Displaying items by tag: vivendo e aprendendo - Revista Usina

A família - por Laerte Santos stars

Nos tempos modernos, a família do estilo tradicional, vai se perdendo gradativamente. As reuniões nas refeições são raras. A figura do Pai vai enfraquecendo. A figura da Mãe quase não existe mais.
A presença dos filhos, ao lado dos pais, praticamente desapareceu, pois desde muito cedo cada um estabelece as regras da sua própria vida e isola-se.

A televisão, na hora da novela, do futebol e outros programas, onde todos devem manter o silêncio.... é a figura central. O computador e o celular isolam cada vez mais as pessoas, colocando-as cada uma em seu cantinho.

Ir para a igreja aos domingos não é mais possível, cada um tem o seu programa de final de semana.

Escrevo sobre este assunto, pois me preocupa cada vez mais o enfraquecimento dos laços de família, já que esta foi e sempre será o sustentáculo de qualquer SER HUMANO. Ninguém consegue caminhar pela vida, sem o alicerce familiar. Dificilmente alguém será FELIZ ou terá PAZ longe dela.

Reflita sobre o assunto, caro leitor, e estenda suas mãos no sentido do fortalecimento de sua família. Certamente, será uma busca transformadora!

Laerte Santos
www.laertesantos.com.br

A Arte do Acaso - por Alexandre Kury Port

A vida nos surpreende a cada dia, se organiza e reorganiza, seja de forma caótica ou exemplar. Sempre que temos a certeza de ter todas as respostas, a vida vem e muda todas nossas perguntas. 

O acaso é um verdadeiro arteiro, puxa nosso tapete de certezas e nos coloca diante de algumas possibilidades. Nossa reação depende das inúmeras peças de quebra cabeça que estruturam nosso coração e nossa mente.

Lidar bem com o acaso consiste na relação que existe entre nossa razão e nossa emoção, é uma questão de equilíbrio. Comparo com uma xícara de café. Se prestares atenção, perceberá que um bom café consiste no equilíbrio entre a temperatura da água e da quantidade de pó. Adicione acasos como leite, açúcar ou adoçante e as opiniões serão as mais divergentes.

A vida nos proporcionará os encontros com os mais diferentes tipos de cafés e acasos. O segredo consiste em estar com a mente e o coração abertos, um para a razão e o outro para o amor, isso lhe permitirá viver cada acaso e tirar os aprendizados que eles tem a oferecer.

Alexandre Kury Port é Psicólogo, especialista em Gestão Empresarial, empresário e escritor.
Contato www.clinicakp.com

Arquitetura em terra - por Alejandro Gimer

A construção verde tem como principal característica utilizar recursos sustentáveis, que não agridam nosso sistema. Além disso, é um investimento viável, pois muitos dos materiais utilizados neste tipo de arquitetura provém da própria natureza. A Terra é um dos elementos mais abundantes! 

Dando continuidade ao tema “Construções verdes”, hoje o assunto em pauta será o elemento mais abundante que dispomos, largamente utilizado para erguer as mais variadas habitações: a terra.

Desde os tempos em que os humanos saíram das cavernas, vem surgindo habitações para servir de abrigo às condições climáticas de cada região do planeta. Daí a proliferação de uma infinidade de técnicas e materiais que foram dando forma e estas habitações. Dentro deste quadro, o material mais utilizado foi e continua sendo a terra. Hoje metade das construções verdes é feita dela, pela sua abundância, por não haver a necessidade de comprá-la e pela facilidade na hora de usá-la para construir. 

Mais do que apresentar-lhes técnicas, desejo dividir com vocês as incríveis experiências que tive o privilégio de vivenciar, aqui mesmo em São Francisco de Paula, no Instituto Arca Verde, uma comunidade que está buscando um novo olhar na forma de relacionar-se com o meio ambiente e as pessoas.

Foram dois momentos diferentes, um curso de Design em Permacultura e outro curso de Bioconstrução. Em ambas oportunidades, literalmente colocamos as “mãos na massa”, como também os pés, no processo de preparar o barro para utilizá-lo na construção de casas chamadas de “permaculturais”, ou seja, que estão em harmonia com o seu entorno, com o meio ambiente e as pessoas que  vão habitá-la. Posso garantir-lhes que foi uma das mais gratificantes experiências que tive o prazer de participar.

