Ser águia - Fabrício Safadi

Ser águia - Fabrício Safadi

Em nosso nascedouro - este momento irrecuperável e inatingível em sua totalidade -, já devíamos saber que, apesar dos pesares, nunca é tarde para aprender algo novo em nossa sinuosa estrada em constante manutenção. Entretanto, se soubéssemos disto mais cedo do que o usual, poderíamos deixar de aprender várias fórmulas matemáticas, diversas esquematizações abstratas, inúmeras técnicas de ciclismo que salvaguardassem os nossos joelhos e cotovelos quando crianças. Afinal de contas, esta crendice referida na linha primeira nos faz afirmar a teleologia de nossos saberes.

Em outras palavras, faz com que creiamos na existência de uma confiança depositada sobre a esotérica presunção de nossos sentidos na qual afirma, de forma acintosa, que o futuro deve e vai se encarregar de atualizar nosso manual de instruções com algum novo aprendizado ou lição, como Anjo Gabriel ao pé do ouvido de Maomé.

Neste sentido, enveredando por esta senda, podemos ser vítimas de nosso próprio engodo. O tempo passa, a noite beija o dia, o dia trai a noite em uma adúltera relação com a Lua (muito raramente), e o que temos em mãos é muito pouco perto do que desejávamos.   



Observe-se a águia, este animal imponente, visionário, altivo e orgulhoso, que, certa feita, no inverno de sua vida procura uma altíssima montanha para sacrificar, contra as inanimadas rochas, as feições de suas garras e a protuberância de seu bico amarelo, tal qual o diadema de uma bela princesa. Eis o que devemos saber, mesmo sendo tarde.

O sacrifício dolorido de um animal que se recria com seus movimentos bruscos, vestindo armadura alvinegra, dona de um pescoço branco, tão limpo quanto a áurea de um santo. Exaltações à parte, admiremo-las, enaltecemo-las, aprendamos com elas a arte de renovar-se, a experiência de refletir sobre nossa própria vida. Todos nós precisamos encontrar a rocha da renovação, sem deixar de fora o nosso fio de Ariadne, nosso passaporte para o recomeço de tudo.

Enfim, se o mutismo esvoaçante desse belo pássaro fosse capaz de nos dizer algo em palavras, diria o seguinte: “Sigam em frente!”, “Olhem bem!”, “Pensem no que estão a fazer”, “Em disparada!”, “Sapere Aude!”. Para tanto, diria tudo em alto e bom som, sem referência bibliográfica alguma. Quem é sublime e está tão alto não se importa com as regras daqui de baixo. E com razão.

Fabrício Safadi - Novo Hamburgo, RS

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Visual com Arte: Pintura Corporal - por Caroline Patueli Vargas

Artista: Caroline  Patueli Vargas, Rio de Janeiro/ RJ Caroline é modelo, artista e fotógrafa de suas próprias artes! Leva de 4...

Os oito maiores benefícios do Tai Chi Chuan - por Celina Valderez

Em toda a China, milhares de homens, mulheres e crianças de todas as idades se juntam nos parques das cidades...

Renovação e rotina - por Mercedes Sanchez

Renovação... a palavra mais almejada no começo de um novo ano. Como por arte de magia, colocamos nossa vida na balança...

Onde está a cidadania do brasileiro? - por José Souza

“Cidadão é o indivíduo que, como membro de um Estado, usufrui de direitos civis e políticos garantidos pelo mesmo Estado...

Rincão Poético - Belezas da Minha Terra - por Rafael Jung Machado

São Chico terra queridaRecanto do povo serranoÉs bela por naturezaRefúgio de tantas belezasQue nestes versos declamo Dos Campos de cima da...

Como Higienizar os Pincéis? - por Giulia Aimi

Assim como cuidamos ao escolher quais produtos iremos utilizar em nosso rosto, devemos prestar bastante atenção na higienização dos pincéis...

Golfe - por Amanda Pessôa

Você sabia? Depois de 112 anos ausente das Olímpiadas o Golfe está de volta. O esporte, que estreou na Olímpiada...

400 años de El Quijote - por Elena Cárdenas

“En un lugar de la Mancha de cuyo nombre no quiero acordarme, no ha mucho tiempo que vivía un hidalgo...

Sociedade civil apresenta minuta de lei de proteção de animais

Uma minuta de lei de proteção aos animais foi entregue na tarde desta quarta-feira, 9 de agosto, à advogada do...

Doroty Gale tem razão - por Franco Vasconcellos

Quando pensei em escrever essa crônica, terminava de organizar as coisas no apartamento onde passei a morar. Pensei seriamente em...

Patrocinadores da cultura