Sobre a responsabilidade ante o pensamento - por Lucas Rodrigues

Sobre a responsabilidade ante o pensamento - por Lucas Rodrigues

“Um asno pode ser trágico? – Pode-se perecer sob uma carga que não se pode carregar nem lançar por terra?... O caso do filósofo.” ¹

Nietzsche e inúmeros outros filósofos da história sabiam o quanto custa ao ser humano pensar. Digo pensar aqui não apenas no sentido do constante trabalho desordenado do cérebro, mas no sentido de construir e avaliar ideias, conceitos e valores que muitas vezes levamos para vida. Se há algo que a cultura trouxe ao homem foi comodidade quanto ao desconforto de pensar, pois por natureza o cérebro humano é preguiçoso e adora repetir padrões e receber tudo pronto. Dissonâncias cognitivas, ou seja, a contraposição de ideias está longe de ser o que a mente mais aprecia (dá trabalho e custa tempo). Com os mitos e superstições, a cultura já nos primórdios da civilização, poupava o homem de tamanha dor de cabeça, lhe dando um conjunto pronto de valores e ideais para vida toda. 

Logicamente, a cultura se modificava e moldava novos conceitos com o passar do tempo. Mas se houve algo que sempre custou acontecer na história da humanidade, foi a transcendência das sólidas estruturas levantadas por esta bagagem de crenças que a cultura legava aos membros da civilização. Levou tempo para que aparecessem as primeiras pedras no sapato da herança cultural. E basta olhar algumas poucas décadas atrás para vermos como recentemente ainda éramos infestados por tabus e ideias que hoje nos parecem ridículas. Mas a questão que permanece, é que a cultura sempre irá cercar a sociedade, variando seus conceitos no mundo afora, mas ela estará lá para ditar aquilo que as pessoas prezam, acreditam e defendem. 



Tendo em mente tudo isto, logo fica clara nossa responsabilidade mediante o legado cultural que nos é transmitido, bem como as revoluções que propagamos nele ao decorrer de nossa geração, pois as modificações que faremos afetarão os que virão depois de nós. É importante avaliar corretamente os pontos constituintes da cultura que nos cerca, pois se não pensamos com a devida seriedade, se somos levianos em pesar o valor das coisas, logo estaremos inseridos em um de dois extremos: ou estaremos defendendo coisas que mal compreendemos (conformismo – porque herdamos da cultura); ou estaremos destruindo aquilo que nem mesmo sabemos como se formou e qual o impacto que isto terá.

Buscar conhecimento, corroborar as informações que nos são transmitidas e ter o cuidado de não sair defendendo ideais simplesmente porque nos parecem convenientes, são passos básicos na direção de uma forma saudável de pensar e avaliar a cultura. 

Mutações ocorrerão na sociedade, sempre foi assim. Mas deve-se ter cuidado para que a presunção juvenil ou a energia do desejo de mudança não venham a pavimentar caminhos tortuosos e desordenados. Pensar no sentido filosófico custa caro, mas vale a pena. Não ignoremos o passado para que não repitamos erros já cometidos, nem desprezemos a herança que a atual cultura nos entregou nas mãos. Mas também não nos conformemos com o que já existe para não nos tornarmos estáticos esquecendo-nos do que é um dos mais preciosos dons do ser humano: a capacidade de raciocinar e decidir não apenas seu futuro, mas também o da cultura e de toda sociedade. 

¹ NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm, Crepúsculo dos ídolos, página 19.

Lucas Matias Ávila Rodrigues
Três Coroas/ RS

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Rincão Poético: A vida é linda - por Milena Castilhos

A vida é linda: O lindo pairar De um beija-flor, O lindo som De um beijo de amor O lindo olhar...

Caminando en un sueño - por Elena Cárdenas

Cuando se vive en una ciudad nueva es inevitable sentirse emocionado a cada momento, cada día te sientes como si...

Rincão Poético: Usina da cultura, fábrica de sonhos - por Valdecir Minuscoli

Usina da cultura Fabrica de sonhos Páginas de aventuras Viagem ao centro da alma Buscando conhecimento Mistura entretenimento Com um...

Mar ou montanha? Os dois - por Luciana Pontes

Em Lisboa, convivi com cabo verdianos muito legais. Então, quando surgiu a questão “Onde será nossa lua de mel?”, nem...

Corrida de Rua! - por Amanda Pessôa

A corrida de rua vem tendo um aumento significativo de praticantes em todo o Brasil, por ser um esporte relativamente...

Picolé de frutas

Gostoso, saudável e refrescante!!  Ingredientes: 01 pêssego cortado ao meio 02 kiwis descascados e cortados em fatias Pedaços de manga 3/4 de...

Tipos e qualidade da luz - por Silvio Kronbauer

Quando se fala em fotografia, é imprescindível falar em luz, afinal “fotografar” é registrar a luz. Então, é válida aquela...

Ponto de vista - por Maria Lucia da Silva Teixeira

Orgulhar-se de nossa terra, honrar suas tradições, resgatar sua história e sua cultura é muito mais do que uma satisfação...

A Arte do Acaso - por Alexandre Kury Port

A vida nos surpreende a cada dia, se organiza e reorganiza, seja de forma caótica ou exemplar. Sempre que temos...

A feira do livro 2017 de São Chico já começou!

Ontem foi inaugurada a 19a Feira do Livro de São Francisco de Paula, que contou com a participação da comunidade...

Patrocinadores da cultura