-- LEIA TAMBÉM: Construções Verdes - por Alejandro Gimer -- 

O processo de mexer com a terra, por si só, já é uma maravilhosa forma de reconectar-nos com Gaia, nosso planeta, nossa fonte de sustentação e vida. Cada camada de barro colocada nas paredes do espaço que chamaremos de lar, dando forma através das mãos, é altamente gratificante, principalmente quando usamos a técnica chamada COB, de origem inglesa e que em tradução livre seria “maçaroca”. Nome bem apropriado por sinal, pois o aspecto da mistura de argila, areia e palha é esse mesmo. Esta técnica permite-nos “esculpir” a casa, melhor seria dizer “modelar”, pois à medida que vamos levantando suas paredes, podemos dar-lhes formas e desenhos do nosso agrado, agregar elementos decorativos como vitrais feitos com garrafas de vidro coloridas, mosaicos feitos com quebras de cerâmicas, madeiras e uma infinidade de outras possibilidades. Basta colocar a criatividade para funcionar. Outro detalhe importante é que, neste tipo de construção, podemos utilizar tocos de madeira, galões velhos (cheios daquilo que chamamos de “lixo seco”), isopor e coisas tão inimagináveis para estar dentro de uma parede como uma velha guitarra, que já teve seu ciclo musical encerrado, acredite, tem uma na casa de um dos moradores da Arca Verde.

Bem, como podem ver, construir verde é perfeitamente possível, há somente que trocarmos o olhar, quebrando velhos paradigmas, sendo os agentes da nossa própria revolução e buscar alternativas fora do sistema, que está aí para “vender-nos” soluções que trouxeram uma forma de viver aonde parecemo-nos mais com robôs do que com seres que são não sua verdadeira essência Amor. Vamos então construir Verde, vamos construir em Amor.

-- LEIA TAMBÉM: Construção Verde • Um novo olhar, uma nova forma de viver - por Alejandro Gimer -- 

 

Meu anjinho - por Patrícia Viale

Novembro é o mês de nascimento da Maria Rita, minha filha. Ao me descobrir grávida, em 2008, tudo mudou. Inclusive as certezas. Quando me vi grávida pensei "o que irei te oferecer criança"? Numa crise de ansiedade quis consertar o mundo que iria te receber.  Mas o mundo não é consertado. O mundo é vivido. E assim fui viver simplezinho, brincar com as animais, plantar flores, arrumar a nova casa, caminhar, ler, escutar música…



Meu anjinho, de largas asas que sacudiram minhas costelas, não posso te dar um mundo mais harmonioso. Não posso te garantir convivência com pessoas do bem, mas posso te oferecer respeito, gentileza, amor, sinceridade e solidariedade. Esta foi a herança que recebi da vida e será esta herança que te passarei. Terás que aprender sobre a dor e a alegria. Terás que sentir os dias cinzas e os ensolarados. Algumas vezes cairá, mas tenhas a tranquilidade para sentir o tombo, olhar em frente e erguer-se. Minhas duas mãos estarão ao teu lado. É isto que posso te oferecer. Seja feliz minha filha!

Patrícia Viale é mãe, ativista, jornalista, escritora, colagista e pizzaiola. Inquieta e persistente, apaixonada pelos Campos de Cima da Serra.

 

Flashes in my brain - por Cássio Schaefer

O mundo continua rugindo em trovões 
A neblina cumpre seu papel
As gargalhadas dos pássaros na estremeção do céu
Uma mistura de morte com liberdade
Enquanto dou-lhe uma flor seca limitando parte de meu amor
Seca era a arvore com poucas flores amarelas em minha mente 
A goteira caída do telhado e todos os postes ficam alinhados 
Recortes de revistas, recortadas e guardadas em livros escolares de Historias. 
Salsas e crianças, mudas plantadas em canteiros em terras férteis.  
As janelas estavam trancadas, a água estava quente.
Em poucos segundos o vapor embaçou o único espelho do banheiro
O ralo fez um barulho estranho, algo como faça entupida.
Refletindo o reflexo de si mesmo
Seu beijo estremeceu dentro de minhas orelhas, elevando meu cérebro, pulsando o coração.
Por duas noites seguidas ela apareceu nos corredores de meus sonhos , me perguntando sobre as maças retalhada 
Dando-me um abraçando e dizendo que meu braço cheirava a canela 
Sentamos juntos em um banco de madeira...
Eu ainda não entendia o motivo de estar com ela ali
O seu cheiro não conseguia distinguir 
Pus as mãos em minhas pernas e segui em direção a torneira apelando para uma grande caneca de água gelada 
A várias semanas o sol não aparece no céu 
Por mim esta tudo bem, acredito que nada passa de um sonho popularmente ilusão.

