O Desafio - Descobrir A Sua Verdade - por Sueli Santos

O Desafio - Descobrir A Sua Verdade - por Sueli Santos

São muitos os mitos sobre os efeitos e a quem se destinam os tratamentos psicológicos. Também são muitas as práticas e técnicas de tratamentos, sendo muitas vezes considerados como equivalentes, posto que tratam de questões emocionais, sofrimento psíquico. No entanto se existem muitas modalidades de tratamento é por que não são exatamente iguais os sofrimentos, suas origens e causas. Assim como não se pode tratar da mesma forma todas as pessoas e todos os sofrimentos.

Ainda parece circular o equívoco que postula: tratamento psíquico é coisa para loucos ou gente sem força de vontade, gente fraca, que não sabe resolver seus problemas e não têm fé, por isso adoecem. Convido àqueles que lerem esta coluna, a pensar que buscar entender o que produz o mal estar psicológico, o sofrimento que se repete sempre da mesma forma em suas vidas, aquilo que com certa insistência se reproduz em suas escolhas, ainda que já saibam que escolhem sofrer, têm uma raiz profunda e esconde uma verdade outra, encoberta desde sua origem.

Neste escrito escolho falar sobre o trabalho da Psicanálise, pois este é meu trabalho. A Psicanálise é uma modalidade de tratamento criada por Freud, e que se destinava a investigar e escutar o sofrimento das pessoas desde os finais do século XIX. Em plena era vitoriana, Freud descobriu que parte do sofrimento que acometia as pessoas tinha origem em sua história infantil e era marcada pela teorias sexuais infantis, ou seja, sobre os efeitos da repressão sexual marcada pelo prazer e desprazer.

Dizendo de outra forma, o que produz prazer e/ou desprazer em período muito precoce do desenvolvimento de um bebê, quando esse só tem possibilidade de sentir em seu corpo essas impressões, mas não tem como discriminar o que o satisfaz ou o que o ameaça. Pode ser interpretado como amor e prazer no primeiro caso, ou de abando, morte ou desamor no segundo caso. Por não ter condições de perceber a diferença entre uma coisa e outra, nem ter como discriminar o sentido das palavras que falam os adultos, o psiquismo do bebê criará seus sentidos que não correspondem ao que lhe é dito pelos pais ou quem cuida dele.

Isso já se inscreve antes de a criança ter conhecimento da diferença anatômica biológica entre menina e menino. Portanto, quando falamos de teorias sexuais infantis não estamos falando exclusivamente da diferença genital, mas de marcas de prazer e desprazer no corpo físico e no que chamamos de aparelho psíquico. Não temos como controlar como se inscrevem as relações de cuidado com a criança e como nossos cuidados lhe produzem prazer (leia-se: amor, aceitação, aprovação, proteção) ou desprazer (leia-se: desamor, abandono, rejeição, ameaça de morte).

Quando não se tem as palavras para expressar o que se sente, o que angustia, o que ameaça, o que acalma, o que ampara, as reações do bebê podem sinalizar como ela sente nosso cuidado, nosso toque. Mas será uma interpretação do adulto que cuida da criança, que pela linguagem adulta e por sua própria referencia enquanto adulto dará sentido às reações do bebê. Daí a importância de se pensar que é na relação com os pais ou cuidadores que as primeiras experiências de satisfação e insatisfação, prazer e desprazer se inscrevem no bebê. E por essa dependência e precariedade de um aparelho psíquico tão frágil dos cuidados de outros, irá se organizando a relação com o mundo, com as demandas de afeto do mundo familiar em um primeiro momento. Esse mundo familiar é o precursor da relação com o social, como os outros agrupamentos humanos.

As dificuldades de interpretação dessa leitura de mundo, com tantas exigências, valores, contradições, expectativas, preconceitos, medos já vividos na história afetiva pelos adultos, serão determinantes como modelo do que ensinamos a nossos filhos. Muitas vezes dizemos: meus filhos não vão passar pelo que passei; quero outra vida para meus filhos; não vou fazer com meus filhos o que fizeram comigo; quando tiver filhos eles terão outro destino não serão como eu... Mas será que sabemos o que os filhos vão querer fazer de suas vidas? Ou cuidamos e educamos os filhos como se fossem pura extensão de nossa história e assim os encurralamos em nossos sentimentos de fracassos ou fantasias de sucesso?

