Rincão Poético: Terra querida - por Edvaldo Randelli

Rincão Poético: Terra querida - por Edvaldo Randelli

E é em seus verdes azulados que me banho, mato a sede e restauro minha alma. 
É em seus tons rosas apessegados que sacio nos de carinhos.
E nos suaves amarelos de Trigo, a Amo, e contigo ou solito danço com a luz da lua neles refletidos.
Embriago-me assim com tamanha beleza de todo seu ser, adormeço quietinho em pureza de ser, sentir e estar.
Deus te Abençoe Rio Grande do Sul terra querida.

Edvaldo Randelli
Cambará do Sul/ RS



•Publicado na Revista Usina da Cultura - número 25 - Junho de 2015

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Rincão Poético: Noite de Frio - por Antônio Moacir Oliveira

É noite de inverno E a neve acumulando Eu ouço um gemido É o bugio que tá roncando Eu ouço...

Fotografia - Filtros fotográficos - por Silvio Kronbauer

Foto: mesma cena sem e com o filtro polarizador Nesta edição vamos abordar os filtros fotográficos. Desde a era analógica, os...

Para se falar em Educação, é necessário chegar à raiz da questão! - por Aline Aguiar

Para se falar em Educação, é necessário chegar à raiz da questão! Li um artigo do professor, linguista e escritor, Marcos...

Primeira casinha entregue - por Rita Maganini

Na última sexta, 19, os presos participantes do Projeto “Casa para Todos” do Presídio Estadual de São Francisco de Paula...

Gabinete da Primeira-Dama de Gramado leva tema de violência contra a mulher para as escolas

Com o objetivo de trabalhar a prevenção da violência contra a mulher e promover a igualdade de gênero, o Gabinete...

Caldinho de Ervilha


Para estes dias de frio, um caldinho de ervilha cai super bem! Saudável, nutritivo e fácil de preparar. Ingredientes: • 1 e...

Rincão Poético: Faz frio... É tarde... A rua está deserta. - por Mário Campello

Faz frio... É tarde... A rua está deserta...  Um homem de casaca, lentamente passa, alheio ao frio que toda a...

Atitude

Texto: Autor desconhecido Um pai e seu filho caminhavam pelas montanhas. De repente, o menino caiu e, ferido, chorou. Auuuu!Para sua surpresa...

4.0 (a hora do desassossego) - por Franco Vasconcellos

Achava que quando fosse um velho, de quarenta anos, estaria entregue às baratas. Já contei pra vocês que nem lembro...

Sapatinho de verniz. Vermelho! - por Rosana Martins

Como sempre bateu pé. A menina queria um sapatinho daqueles. Lindo. De verniz. Vermelho. Como sempre esperou. Pediu. Pediu muitas...

Patrocinadores da cultura