Cássio Schaefer
Canela/ RS

Construção verde · Um novo olhar, uma nova forma de viver - por Alejandro Gimer

A construção verde não é somente uma forma de arquitetura. Ela vai além... parte da reflexão, da mudança do olhar, e segue rumo a uma vida mais saudável e sustentável.

Aqui estamos novamente, desta vez para falar das questões que envolvem os recursos naturais e os resíduos que geramos com a nossa atual forma de viver e construir, como água, combustíveis, energias, produção de lixo e dejetos humanos e animais... e a lista é grande. Estarão perguntando-se: “O que isso tem a ver com construção?”. A resposta é uma só: TUDO!

Ao trocarmos o nosso olhar para construir verde, todos estes aspectos são de suma importância na hora de incluir em nosso projeto soluções como telhados verdes, reuso de água, captação de água da chuva, aquecimento solar, aquecimento de ambientes em locais muito frios através de sistemas eficientes, como o “fogão foguete”, uso de estufas solares com aquecimento solar passivo, captação de energia eólica e fotovoltaica, compostagem dos resíduos orgânicos e dejetos humanos e animais, tratamento de efluentes através de sistemas naturais, como a fossa de bananeiras e muitas outras soluções que cada vez mais estão acessíveis para todos.

Podemos usar todas estas soluções em nossa construção? Isto vai depender de algumas variáveis, mas principalmente da sua própria disposição em mudar alguns paradigmas. Dou um exemplo bem prático sobre isso. Um banheiro seco, que tem por objetivo principal tratar os dejetos humanos de forma a que não seja utilizada água para levá-los para fora do recinto e muitas vezes para locais sem tratamento adequado, sejam transformados em fertilizante e adubo, com o manejo adequado da urina e fezes.

-- LEIA TAMBÉM: Construções Verdes - por Alejandro Gimer -- 

Em alguns casos, as fezes podem integrar um sistema de produção de bio-gás usado para produzir energia. Mas aí eu pergunto, você estaria disposto a fazer essa troca de olhar e, por consequência, uma troca de maneira de viver, para realizar esta tarefa que num primeiro momento pode apresentar-se como algo muito desagradável (e não é)? Sobre estas questões, gostaria ainda de abordar outro aspecto que vem de encontro a este questionamento.

As construções verdes resgatam e melhoram as formas de construir que nossos avôs conheceram e até mesmo utilizaram e que, vou abrir aspas “não são convencionais”, o que lhes conferem um aspecto diferente do que estamos acostumados a ver e a sentir. A maioria das casas e prédios em que trabalhamos estão construídos com técnicas e materiais que ganharam impulso e popularidade no início do século passado, a partir da dita “revolução industrial”.

O sistema nos vende a ilusão de que é assim que devemos fazer. Convido você neste momento a fazer uma parada para olhar com honestidade para tudo isso. Olhou? O que enxergou? Vou responder por você. Caixinhas de cimento e vidro; pessoas dependentes de caros sistemas de aquecimento e refrigeração para obterem um relativo conforto térmico, casas que não respiram, o que as torna insalubres (por que será que tem tanta gente doente?), que não proporcionam liberdade ou aconchego, aonde vivemos literalmente empilhados uns em cima dos outros, desperdiçando de forma absurda os recursos naturais e contribuindo com uma enorme carga de poluentes, que de várias formas são o resultado desta forma de viver que pensamos ser a única.

Bem, vou deixar aqui o convite: faça uma troca do olhar, faça uma troca na sua forma de viver...porque do jeito que está, estamos de cabeça pra baixo. Deixe o Amor construir a sua experiência nesta terra, isso vai fazer você ficar em pé, vai possibilitar que saia da ilusão e alcançar a lucidez!

-- LEIA TAMBÉM: Arquitetura em terra - por Alejandro Gimer --

 

Perigo a vista: lugares altamente mortais - por Telmo Focht

Ter um seguro viagem é importante para quando você for viajar. Seja para proteger suas bagagens, seu voo ou te dar auxílio em caso de algum acidente ou doença que você venha a ter em um país desconhecido, a proteção oferecida pelo seguro é indispensável.

Bem… mas tem locais que nem mesmo um seguro viagem pode te ajudar, e é muito melhor evitá-los na medida do possível!

