Mar ou montanha? Os dois - por Luciana Pontes

Mar ou montanha? Os dois - por Luciana Pontes

Em Lisboa, convivi com cabo verdianos muito legais. Então, quando surgiu a questão “Onde será nossa lua de mel?”, nem pisquei para responder. Meu companheiro fez cara de susto, especialmente tendo em conta a nossa grana curta. Cabo Verde é um país da costa oeste africana formado por 10 ilhas. Sua diversidade se reflete na língua, o crioulo, mistura de idiomas nativos e dos vários colonizadores (é uma rota de marinheiros, pois há uma corrente marítima que proporciona a melhor travessia do Atlântico). Para o nosso itinerário, escolhemos três ilhas: Sal (onde está o aeroporto), São Vicente (berço da música) e Santo Antão (paraíso do trekking). 

A gente não os conhece, mas eles conhecem a gente. Chegando ao aeroporto, fomos trocar dinheiro e o atendente, ao pegar meu passaporte, disse: “Ah, você é de Uberlândia...”. Automaticamente respondi: “É, lá no interior do Brasil, ninguém conhece”. Então, ele responde: “Estudei lá”. Vendo minha cara incrédula, abre a carteira e mostra uma foto. Foi então que eu quase caí: minha irmã estava na foto! Depois fui entendendo melhor: por exemplo, na rádio só toca axé. É que enquanto o Brasil é grande e relativamente influente, eles só tem uma personalidade conhecida: Cesárea Évora, a diva dos pés descalços. 

Sal é uma ilha turística, cujo nome deve-se às salinas, com piscinas onde uma pessoa flutua involuntariamente devido à densidade da água. Em São Vicente, conferimos bares marinheiros à beira do porto e curtimos um festival de música. 

Conseguimos pegar o barco que só os nativos usam para ir a Santo Antão. Éramos os únicos brancos e ali o português não era língua oficial. Assim, perdemos uma oportunidade de conhecê-los melhor, mas era uma lua de mel e a nossa antropologia andava preguiçosa. 

Em Santo Antão, viajamos 5h em caminhonete para chegar a Tarrafal do Monte Trigo. Na carroceria, pudemos falar com um professor, que explicou que o problema ali era a falta de água doce. Justamente, Tarrafal é uma mina de água que brota da montanha, uma mancha verde no meio da aridez. Uma aridez espetacular de praias de areias negras, montanhas escarpa- das, falésias que acabam no mar colorido. Os donos da pousada, marinheiros que haviam dado a volta ao mundo, tinham decidido viver ali porque era o lugar mais lindo que encontraram. Ali também conhecemos uma alemã, tradutora de várias línguas africanas, que nos explicou as diferenças entre Cabo Verde e os países do continente. 

Marcante mesmo foi a caminhada entre Tarrafal e Monte Trigo. A paisagem desértica e a gente andando ali na montanha quase caindo no mar, com aquela beleza ensurdecedora nos cegando. Saímos tarde, resultando na desaconselhável proeza de cruzar um deserto com o sol a pino. Chegando a Monte Trigo, aldeiazinha de pescadores, eu pensava já não poder dar um passo. Porém, quando pediram 60 euros para levar a gente de volta em barco, me restabeleci na hora. Nunca ser avarenta me saiu tão bem: com o cair da tarde, a caminhada de volta foi ainda mais linda. 



O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

O Fantástico Mundo das Redes Sociais - por Vagner DiCastilhos

Há dentro de nós uma necessidade gritante de nos expressarmos. Isso é um fato, nascemos pra isso. Aliás, aquele nosso...

Do Atari ao Xbox: a evolução dos games

Você já parou para pensar como eram os primeiros jogos e como funcionavam os primeiros aparelhos de videogame? Vamos lembrar...

A maçã e a seda azul, o balão e a laranjinha - por Franco Vasconcellos

Já comentei várias vezes, em conversas com amigos queridos, das saudades que tenho de algumas coisas. Nessa semana, ouvi uma...

Liberdade, liberdade, liberdade! - por Mateus Barcelos

Maressa sonhava com dias melhores, e tinha certeza de que eles viriam. Imaginava pra si própria um mundo de sonhos...

Registrando conquistas - por Rafael França

Hoje em dia a colação de grau e a comemoração da formatura não passam mais despercebidas. Tudo é pensado e...

Promover a cultura é tri - por Karine Klein

No mês que completa seu primeiro triênio, conheça um pouco da filosofia da revista que chegou para transformar a realidade...

Timidez na Infância: Limite entre o “normal” e o “patológico” - por Thainá Rocha

Algumas famílias têm como ideal uma criança desinibida e comunicativa, porém é preciso respeitar os traços da personalidade daquela que...

O mito da Edição e a Manipulação - por Silvio Kronbauer

Legenda foto: “Foto original, edição natural e edição exagerada” É comum ouvirmos gente falando em fotografia mais “natural” e “editada”. Puritanos...

Câncer de mama: previna-se! - por Nilton Ricardo Vargas Sager

Atualmente, o câncer de mama é o tipo de câncer mais incidente entre as mulheres no Brasil e a estimativa...

El dia más dulce - por Elena Cárdenas

Pensando neste artigo, lembrei da música “La femme chocolate” (a mulher de chocolate), de Olivia Ruíz, uma doce canção sobre...

Patrocinadores da cultura