Ser águia - Fabrício Safadi

Ser águia - Fabrício Safadi

Em nosso nascedouro - este momento irrecuperável e inatingível em sua totalidade -, já devíamos saber que, apesar dos pesares, nunca é tarde para aprender algo novo em nossa sinuosa estrada em constante manutenção. Entretanto, se soubéssemos disto mais cedo do que o usual, poderíamos deixar de aprender várias fórmulas matemáticas, diversas esquematizações abstratas, inúmeras técnicas de ciclismo que salvaguardassem os nossos joelhos e cotovelos quando crianças. Afinal de contas, esta crendice referida na linha primeira nos faz afirmar a teleologia de nossos saberes.

Em outras palavras, faz com que creiamos na existência de uma confiança depositada sobre a esotérica presunção de nossos sentidos na qual afirma, de forma acintosa, que o futuro deve e vai se encarregar de atualizar nosso manual de instruções com algum novo aprendizado ou lição, como Anjo Gabriel ao pé do ouvido de Maomé.

Neste sentido, enveredando por esta senda, podemos ser vítimas de nosso próprio engodo. O tempo passa, a noite beija o dia, o dia trai a noite em uma adúltera relação com a Lua (muito raramente), e o que temos em mãos é muito pouco perto do que desejávamos.   



Observe-se a águia, este animal imponente, visionário, altivo e orgulhoso, que, certa feita, no inverno de sua vida procura uma altíssima montanha para sacrificar, contra as inanimadas rochas, as feições de suas garras e a protuberância de seu bico amarelo, tal qual o diadema de uma bela princesa. Eis o que devemos saber, mesmo sendo tarde.

O sacrifício dolorido de um animal que se recria com seus movimentos bruscos, vestindo armadura alvinegra, dona de um pescoço branco, tão limpo quanto a áurea de um santo. Exaltações à parte, admiremo-las, enaltecemo-las, aprendamos com elas a arte de renovar-se, a experiência de refletir sobre nossa própria vida. Todos nós precisamos encontrar a rocha da renovação, sem deixar de fora o nosso fio de Ariadne, nosso passaporte para o recomeço de tudo.

Enfim, se o mutismo esvoaçante desse belo pássaro fosse capaz de nos dizer algo em palavras, diria o seguinte: “Sigam em frente!”, “Olhem bem!”, “Pensem no que estão a fazer”, “Em disparada!”, “Sapere Aude!”. Para tanto, diria tudo em alto e bom som, sem referência bibliográfica alguma. Quem é sublime e está tão alto não se importa com as regras daqui de baixo. E com razão.

Fabrício Safadi - Novo Hamburgo, RS

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Escondidinho de chester

Transforme as sobras da ceia em um novo prato!!Rende 10 porções Ingredientes: Purê 1 kg de mandioquinha (batata baroa) 1 caixa de...

Rincão Poético: No Pomar - por JackMichel

Alegres cantigas evolam deste pomar... numerosos pássaros bicam os frutos... imensas frondes se antolham no percurso... são é o ar...

Centenário Grande Hotel Canela • Uma História, uma família, um grande hotel

A cidade de Canela, no Rio Grande do Sul completou 70 anos de emancipação em 2014. Entretanto, o turismo e...

Contorno e Iluminação - por Giulia Aimi

Hoje vamos falar de contorno e iluminação, importantíssimo na definição do rosto! Com essas duas técnicas, podemos destacar os pontos...

Atividades - Horta divertida

Que tal aproveitar os dias de folga para fazer uma horta móvel e orgânica, utilizando material reciclado? Você vai precisar...

A Neblina de São Chico - por Telmo Focht

Na foto, o Lago São Bernardo, em São Francisco de Paula/RS em um dia com muita neblina: Foto de: Cristina...

Promover a cultura é tri - por Karine Klein

No mês que completa seu primeiro triênio, conheça um pouco da filosofia da revista que chegou para transformar a realidade...

Filme - Azul é a Cor Mais Quente

Direção: Abdellatif Kechiche Ano: 2013 Gênero: Drama, Romance Classificação indicativa: 18 anos                                 Em Azul é a Cor Mais Quente, a...

Sapatinho de verniz. Vermelho! - por Rosana Martins

Como sempre bateu pé. A menina queria um sapatinho daqueles. Lindo. De verniz. Vermelho. Como sempre esperou. Pediu. Pediu muitas...

Rincão Poético: Poema de amor - por Cora Coralina

Este é um poema de amor tão meigo, tão terno, tão teu... É uma oferenda aos teus momentos de luta...

Patrocinadores da cultura