Se você é daquelas pessoas que adoram viver perigosamente, veio ao lugar certo, ou melhor, aos lugares certos!

Quem não gosta de uma boa adrenalina? Coração disparado, sangue correndo a milhão, pupilas dilatadas. Quando você está no topo da montanha-russa tudo o que pensa é “quero ir para casa”; mas quando sai do brinquedo tudo o que diz é “de novo, de novo”. Sim, que nem criança.

Mas, ei, há limites, e eu diria que os lugares listados aqui abaixo ultrapassaram em muito essa linha divisória.

1 - Ilha Ramree
Onde – Myanmar, ex-Birmânia – sudeste da Ásia.
Perigo - manguezais infestados de crocodilos gigantes.

2 – Estrada dos Yungas, Bolívia – também conhecida como Estrada da Morte
Onde – entre La Paz e Coroico, Bolívia, América do Sul.
Perigo - foi aberta na lateral de uma série de montanhas que chegam a 5 mil metros de altitude. Em alguns pontos, a queda pode ser de 2 mil metros. Isso sem contar que a largura varia entre 4.m e 7 m. Cerca de 250 pessoas morrem todo o ano devido a quedas e deslizamentos.

3 – Chernobyl e Prypiat, Ucrânia
Onde - Chernobyl, na Ucrânia, Ásia central
Perigo – radiação por Césio-137, após explosão de reator nuclear, em 1986. O mesmo elemento que contaminou várias pessoas em Goiânia, na década de1980.

4 - O Jardim Venenoso de Alnwick, Inglaterra
Onde - Alnwick, Reino Unido, na propriedade da duquesa inglesa Jany Percy.
Perigo – jardim de plantas alucinógenas e outras extremamente venenosas e até fatais.

5 - Depressão de Afar, Corno da África
Onde - Extremo nordeste da África. Procure um mapa e entenderá por que tem este nome...
Perigo – região com uma fissura com nada menos do que 12 vulcões prontos a cuspir fogo, entre duas placas tectônicas (africana e arábica).

6 - Tsingy de Bemaraha National Park, Madagascar
Onde - Bemaraha National Park.
Perigo - rochas com 100 metros de altura, pontiagudas e extremamente cortantes.

7 - Vulcões de lama, Azerbaijão
Onde – interior do Azerbaijão.
Perigo – erupções e queda de enormes pedaços de lama e emissão de metano, gás altamente inflamável.

8 - Lago Fervente, Ilha de Dominica
Onde – ilha de Dominica, Caribe.
Perigo – suas temperaturas de 90° Celsius ou mais em suas águas, permanentemente.

9 - Cratera de Darvaz, Turcomenistão
Onde – Turcomenistão, ex União Soviética, Ásia.
Perigo – gases tóxicos inflamáveis que estão queimando desde os anos 1970.

10 - Minas de Thetford, Canadá
Onde - Thetford, Quebec, Canadá.
Perigo – mineração de asbesto (o amianto), mineral cujo pó pode levar à morte.

 

 

11 - Ilhas Izu, Japão
Onde - ilhas Izu, sul de Tóquio, Japão.
Perigo - na junção de três placas tectônicas, e com elevado potencial de atividade vulcânica, exige que os moradores carreguem uma máscara para se protegerem da alta emissão de gases tóxicos (entre eles o enxofre, que tem um cheiro nada agradável).

 

12 - Caverna dos cristais, México
Onde - Chihuahua, norte do México.
Perigo – apesar de seus cristais de mais de 12 metros de altura e 4 metros de diâmetro, e pesando cerca de 55 toneladas, a temperatura do ambiente é de 50°C e a umidade do ar fica perto dos 100%. Um ser humano sem trajes especiais, aguentaria cerca de 10 minutos.

 

13 - Lago Karachai, Rússia
Onde – Sul dos Montes Urais, centro-sul da Rússia.
Perigo – Resíduos radioativos da usina Chelyabinsk, que podem matar um ser humano em menos de uma hora.

 

14 - Lago Nyos, Camarões
Onde - Lago Nyos, no Camarões, África.
Perigo – Após uma erupção vulcânica em 1986, suas águas ficaram ricas em dióxido de carbono, gás asfixiante para o ser vivo.

 

15 - Atol de Bikini, nas Ilhas Marshall
Onde – Atol de Bikini. O nome da roupa de banho veio de lá…
Perigo – Após muitos testes atômicos, os níveis de radiação no mar são considerados perigosos e nocivos para seres humanos.

