Em Barcelona ou aqui, o terror nos fere e afeta - por Sueli Santos

Em Barcelona ou aqui, o terror nos fere e afeta - por Sueli Santos

Como não falar sobre os efeitos do terrorismo? Como pensar que isso não nos afeta? Como ficar indiferente à essas notícias e fatos que nos oferecem, a cada dia, os noticiários e as mídias de todo o mundo? Não estamos fora do mundo e não estamos imunes à seu contágio.

Não podemos ser ingênuos e pensar que as ações terroristas são apenas decorrente de fanatismo religioso, embora se saiba que as motivações religiosas, muitas vezes os produzem. Sabemos também que esse fanatismo pode estar presente em qualquer credo. Sabemos ainda que o fanatismo religioso está a serviço do controle social. Sobre controle social, entendamos o controle dos comportamentos, o cerceamento das liberdades, a repressão sexual, o poder econômico, a disseminação do medo e da insegurança.

Independente do que se possa atribuir como fator desencadeante, seja ele ideologia, fé, cultura, etnia, regime político, a história da humanidade foi construída pelo conjunto desses elementos. Mas em qualquer época, temos como ponto fundamental, o desejo de domínio de terras e povos para usurpar suas riquezas, escravizar a população, destituir sua cultura, desnaturalizar sua língua e costumes. Encontramos estas evidências em toda a história da humanidade no mundo civilizado, desde seus mais antigos registros, nos livros sagrados, na tradição da filosofia já presente nas bibliotecas desde Alexandria.

Mas por que, em pleno século XXI ainda, nós, os humanos, que evoluímos tanto, que dominamos tantos saberes sobre o cosmos, sobre a natureza, sobre as ciências, sobre as artes seguimos sem conseguir dominar o ser primitivo que nos habita? O que faz com que alternemos estados de puro desamor e destruição entre povos, impondo uns aos outros esse potencial mortífero de ódio?

Quando digo alternando, se deve a evidência de que o modo de operar a violência e o domínio entre os povos e potências, pode se apresentar de forma mais brutal por vezes e mais sofisticada em outros momentos. No entanto, o elemento sempre presente, que produz e fomenta os conflitos entre os povos é a violência, independente da falsa justificativa que o represente, ou seja, por discriminação de credo ou ideologia, ou poder econômico, ou cultural, etc.

O ataque da última semana em Barcelona, matando e ferindo pessoas, indiscriminadamente, não se pode dizer que não nos diz respeito, ou que é fruto apenas de mentes doentias. Nos afeta sim, quando achamos que a violência, geograficamente longe de nós, não está em nós, em espera. Acredito que quando nos horrorizamos com as mortes de inocentes, civis, pessoas desarmadas, nos ocorra pensar que os terroristas devam ser presos e punidos exemplarmente, talvez brutalizados também.

Nosso horror parece justificar ou legitimar a sede de justiça. Afinal, parece, somos do bem. Somos melhor ou mais puros que as pessoas com mentes doentias, que têm prazer em planejar a destruição de outras pessoas. Não nos damos conta que se alguém usa bombas ou explosivos, ou compram armamentos letais, ou se organizam para destruição com o auxílio de alta tecnologia, essas pessoas não vivem de forma precário, não são ignorantes, mas têm algum nível de informação, que têm inteligência, mesmo que não tenham escola e, principalmente, são financiados para tal finalidade.

 Afinal, o treinamento dos terroristas tem um forte braço armado pelo mercado que produz e vende armas químicas e de poder  de fogo sem limites.  Então estamos falando de jogo virtuoso, amparado no poder de vida e morte entre as grandes potências econômicas, em geral de países desenvolvidos com sua indústria armamentista e  de um poder oferecido pelo ‘deus’ mercado, que lucra com a venda desses dispositivos, verdadeiras máquinas de guerra. Essa engrenagem, lucra ainda mais com a fragilização produzida pelos efeitos de impotência que o terror produz, como trauma profundo e mesmo irreparável no psiquismo das pessoas.

Freud, nos ensinou que o homem é o único ser que é capaz de ter prazer em torturar, humilhar, escravizar e matar um outro, seu semelhante. Os animais não fazem isso, não matam por puro prazer de destruir mas por sobrevivência ou por se sentirem ameaçados. A luta de poder por território ou agrupamento de sua espécie também está ligada a manutenção de sobrevivência, de descendência, de cuidado com sua espécie.

Nos horroriza saber que há gente que vive para planejar a morte, a destruição, o extermínio, o terror em pessoas com as quais nem mesmo conhecem, indiscriminadamente. Não importa se crianças, jovens, velhos, homens e/ou mulheres, mas que sua única motivação é espalhar o medo, a insegurança, a intranqüilidade, a imobilidade frente ao poder de morte dos grupos radicais, e principalmente, ganhar dinheiro com isso.

