A cidade dos resmungos

A cidade dos resmungos

Era uma vez um lugar chamado Cidade dos Resmungos, onde todos resmungavam. No verão, resmungavam que estava muito quente. No inverno, que estava muito frio, ou porque tinha sol ou estava nublado.
Queixavam-se uns dos outros: os pais, dos filhos; os irmãos, das irmãs. Todos tinham um problema, e todos reclamavam.
Um dia chegou à cidade um mascate carregando um enorme cesto às costas. Ao perceber toda aquela inquietação, pôs o cesto no chão e gritou:
- Ó cidadãos deste belo lugar! Os campos estão abarrotados de trigo, os pomares carregados de frutas. As cordilheiras estão cobertas de florestas espessas e os vales banhados por rios profundos. Jamais vi um lugar abençoado por tantas conveniências e tamanha abundância. Por que tanta insatisfação? Aproximem-se e eu lhes mostrarei o caminho para a felicidade.
As pessoas riram que alguém como ele pudesse mostrar-lhes como ser feliz. Mas enquanto riam, ele puxou uma corda comprida do cesto e a esticou entre os dois postes na praça da cidade. Então gritou:
- Aqueles que estiverem insatisfeitos escrevam seus problemas num pedaço de papel e ponham dentro deste cesto. Trocarei seus problemas por felicidade!
A multidão se aglomerou ao seu redor. Todos queriam se livrar dos problemas. Cada um rabiscou sua queixa num pedaço de papel e jogou no cesto.
Depois de pendurar todos os problemas na corda, o mascate disse: Agora cada um de vocês deve retirar desta linha mágica o menor problema que puder encontrar.
Todos correram para examinar os problemas. Procuraram, manusearam os pedaços de papel e ponderaram, cada qual tentando escolher o menor problema. Depois de algum tempo a corda estava vazia. Eis que cada um segurava o mesmíssimo problema que havia colocado no cesto. Cada pessoa havia escolhido os seu próprio problema, julgando ser ele o menor da corda.
Daí por diante, o povo daquela cidade deixou de resmungar o tempo todo. E sempre que alguém sentia o desejo de resmungar ou reclamar, pensava no mascate e na sua corda mágica.



 Texto: Autor desconhecido

• Publicado na Revista Usina da Cultura - número 15 - Julho de 2014  

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Gotas de Felicidade - por Douglas B. Torres Blanca

Li uma frase em um outdoor no caminho para casa hoje “A Felicidade é sempre a soma de pequenas felicidades”...

Brick da Usina atrai moradores e turistas

No último sábado, 29 de julho, aconteceu o Brick Bazar da Usina da Cultura. Entre 9h e 16h, a Usina...

Cooperar ao invés de competir - por Mercedes Sanchez

Quando se persegue um mesmo objetivo em parceria com outras pessoas, a forma de conseguir realizar esse objetivo é trabalhar...

Rincão Poético: Usina da cultura, fábrica de sonhos - por Valdecir Minuscoli

Usina da cultura Fabrica de sonhos Páginas de aventuras Viagem ao centro da alma Buscando conhecimento Mistura entretenimento Com um...

Humanizando as Relações e as Empresas - por Laerte Santos

Até pouco tempo, empresários de todo mundo acreditavam que o sucesso de seu empreendimento estaria garantido com um bom produto...

Alfajor Argentino

Alfajor é tradição na Argentina, tem em todos os lugares! Inclusive, não pode faltar em festas de aniversário e reuniões...

Atividades Físicas ao Ar Livre - por Amanda Pessôa

Muitas pessoas deixam de cuidar do corpo e da saúde porque não suportam a ideia de se exercitar em locais...

Rincão Poético: Navego - por Nelson Luiz Pedra

Navego... Nem todo dia as águas são calmasTempestades açoitam a rotinaEntão às vezes paro e sonho parame fortalecerPois a vida...

Cupcake de Pinhão

Rendimento: 7 unidadesIngredientes: • Massa1 xícara (chá) de farinha de trigo 1 xícara (chá) de pinhão cozido e moído 1/2 xícara...

Rincão Poético: Desfolhando - por Angélica Mattos

E eis que o tempo não muito brando, Foi passando, passando, E o vento nada amigo, ventando, ventando, E solitário...

Patrocinadores da cultura