 

16 - Ilha da Queimada Grande, Brasil
Onde – Cerca de 35 quilômetros do litoral de Itanhaém, Estado de São Paulo.
Perigo – Milhares de serpentes jararaca-ilhoa (Jararaca insularis). Seu veneno pode matar instantaneamente. Apenas pesquisadores ou estudiosos podem ir lá.

 

Fontes:
http://www.elhombre.com.br/os-14-lugares-naturalmente-mais-perigosos-do-mundo/
http://www.guiadasemana.com.br/turismo/noticia/10-lugares-naturalmente-mais-perigosos-do-mundo
https://www.bidu.com.br/blog/lugares-mais-perigosos-e-belos/

Telmo Focht, biólogo, com doutorado em espécies exóticas invasoras. Também atua na área de licenciamentos ambientais.

Será que vou me arrepender? - Diogo Krevoniz

Esta perguntinha me atormenta e se aplica a tudo na minha vida. Afinal, temos que fazer escolhas constantemente. As escolhas fazem parte de nossas vidas e determinam os caminhos que vamos seguir.

Algumas escolhas são fáceis, como escolher o que vestir. Se bem que, para algumas pessoas, isso pode ser beeem difícil. Outras escolhas nos atormentam, como a escolha da profissão. Quem não ficou desesperado ao chegar no terceiro ano do Ensino Médio sem saber o que fazer da vida? Eu, com certeza, estava completamente perdido. E se você está em fase de vestibular, lá vai um spoiler: Você não precisa escolher imediatamente!

Talvez, os principais medos sejam o de fazer uma escolha errada e o medo das consequências que seguirão nossas escolhas. É fato. Precisamos assumir as responsabilidades pelas escolhas, sendo nossas escolhas elas boas ou não.

Dito isso, possivelmente o medo de escolher tenha aumentado, mas precisamos entender de uma vez por todas de que as escolhas nos moldam. Somos o resultado de nossas escolhas. Não há como negar. E também não há como não ficar apavorado. Afinal, como disse Verônica Roth, a queridinha dos fãs da série de livros Divergente, uma escolha te definirá (one choice will define you).

No entanto, você precisa saber que as escolhas situações não são imutáveis. Você pode escolher novamente. Nesse momento, você pode escolher algo diferente ou escolher o mesmo. O fato é que você está fazendo uma escolha. Eu escolhi escrever este texto e você escolheu lê-lo até aqui. Você pode escolher continuar ou parar… A escolha é sua!

Ouso dizer que não há escolhas erradas. Há escolhas as que nos ensinam mais do que outras. Às vezes, uma escolha tomada no calor da emoção, por impulso, que para muitos seria idiotice ou “uma escolha a opção errada”, nos leva à caminhos inesperados e que podem mudar completamente o rumo de nossas vidas. Mas para isso, é preciso ter coragem, é preciso se arriscar, porque a vida não vem com manual de instruções.

Viver é se jogar no desconhecido, num quarto escuro sem saídas. Viver é mais do que estar vivo. A vida é feita de momentos e de emoções. Então, não se preocupe se você sabe nadar ou não, se jogue no mar. Arrisque-se. Viva. O pior que pode acontecer é você aprender algo novo.

Diogo Maicon Krevoniz Balduino
São Francisco de Paula/ RS

Ditados Populares com nomes de Animais – você já deve ter ouvido muitas vezes - por Telmo Focht

Quem já não ouviu pelo menos uma das dezenas, ou centenas, de ditados populares envolvendo o nome de pelo menos um animal?
Pois foi a partir desta curiosidade que busquei e apresento aqui algumas delas, com sua origem e significado, sempre que possível.
Infelizmente, o uso, ou a própria expressão adotou um sentido pejorativo para a pessoa a quem ela é atribuída (e também ao animal, por extensão...).
Claro que existem muitos outros, que tem o significado ou origem curiosos. Boa leitura!

Mamãe coruja

A mamãe-coruja tem uma característica única: seu filho é detentor da mais extraordinária beleza, tem as mais raras qualidades e um caráter sem igual. Por extensão, aplica-se a papai-coruja, vovó, vovô, tios e demais parentes. Ai de quem ousar falar algo que contrarie os dotes da referida criatura! Além de ser cego, é imbuído de pura inveja. Para entender a origem da expressão e do fenômeno, necessário se faz relembrar uma fábula de La Fontaine.

A coruja e a águia

Coruja e águia, após longo tempo de muita briga, resolveram fazer um pacto e celebrar as pazes.