Então entendamos que falar de repressão sexual não tem a ver apenas com poder ou não poder ter relações genitais, mas tem a ver com a proibição ou permissão em ter prazer na descoberta do que fazer com sua vida, com o direito a ter curiosidade em saber como a vida é, o que eu sou capaz de sentir com essas descobertas, o que posso transpor das dificuldades que a vida me apresenta. Por exemplo, quando me dizem: “meu filho nunca se machucou porque não deixo ele subir em uma cadeira, ou andar de escorregador, ou usar o talher para comer, ou tentar tomar banho sozinho por que não se limpa direito, etc”; o que escuto é que não vejo meu filho com condições de ser alguém que aprende com sua experiência suas possibilidades, que não descobre seus limites, não sabe fazer escolhas, que não sabe nem pedir ajuda pois não discrimina que é uma pessoa em separado, diferente de seus pais ou cuidadores.

Quem sabe possamos entender assim que uma criança criada dessa forma tão indiferenciada de seus pais ou familiares, ou cuidadores, quando pessoas adultas, sem saber sua verdade, ou seja, o que é dele, o que é dele enquanto  ser subjetivado,  se coloque como eternamente dependente de quem quer que o olhe. Talvez acredite que o mundo tem obrigação de suprir suas necessidades de amor e sobrevivência se mantendo na condição de bibelô, de objeto de decoração, a espera de um novo lugar de exposição de sua incapacidade de sobrevivência, sem se enxergar como alguém que se acredita capaz de viver sua verdade enquanto ser como é e que isso tem um valor.

A psicanálise se ocupa de escutar o sofrimento psíquico desde as historias mais primitivas da construção da subjetivação das pessoas. Por isso é diferente a sua forma de tratar as dores emocionais, retomando estas construções. Não se trata de olhar a vida olhando o retrovisor. Se trata de buscar entender, pesquisar, como se foram formando os sentidos e as interpretações que foram sendo construídas ao longo da vida das pessoas e o quanto isso os impedem de nomear e assumir sua verdade enquanto ser. O desafio em psicanálise é procurar e descobrir a sua verdade.

Dra. Sueli Souza dos Santos: Psicóloga, Psicanalista, Mestre em Psicologia Social e Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Telefones: (51)981417239 / (54)996757467

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Trono de vidro • Sarah J. Maas - por Isabela Sanchez

Como seria se, de repente sua vida fosse arrancada de você, e um ano depois, uma nova oportunidade de ter...

Educação Ambiental Não Escolar: uma demanda aquém do seu tempo - por Fernando J. Soares

A educação como fenômeno social, em sua origem, sua trajetória histórica e sua concepção mais simples, foi e ainda é...

Macarrão Paganini - por Rodrigo Fabro 

 Ingredientes: 1 cebola picada 3 dentes de alho picados 1⁄4 de pimentão amarelo, verde e vermelho 500 g frango picado 350...

Use boné - por Franco Vasconcellos

Não sou do tipo que reclama à toa. Mas funciono melhor em temperaturas baixas. Esse verão me tirou o couro...

Sabia que...

... O sono em excesso pode ser considerado uma doença? O nome desse problema é narcolepsia, uma doença pouco conhecida...

Plantas tóxicas: um perigo também dentro de casa? - por Telmo Focht

Já pensou que podemos ter dentro de casa, ou no jardim, plantas até venenosas? Eis algumas: Comigo-ninguém-pode (Dieffenbachia ssp) Herbácea de folhagem...

Orchata de chufa si us plau - por Franco Vasconcellos

A frase que batiza esta crônica integra a letra de “Vaca Profana”, de Caetano Veloso, considerado um dos mestres da...

Brick da Usina atrai moradores e turistas

No último sábado, 29 de julho, aconteceu o Brick Bazar da Usina da Cultura. Entre 9h e 16h, a Usina...

A oportunidade de viver - por Mercedes Sanchez

"Transformar em mim, o que desejo para o mundo." Se pensarmos na vida como uma possibilidade para nosso desenvolvimento como...

A superstição dos Irlandeses - por Ariane Rocha Goulart

Ser um irlandês já é sinônimo de sorte, começando pela famosa expressão “Luck of the Irish” (sorte irlandesa).  É o...

Patrocinadores da cultura