Um mistério chamado Monte Roraima - por Aline Pires

Um mistério chamado Monte Roraima - por Aline Pires

As barracas no acampamento do Rio Tek

O Monte Roraima fica na tríplice fronteira entre Brasil, Venezuela e Guiana, um lugarzinho mágico, responsável por inspirar Arthur Conan Doyle e me inspirar também. É incrível, exótico e muito desafiador. É uma espécie de elo perdido, uma amostra de como foi o começo na Terra. Parece que ali o tempo nunca vai passar. É um dos lugares mais antigos do planeta.

Haja pernas, fôlego e espírito para essa aventura que dura aproximadamente uma semana, na qual se caminha em trilhas escorregadias, travessia de rios, e até debaixo de uma cachoeira!!!

Anda-se sem parar, às vezes com frio e chuva, outras sob calor intenso. Dorme-se em sacos de dormir, e come-se somente o suficiente para dar energia. Além, claro, de carregar consigo o peso de uma mochila nas costas durante todo o sobe e desce.



A caminhada começa na aldeia indígena chamada Paraitepuy. No primeiro dia atingimos o Rio Tek. Na manhã seguinte subimos até a base da montanha, 1.800m de altitude.

No terceiro dia o esforço é dobrado. Subimos muito até alcançar o topo a 2700m e procurar uma caverna, os chamados “hotéis”, para acampar. A descida é bem mais complicada que a subida, o esforço que os joelhos fazem pra segurar o peso do corpo e da mochila é intenso e é onde as dores surgem.

Todo o esforço é recompensado por uma vista fascinante durante o trajeto e mais ainda quando atingimos o topo, onde encontramos formas de vida únicas, que nunca veríamos em outro lugar. O sapinho minúsculo, as jacuzzis naturais, a janela que dá a vista mais bonita do abismo. Estar acima das nuvens, literalmente... São coisas que pagam todo o esforço despendido no trekking.


Visão do topo do Monte Roraima

Quem decide conhecer o Monte experimentará um processo de autoconhecimento único. É importante conhecer bem as pessoas que farão companhia, pelas dificuldades enfrentadas, o pior e o melhor do ser humano são postos a prova o tempo todo. Eu fui privilegiada, viajei com duas amigas que sintonizam comigo como poucos e não escolheria parceria diferente para essa aventura. A mistura de isolamento da sociedade e contemplação da natureza, os pequenos prazeres de saciar necessidades como a sede e fome, a aproximação das pessoas e do como fazem com que sintamos sensações ímpares.


Jacuzzi naturais no topo do Monte Roraima





 • Publicado na Revista Usina da Cultura - número 14 - Junho de 2014

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Música - Viagem interestelar - BIKE lança seu "1943" na íntegra

A banda Bike se atira às investidas psicodélicas de Julito Cavalcante (também baixista do Macaco Bong) no lançamento do disco...

El otoño y la Oktoberfest - por Elena Cárdenas

El otoño ya ha llegado a la ciudad y con él el viento, las lluvias y los cambios de color...

Rocambole ou Torta de Arroz - por Tânia D’ El Rei Silveira

Ingredientes 2 copos de arroz cozido (aproveite as sobras) 1⁄2 copo de leite 3 ovos 1⁄2 copo de farinha de trigo1⁄2...

Punta del Este: A “Las Vegas” da América do Sul! - por Gilmar Hinchinck

Conhecer Punta del Este é mais fácil do que imaginamos. Pode-se visitá-la tranquilamente de carro, levando cerca de 12 horas...

São Jorge, Goiás - por Glauber Vieira Ferreira

São Jorge é um povoado do norte goiano, pertencente à Alto Paraíso de Goiás. Não chega a mil habitantes e...

Visual com Arte: Pintura em tela - por Adriana Borella Pessoa

Técnica: Pintura em tela Mistura de técnicas sobre tela de MDF: textura, imagem, tecido e texto Adriana Borella Pessoa Pedagoga e Arte/educadora -...

Ressocializar e fazer o bem - por Karine Klein

Crédito foto principal: Silvio Kronbauer -  Parceria entre a ONG Amigos de Rua e o Presídio de São Francisco de Paula...

“Se você não parar com isso, vai apanhar...” - por Thainá Rocha

Uma introdução ao tema O assunto de hoje (e dos nossos próximos bate-papos) buscará refletir a respeito da tão polêmica pergunta...

São Francisco de Paula no Miss RS Plus Size

O Miss RS Plus Size apenas afirma: todas as mulheres são belas, independentemente de sua idade, peso, classe social ou...

As luzes ainda estão acesas - por Elena Cárdenas

Feliz Ano Novo! Já estamos em 2015 e a imagem das festas natalinas está, ainda, muito forte em nossa memória. Continuamos...

Patrocinadores da cultura