- Chega de guerra, disse a coruja. Este mundo é tão grande, não há motivo para andarmos a comer os filhotes uma da outra. É muita tolice de nossa parte.
- Muito bem, respondeu prontamente a águia. Estou de pleno acordo.
- De hoje em diante, não mais devorarás os meus filhotes, propôs a coruja.
- Perfeitamente. Mas como haverei de distinguir que são os teus filhotes?
- Nada mais fácil para reconhecê-los! É só observar sua beleza! São os filhotes mais elegantes e encantadores sobre a face da terra!

E assim ficou acordado entre as partes. Dias depois, a águia andava faminta e partiu em voo, à busca de caça. Com seus olhos privilegiados, logo encontrou um ninho, numa toca, com três monstrengos lá dentro, que piavam com o bico muito aberto.

- Que bichos horríveis! Com certeza, não são os filhos da coruja, pensou a águia.

Faminta e livre de qualquer dúvida, fez uma saborosa refeição, devorando os três bichinhos. Mas, infelizmente, eram os filhos queridos da coruja. Ao retornar para a toca, a triste mãe chorou amargamente e, de imediato, foi tirar satisfação da águia.

- Aqueles monstrenguinhos eram teus filhos? Juro que em nada pareciam com a descrição que deles me fizeste, disse a águia, contrariada com o acontecido.

Moral: quem ama o feio, bonito lhe parece.

Lavar a égua

A expressão tem origem no turfe, o esporte dos reis e da nobreza. Quando a égua ganhava uma corrida, dando lucro ao dono, este a retribuía com um banho de champanhe. Era um gesto de gratidão e de cavalheirismo do proprietário para com a fêmea. Se o vencedor fosse um macho, seu destino era voltar à cocheira com o suor do esforço da corrida, porém sem o banho de champanhe, privilégio das fêmeas. É claro que o sentido não se aplica mais ao hábito de banhar o animal. Lavar a égua significa, atualmente, ter uma grande satisfação, conquistar uma grande vitória. Obter um grande lucro advindo, normalmente, do jogo.

Olha o passarinho

Quando foi inventada a máquina fotográfica, no fim do século XIX, o espaço de tempo para fixar a imagem era mais demorado do que hoje. Na época, as pessoas tiravam retratos e o fotógrafo era retratista, Para reter por mais tempo a atenção das pessoas, especialmente as crianças, os fotógrafos costumavam colocar uma gaiola com um passarinho em local acima da máquina.

Atualmente, os modernos equipamentos produzem fotos instantâneas, fazendo, inclusive, ajustes na imagem. O que restou dos velhos tempos foi só a frase: olha o passarinho. Agora tem a função de avisar o momento exato do clic e oportunizar um rosto sorridente e uma feição mais simpática. O único problema é, depois, fazer os outros acreditarem que o indivíduo ao vivo e a figura da foto são a mesma pessoa.

Engolir sapos

Tolerar coisas ou situações desagradáveis sem responder, por incapacidade ou conveniência; suportar atos desagradáveis sem revidar.

As rãs são comestíveis, um prato saboroso e elitizado em função do elevado preço. A ranicultura é uma atividade rentável e com mercado certo. Os sapos, por sua vez, são essenciais ao ecossistema. Vivem de insetos, especialmente de mosquitos. Possuem glândulas venenosas pelo corpo e pernas mais curtas que as rãs. Podem se afastar da água e viver em regiões mais secas. Não são comestíveis. Já perereca é nome popular, no Brasil, de anfíbios menores, com pernas finas e longas, em cujas pontas dos dedos possui ventosas. Também não são comestíveis. Portanto, não confunda sapo com rã ou perereca. Todos são úteis ao ecossistema. Engolir sapos, porém, somente por absoluta ou imperiosa conveniência. São  muito indigestos, não para o estômago, mas para a auto-estima.

Ter olhos de águia

Dispor de uma vista penetrante, ser muito inteligente e ter alta visão das coisas. Equivale a “ter olhos de lince”. Águia também designa indivíduo de notável saber, que sobrepuja os demais pela excelência de seus dotes culturais, de seu talento ou perspicácia. Foi por esta razão que Rui Barbosa passou para a História como a “Águia de Haia”, na Conferência Mundial para a Paz, na cidade de Haia, na Suíça, em 1907. As águias posicionam-se bem no alto, sobre as montanhas; de lá, visualizam suas presas e partem em voo certeiro.

