Dança - por  Lucas Gomes & Thiago Alves

Dança - por Lucas Gomes & Thiago Alves

Dançarina: Daniela Sánchez

Dança

A dança simplesmente existe. Ela não pode ser considerada uma criação humana. Ela compõe com a linguagem corporal uma espécie de "linguagem natural" dos seres vivos. Esses movimentos, para o acasalamento de pássaros ou a briga de búfalos, são orgânicos. O ser humano deu à dança o que de mais próprio nos torna humanos: o símbolo. Dançar passou a ser uma forma de comunicação com o religioso, independente das religiões. Todas possuem certo ritual de linguagem corporal. Dançar era, literalmente, transcender a realidade, encontrar com o divino e tornar-se canal para sua manifestação. Religiões africanas, afro-brasileiras, indígenas e judaico-cristãs mantêm sua linguagem corporal e seus rituais próprios para conectarem-se com Deus. Os registros mais antigos encontrados da dan- ça remetem ao Egito (5000 a.C.) e à Índia (2000 a.C.). No berço da civilização ocidental, Grécia, ao lado do teatro e da música, ela ganhou o status de arte cênica. Russos, chineses, Taitianos ou índios Tupi-Guarani, não importa. Todos possuem suas danças. Dançam para a guerra, para a colheita, para a semeadura, dançam nas fases da lua e na mudança de ano. A conexão com os ciclos da vida faz da dança uma das maiores celebrações da existência. Dançam em grupo, sozinhos e em pares. Essa é uma questão mais delicada para as Samuel Beckett - escritor irlandês. sociedades humanas. A dança mantém, até hoje, o seu caráter de corte e remete, no Ocidente, à Idade Média, aonde o casamento era uma questão da mais alta importância para a sobrevivência dos reinos e manutenção da religião católica. Ela era admitida como uma forma de interação social de prestígio, da aristocracia, enquanto o populacho possuía sua própria dança folclórica. Esse convívio entre homens e mulheres da alta classe política possuía, ao mesmo, tempo um viés matrimonial, fundamental para manter a coesão do reino e da religião que o comandava. Dessa rigorosidade religiosa surgiu uma das danças de maior beleza estética e que se mantém viva ainda hoje, a valsa vienense. Da valsa à polca, dança mais popular (Rose e Jack a dançaram no porão do navio com os imigrantes em Titanic), surgiram uma vasta gama de outros estilos. Deve-se essa explosão de criatividade ao espírito indômito de vira-viras e flamencos ao colonizarem o que hoje constitui a América Latina, com gigantesca contribuição cultural de escravos africanos. O Brasil, no que se refere a sua história particular nessa arte, possui duas vertentes. A primeira, nobre e documentada, relata a vinda da Corte Portuguesa ao Brasil com professores de etiqueta e dança social no séc. XIX. A Gazeta do Rio de Janeiro publicou o primeiro anúncio de aulas de dança, em 13 de julho de 1811. A segunda vertente, mais marginal e sem registros oficiais, inclui o desenvolvimento do Maxixe (precursor do Samba), do Forró, do Chorinho e do Vanerão, entre outros ritmos vindos da América Espanhola que chegaram aqui por intercâmbio cultural, como o Bolero. A dança, longe de todos os delírios interpretativos, promove uma felicidade interna inexplicável. O homem passa a dominar o seu corpo e a se relacionar com o mundo de uma forma inédita. Ela liberta dentro de cada um a energia e as emoções mais escondidas. É o remédio contra os males do coração e não possui contra indicação, uma verdadeira oração.



O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Visual com Arte: Tinta guache - por Isabela Sanchez Huguenin

Autora: Isabela Sanchez Huguenin Desenho com tinta guache Quer ver sua imagem aqui? Envie para info@usinadacultura.com   • Publicado na Revista Usina da...

Quando devo adubar as minhas plantas? - por Roger França

Estamos na primavera, folhas e flores colorindo a paisagem, um período muito lindo e perfumado! Mas, às vezes, algumas plantas...

A Xerife de Getúlio - por Franco Vasconcellos

Brilhante e dourada, habitava certa lapela que passeava pelos corredores do colégio, impondo-se como símbolo de autoridade - e olha...

A que paradigma responde minha maneira de pensar e de viver? - por Mercedes Sanchez

Certamente, vivemos dentro de normas orientadoras, que estabelecem limites e determinam como as pessoas devem viver. Estes paradigmas surgem nas...

Escotismo - por Alejandro Gimer

Movimento de jovens que busca proporcionar oportunidades, para que eles assumam o seu próprio desenvolvimento tornando-se parte da mudança para um...

Silêncio perigoso - por Franco Vasconcellos

Nem se falava em bullying. E a gente se defendia como podia. Me chamo Franco. Na escola, até os doze...

Rincão Poético: Desfolhando - por Angélica Mattos

E eis que o tempo não muito brando, Foi passando, passando, E o vento nada amigo, ventando, ventando, E solitário...

A fotografia de paisagem como forma de arte - por Silvio Kronbauer

Considerada, por muitos, uma forma de expressão artística, a fotografia é hoje uma das mais usadas, e mais bem vistas...

Transgênicos – são bons ou ruins? - por Telmo Focht

Transgênicos são organismos que possuem em seu genoma (o conjunto de seu material genético) um ou mais genes provenientes de...

Visual com Arte: Pintura em tela - por Adriana Borella Pessoa

Técnica: Pintura em tela Mistura de técnicas sobre tela de MDF: textura, imagem, tecido e texto Adriana Borella Pessoa Pedagoga e Arte/educadora -...

Patrocinadores da cultura