxo da energia vital, impossibilitando que nossos chacras atuem em sua plenitude. A energia das ervas pode ser uma alternativa para o reequilíbrio. 

A vitalidade dos chacras está intimamente relacionada à saúde física, mental, emocional e espiritual. Na vida cotidiana, o indivíduo enfrenta um amplo universo de sensações, emoções, sentimentos e pensamentos que governam a sua harmonia e o equilíbrio energético. Quando os sentimentos negativos são gerados pela mágoa, raiva, ódio, medo, insegurança, tristeza, decepção, entre outros, o campo energético sofre alterações em seu fluxo normal. Essas alterações criam padrões diferentes para a energia, que começa a se concentrar em pontos específicos (normalmente na região dos chacras, no campo de energia e sobre os órgãos do corpo físico). A essas concentrações damos o nome de bloqueios energéticos, já que travam a passagem do fluxo natural da energia vital.

Quando o fluxo de energia vital fica debilitado, os chacras não atuam em sua plenitude. Consequentemente, não convertem toda a energia para a glândula correspondente, a quantidade de secreções naturais produzidas diminui, o que resulta no desequilíbrio orgânico. Esse desequilíbrio é desencadeado no chacra (e nos órgãos físicos próximos) que corresponde aos aspectos da pessoa que está em desarmonia.

As glândulas atuam como pequenas indústrias essenciais no organismo e o combustível para o pleno funcionamento é a energia vital refletida pelo chacra. Como espelhos refletores de energia, os chacras perdem seu poder de refleti-la quando os bloqueios são formados. Então essas indústrias essenciais não são estimuladas a trabalhar e o organismo sofre com isso, tornando-se “predisposto” a contrair doenças.

Quando o bloqueio energético existente permanece por muitos anos seguidos, o “espelho se quebra”  e a luz que reflete a energia vital cessa totalmente. Nesses casos, doenças graves são contraídas, como as crônicas: câncer, diabetes, entre outras.



Exemplo: 
Uma pessoa vive em conflito com seu cônjuge, não consegue se harmonizar. O nível dos relacionamentos está ligado à função do segundo centro de energia, na região sacral. Esse conflito emocional provoca no segundo chacra um distúrbio energético que vai desequilibrar as glândulas gônadas e todos os órgãos próximos ao ponto em questão. Nesse momento, o conflito, que era apenas no campo das emoções, começa a se manifestar na fisiologia humana, gerando consequentes dores, que mais tarde podem materializar doença como cisto no ovário, por exemplo.

A vibração energética dos vegetais atua nos seres independentemente de suas crenças. Várias experiências com pessoas que manifestaram reações características após a ingestão de um chá preparado de acordo com a energia das ervas, mesmo sem ter consciência de suas propriedades. A mente, trabalhando a favor da cura, traz possibilidades ilimitadas de melhora, que ainda não podem ser compreendidas em sua totalidade e, ao contrário, seguindo o mesmo raciocínio, a mente pode voltar-se contra a cura, e pode criar a debilidade.

A aplicação da energia das ervas é eficiente, porque não só atua na causa geradora da doença, mas também estimula o aumento da consciência. E esta é a parte mais importante da cura: conseguir apoio da mente consciente para que o inconsciente se solte e se reestabeleça o equilíbrio e a saúde do corpo e da alma.

Fonte: Fitoenergética A energia das plantas no equilíbrio da alma. Autor: Bruno J. Gimenes

Patrícia Muller. Terapeuta Holístico
Psicoterapeuta Reencarnacionista (ABPR 258356)
Podóloga

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

A que paradigma responde minha maneira de pensar e de viver? - por Mercedes Sanchez

Certamente, vivemos dentro de normas orientadoras, que estabelecem limites e determinam como as pessoas devem viver. Estes paradigmas surgem nas...

Kpop - Mistura de estilos

Texto: Tânia Quadros Conheça o ritmo que virou febre entre os jovens coreanos e que tem se espalhado pelo mundo, através...

Pé de Moleque de Brigadeiro - por Beatriz Ludvig

- 500g de amendoim descascado e torrado  - 1 lata de leite condensado - 2 colh. de chocolate em pó...

São Jorge, Goiás - por Glauber Vieira Ferreira

São Jorge é um povoado do norte goiano, pertencente à Alto Paraíso de Goiás. Não chega a mil habitantes e...

Eu, fotógrafo - por Rafael França

Olá! A partir de hoje terei um espaço aqui dentro da Usina da Cultura para compartilhar com vocês os mais...

O que entendemos por “aprendizagem flexível”? - por Mercedes Sanchez

Aprender é estar atento à vida, às oportunidades, ao que a vida nos apresenta a cada instante, ao aqui e...

Mar ou montanha? Os dois - por Luciana Pontes

Em Lisboa, convivi com cabo verdianos muito legais. Então, quando surgiu a questão “Onde será nossa lua de mel?”, nem...

Vale dos Vinhedos • Delícia de lugar - por Eliane Gunthner

Pensando em temperaturas baixas, vou falar um pouquinho sobre o passeio que fiz ao Vale dos Vinhedos algum tempo atrás...

De volta à escola - por Mercedes Sanchez

Assim como quando iniciamos as férias estávamos cheios de expectativas e ilusões respeito aos dias felizes que nos esperavam, para...

Rincão Poético: Navego - por Nelson Luiz Pedra

Navego... Nem todo dia as águas são calmasTempestades açoitam a rotinaEntão às vezes paro e sonho parame fortalecerPois a vida...

Patrocinadores da cultura