Em suas diversas formas de ação, surpreender grandes aglomerações de pessoas em situação de deslocamento, de momentos de desfrutar de lazer, férias, encontros, esse é um elemento estratégico para que as pessoas passem a ter medo da liberdade, de viver seu direito de estar no mundo compartilhando o convívio, o conhecimento, o prazer.

Não importa se o terror ataca pessoas que não conhecemos em outros países, o terror tem suas ramificações entre nós, nos trópicos, sob forma de preconceito racial, sexual, machismo, de células criminosas que se albergam nas vilas, nas comunidades carentes, aliciando crianças e jovens para o tráfico, para o consumo de drogas, para a prostituição, paralisando a vida das pessoas. A exemplo de situações de guerra, impõem toque de recolher, a lei do silêncio, extorquem trabalhadores e pequenos comércios, ‘vendendo’ segurança e favores, controlando entrada e saída de becos e bem ao lado de nossas casas. Isso já fez escola mesmo nas pequenas cidades, em suas periferias.

Não é diferente um ataque em uma grande e culta cidade como Barcelona e os ataques a pequenas agências bancárias ou pequenos mercados das comunidades onde praticamente todas as pessoas se conhecem. A escola do crime é etinerante. Amedrontar comunidades com explosões de caixas eletrônicos no meio da noite, fazer cordão humano de proteção, assustar pessoas que até então viviam confiantemente em suas casas, deve nos fazer pensar que estamos muito vulneráveis, e que o terror não tem fronteira nem credo, nem limite, e que a vida está sendo banalizada.

Para além de pedirmos mais repressão policial para nos proteger, embora seja fundamental um efetivo sistema de segurança das pessoas, das cidades, talvez tenhamos que fortalecer a idéia que nossa força maior deva nos implicar na construção de nossa segurança. Como? Resgatando os laços entre nossos iguais, nossa comunidade, nossa vizinhança, apostar na educação como elemento realmente revolucionário para que a escola seja um eixo referencial para a formação de cidadãos, de dignidade, de solidariedade. Podemos reduzir o espaço da impunidade, do cinismo do poderosos vendedores de ilusão, tendo uma posição mais crítica, pró-ativa.   O terror que nos fere e afeta a todos, não pode ser mais forte que nossa possibilidades de defendermos nosso direito à liberdade e à vida.

Dra. Sueli Souza dos Santos
Psicóloga, Psicanalista, Mestre em Psicologia Social e Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
Telefones: (51)981417239 / (54)996757467

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Descriminar x Discriminar - por Aline Aguiar

Descriminar significa liberar, inocentar. Discriminar significa distinguir, separar. Veja a diferença: Certos governos pensam em descriminar o uso de alguns medicamentos. Discriminam...

Plantas tóxicas: um perigo também dentro de casa? - por Telmo Focht

Já pensou que podemos ter dentro de casa, ou no jardim, plantas até venenosas? Eis algumas: Comigo-ninguém-pode (Dieffenbachia ssp) Herbácea de folhagem...

Yoga na gestação - por Carolina Gatelli

A gravidez pode ser um bom momento para se praticar yoga. Pesquisas médicas apontam benefícios tanto para mãe, quanto para...

As lobas também querem voar - por Andrea Dórea

Quase dois anos atrás, em uma tarde de inverno, alguém tocou a campainha insistentemente, me fazendo sair a contragosto da...

Demaquilei os olhos, mas e o rosto? - por Giulia Aimi

Olá bonitezas! Dando continuidade à nossa coluna do mês passado, vou explicar para vocês como demaquilar a pele (base, corretivo...

Games: más que juegos - por Elena Cárdenas

¿A quién no le gusta jugar? Sea a algún depor- te, a juegos populares, a las cartas, juegos de rol...

3 Mitos sobre a depressão - por Ana Cruz

A depressão não surge do nada, nem nasce do vácuo. Tão pouco tem a ver com falha de personalidade. As...

Arquitetura em terra - por Alejandro Gimer

A construção verde tem como principal característica utilizar recursos sustentáveis, que não agridam nosso sistema. Além disso, é um investimento...

Uma data chamada Natal - por Patrícia Viale

Natal é mais que uma data ou uma troca de presentes. Natal é um espírito, um estado de ser. Na...

Austrália, meu bem querer! - por Fernanda Mumbach

Imagino o mundo sem poder viajar, aff, não seríamos tão felizes. Gracias Santos Dumont, guerreiro da aviação, que ligou as...

Patrocinadores da cultura