Boi-corneta

Indivíduo intruso, intrometido, trapalhão, briguento.

Trata-se de alusão ao boi de um só chifre. Daí surgiu o dizer: não há boiada sem boi-corneta. Segundo os vaqueiros, o boi corneta é de mau gênio, brigador, desobediente; se não for bem cuidado, pode dar origem ao estouro da boiada. Com esse temperamento hostil, parece querer compensar o seu defeito físico – a ausência de um corno. Na gíria do futebol, o corneteiro é o torcedor que xinga, incansavelmente, o técnico e os jogadores do seu time nos infortúnios. É diferente do tocador de flauta, que faz uma brincadeira saudável com o torcedor do time adversário, especialmente após vitória em clássico, brincadeira aceita com espírito esportivo por quem considera o futebol apenas um passatempo, um lazer, e não uma batalha. Nas guerras antigas, o corneteiro era o soldado encarregado de tocar a corneta na hora das batalhas.

Fontes:
O Bode Expiatório - Ari Riboldi. AGE Editora, Porto Alegre, 3a edição, 2008, 72p.
O Bode Expiatório 2 - Ari Riboldi. AGE Editora, Porto Alegre, 2009, 72p.

Telmo Focht, biólogo, com doutorado em espécies exóticas invasoras. Também atua na área de licenciamentos ambientais.

Plantas Medicinais – uma farmácia a céu aberto, e pode estar em nosso quintal! - por Telmo Focht

Na edição passada, comentamos sobre plantas tóxicas. Vamos aproveitar a carona no tema saúde e comentar agora sobre algumas plantas medicinais.

A seguir são relacionadas algumas que podem ser encontradas aqui mesmo no município de São Francisco de Paula. Como (felizmente) a lista é grande, ela será dividida em duas partes. 

Por terem aplicação medicinal, como precaução, não devem ser usadas durante a gravidez, salvo indicação contrária.

Lembre-se também que elas só devem ser usadas quando houver necessidade. Se usadas como chá habitual, quando se mostrarem úteis ou necessárias, poderão não mais fazer efeito, ou não mais ser tão eficaz quanto esperado.

-- LEIA TAMBÉM PLANTAS TÓXICAS: UM PERIGO TAMBÉM DENTRO DE CASA? --

E elas também possuem aplicações mais numerosas que as citadas aqui.

Nome popular

Espécie

Indicação

Partes utilizadas

Cambará

Lantana camara

Gripes, resfriados, febre, dor de ouvido, coqueluche, reumatismo, espasmos

Folhas

Endro

Anethum graveolens

Regulador intestinal, combate gases intestinais

Folhas

Erva cheirosa

Aloysia virgata

Combate dores de cabeça

Folhas

Limão

Citrus limon

Gripes, resfriados, facilitador da circulação

Toda

Losna

Artemisia absinthium

Males do fígado

Folhas

Manjerona

Origanum vulgare

Tosse, febre, dor de ouvido

Galhos

Ponta alívio

Achillea millefolium

Pontada, resfriados

Ramos

Sálvia

Salvia officinalis

Tratamento de aftas, bronquites, catarros, diabetes, estomatites, além de fechar poros dilatados, curar gengivite, inflamações, reumatismo e cessar vômitos

folhas, flores e óleo essencial

Cipó mil homens

Aristolochia triangularis

Anti-helmíntica, sedativa, antifebril, males do estômago. Externamente, como anti-inflamatória, antirreumática e antisséptica. Comumente empregada contra mordedura de cobra

Folhas, caules e raízes.

Boldo

Coleus barbatus ou Plectranthus barbatus

Carminativa, colagoga, colérica, antidiarreica, eupéptica, gota, hepática, flatulência, cálculos biliares

Folhas

Cidró

Cymbopogon citratus

Calmante, analgésico (em dores de estômago, abdominais e de cabeça), antifebril, antirreumático, carminativo, antitussígeno, diaforético, emenagogo e em distúrbios digestivos. Uso doméstico: repelente de insetos

Folhas

Alcaçuz

Glycyrrhiza glabra

Calmante e combate úlceras. Fortalece o sistema imunológico. Apresenta ações hormonais, anti-inflamatórias, antialérgicas, protetora da mucosa gástrica (estímulo da síntese de muco gástrico), efeitos laxantes e anti-espasmódicos leves, imunossupressores, anti-hepatotóxicos, antianêmicos e de redução dos níveis de colesterol e de triglicerídeos

