Prazer sem culpa - por Cristiane Cichelero Allgayer

Prazer sem culpa - por Cristiane Cichelero Allgayer

Você já parou para pensar o por que, apesar de tanta informação acerca de nutrição e emagrecimento e da enorme variedade de dietas disponíveis, a obesidade continua crescendo assustadoramente? A solução está em avaliar a relação que mantemos com os alimentos e resgatar o prazer de comer.

A nutrição comportamental prega o prazer de comer e o respeito às emoções. Este movimento pode ser a salvação para quem vive brigando com a balança e sabe o quanto é frustrante viver assim.

Certos hábitos alimentares que trazemos de nossa infância evocam “doces lembranças” e o gosto de afeto e emoções vivenciadas, que vão muito além do sabor.

Um movimento recente, teve o seu primeiro workshop em outubro do ano passado, com a finalidade de abordar o assunto com profundidade no Brasil, a Nutrição Comportamental, apoiada por entidades como a Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição (Sban). Um dos questionamentos era o por que, apesar de tanta informação acerca de nutrição e emagrecimento e da enorme variedade de dietas disponíveis, a obesidade continua crescendo assustadoramente. Segundo a Revista científica Lancet, existem 2,1 bilhões de pessoas acima do peso no mundo, quase o triplo do que havia em 1980. O campeão em obesidade é os Estados Unidos, mas o Brasil ocupa um nada honroso quinto lugar. É fácil perceber que algo não funciona: as pessoas perdem peso, recuperam, buscam milagres. A solução está em avaliar a relação que mantemos com os alimentos (daí a palavra comportamental) e resgatar o prazer de comer.



Para muitos de nós, a comida virou sinônimo de dificuldade e estresse. Na melhor das hipóteses, pensamos nela como um pacote de nutrientes e calorias. Na pior delas, simplesmente como calorias. Há exemplos de pessoas que perdem peso facilmente, mas a comida passa a ser adversária. Dietas restritivas podem deixar as pessoas transtornadas. Elas devoram tudo o que aparece pela frente e então sobem na esteira e correm horas. Nosso corpo não é um depósito e não precisa expulsar desta forma o que ingerimos. É a relação com os alimentos que precisa mudar. Considerando que teremos que repor as energias pelo resto de nossas vidas, precisamos criar um vínculo melhor com a comida.

A Nutrição Comportamental não é achismo, ela se ampara em evidências e artigos científicos. Um deles, publicado no periódico americano Journal of de Academy of Nutrition and Dietetics, revelou o alto grau de sucesso de 20 programas nutricionais baseados não na perda de peso, e sim na capacidade de identificar os sinais internos de fome e saciedade, equilibrando cada um deles. De maneira geral, constata o estudo, que houve melhora nos hábitos alimentares e na autoestima. E a perda de peso, que a gente tanto busca, seja por razões estéticas, seja por saúde... Esta vem como resultado, de forma mais consistente, à medida que a pessoa passa a respeitar os sinais do seu corpo e a viver melhor. E se a gente tiver pressa em atingir a meta de peso ou porque nossa saúde está ameaçada… é a hora de pensar na longa jornada de tentativas frustradas de emagrecer que cada pessoa carrega consigo. Então a abordagem passa a fazer mais sentido. Peso, não é um comportamento, é o resultado de comportamentos. E é esta sutileza que faz toda a diferença na Nutrição Comportamental.

Cristiane Cichelero Allgayer
Nutricionista – CRN 5796
Especialista em Nutrição Clínica e Grupoterapia em Mudança do Comportamento Alimentar - UNISINOS

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Nado sincronizado - por Amanda Pessôa

Já pensou nadar, decorar uma coreografia e ainda entrar em sincronia com sua equipe? Esse é o NADO SINCRONIZADO outra...

Torta de Rabanada - por Tânia D’ El Rei Silveira

Ingredientes:- 1/2 xícara (chá) de açúcar;- 01 colher (sopa) de canela em pó;- Manteiga ou margarina para polvilhar;- 02 e...

Torta folhada de carne com legumes - por Filipe Valim Traslatti

Ingredientes: - 400 g carne moída - 01 cebola picada em quadrados grandes - 03 Colheres (S) de massa de...

De volta à escola - por Mercedes Sanchez

Assim como quando iniciamos as férias estávamos cheios de expectativas e ilusões respeito aos dias felizes que nos esperavam, para...

Caminantes - Por los caminos de Santiago de Compostela - por Patrícia Vieira Reis

Desde guria sempre amei viajar. Botar o pé na estrada, desbravar novos lugares e conviver com as diferenças sempre me fascinaram...

Uso dos porquês - por Aline Aguiar

1º caso: Por que Usa-se o porquê separado e sem acento (por que), sempre que houver a possibilidade de substituí-lo pelas...

1. 7 em ação - por Luciane Scalcon

Aos poucos vamos vivendo e caindo no mundo, no mundo real, que apenas aqueles sonhos de formatura, cursar faculdade, ser...

Polo Aquático - por Amanda Pessôa

Parece futebol, mas é jogado com as mãos. Parece voleibol, mas o objetivo é fazer gols. Parece handebol, mas é...

Participação, qualificação do Serviço Público e Governança Democrática - por Márcio Barcelos

Quando se fala em governança, e principalmente boa governança, duas questões são apontadas como as mais importantes atualmente: a participação...

Durma bem com o Feng Shui - por Fabiana Souza

A qualidade do sono é fundamental para a saúde física e mental. Atualmente muitos fatores n aparecem como causadores da...

Patrocinadores da cultura