Raiz

Erva de São João

Hypericum perforatum

Cicatrizante, analgésica, antibiótica e vermífuga. Tradições populares milenares indicam as folhas e as flores dessa planta para tratar feridas, úlceras, reumatismo e dores ciáticas, além de curar asma e inflamações dos aparelho digestivo e respiratório. A planta é indicada para tratamento de depressão e também para regimes de emagrecimento, pois reduz  a ansiedade. Calmante, relaxante dos nervos, combate a depressão

Flores, folhas e galhos

Catinga de mulata, erva de São Marcos ou tanaceto

Tanacetum vulgare

Males do estômago, contra infecções, usada para machucados

Folhas

Macela/

marcela

Achyrocline satureioides

Digestiva, antiespasmódica, carminativa, colagoga, eupéptica, anti-inflamatória, emenagoga e para diminuir a taxa de colesterol. Externamente, como anti-inflamatória e antisséptica. Dor de barriga (diarreia), estômago, dor de cabeça, azia, cálculo biliar, dor de cabeça, cólicas intestinais, contrações musculares bruscas, contusões, desordens menstruais, diarreias, disenteria, disfunções gástricas e digestivas, dor de estômago, estimulante da circulação, febre, gastrite, impotência, inapetência, inflamação, lavar feridas e úlceras, má digestão, pele e cabelos delicados, nervosismo, resfriado, retenção de líquidos, reumatismo, suores fétidos nos pés, icterícia, colesterol alto, cistite, nefrite, colecistite

Inflorescências

Cânfora

Artemisia camphorata

Possui ação antisséptica e cicatrizante; antinevrálgica; Antiepiléptica; Antirreumática; Antisséptica; calmante; males do fígado, má digestão, dores musculares, contusões. descongestionante das vias respiratórias; sedativa; cicatrizante, contusão, distúrbios neurológicos e cardíacos, distonias neurovegetativas com comprometimento cardiovascular, dores musculares, feridas, hemorragia uterina, neurose cardíaca, picadas de inseto, reumatismo

Folhas

Camomila/maçanilha

Matricaria chamomilla

Anti-inflamatória, analgésica, antiespasmódica, carminativa, antisséptica, digestiva, sudorífica, aperiente, antirreumática, emenagoga e sedativa. Calmante, regulador intestinal para bebês, combate olheiras e má digestão. Sedativo, protetor térmico da pele, conjuntivite (não deve ser aplicado diretamente nos olhos, e sim, uma compressa do mesmo), dores musculares, stress, insônia (é comum à venda de travesseiros e máscaras para dormir com essência de camomila), contra diarreia, inflamações urinárias e gripes.

Folhas e flores

 Fontes: Knob, Maria Helena. 2013 Educação Embiental e Etnobotânica: o uso de plantas medicinais em São Francisco de Paula. São Francisco de Paula. Trabalho de Conclusão de Curso. 92p. <http://www.remedio-caseiro.com> Acesso em 03-08-2016.

Telmo Focht, biólogo, com doutorado em espécies exóticas invasoras. Também atua na área de licenciamentos ambientais.

Deixe seu comentário

Lugares que podem te interessar

view_module reorder

Cachoeira do Nassucar - Cambará do Sul/RS

Localização: Vale do Rio Santana, a 24 km do centro de Cambará do Sul. No Vale do Rio Santana, ao norte...

Cachoeira dos Venâncios - Cambará do Sul/RS


Localização: A 23 Km da cidade, distante 12,5 Km da RS 020. Ver mapa O município de Cambará do Sul, conhecido...

Cânion Fortaleza - Parque Nacional da Serra Geral

Localização: Cambará do Sul, RS - a 23 km do centro da cidade. Ver mapa Considerado um dos lugares mais bonitos...

Cachoeira do Tio França - Cambará do Sul/RS

Localizada a 3 Km da cidade de Cambará do Sul, é onde o arroio Campo Bom despenca para formar uma...

Lajeado das Margaridas - Cambará do Sul/RS

Localização: 12 km do centro de Cambará do Sul O Lajeado das Margaridas está localizado a 12Km do centro de Cambará do...

Quer saber as novidades na Usina?

Inscreva o seu email na nossa lista e receba por email

Somos contra o spam. Inscrevendo seu email na nossa lista, receberá email emails somente enquanto desejar, a Usina sempre respeitará a sua decisão, deixando sempre disponível no rodapé do email um link para cancelamento a qualquer momento, sem complicações


Parceiros na difusão cultural