Mãe Reflorestadora - por Liti Belinha Rheinheimer

Mãe Reflorestadora - por Liti Belinha Rheinheimer

Quando eu era criança, nossa família vivia num sítio. Década de 1930 a 1950, em Gramado. Em 1930, meus pais e irmãos mais velhos foram extrativistas, isto é, tiravam da terra o que a natureza lhes dera até então. Caminhões e mais caminhões levavam a madeira e os xaxins que havia em profusão. Para as vacas leiteiras e cavalos foi feita uma invernada. Eles se alimentavam das gramas e pequenos arbustos e inços entre as árvores altas. 

A partir de 1940, como colonos, ajudados por peões,  plantavam-se muitos tipos de plantas, como: milho, batatas, pessegueiros, macieiras, pereiras, laranjeiras, amoras, framboesas, vimes. Estas plantações, além de pasto para vacas, cavalos, porcos, galináceos davam o sustento à família e empregados.

Minhas irmãs e eu, por sermos meninas, o que dificultava o trabalho pesado da lavoura, “fomos saídas” para parentes de cidades para estudar e ter futuramente uma profissão.

Assim, tornei-me professora. Durante muitos anos, poucas vezes retornei ao lar, apenas para curtir férias.



As pessoas da família foram desaparecendo como por encanto. Faleciam. Leis vieram. A estrutura do sítio mudou. Não mais havia família como antes, nem empregados.

Um dia, lá pelos anos de 2010, andando pelas terras, vi uma infinidade de jovens araucárias, copadas, mais altas que eu. Algumas em linha reta. Como surgiram ali?

Minha irmã, ao meu lado, que morou com nossos pais por mais tempo que eu, respondeu: 

- Lá pelos anos de  1980, mais ou menos, nossa mãe quis reflorestar. Plantou estas árvores. Ela foi esperta. Sabia que as araucárias são frágeis no desenvolvimento, por isso colocou os pinhões ao lado dos moirões (postes) das cercas da invernada. Assim, o gado não pisaria os brotos e as árvores poderiam crescer.

Isto foi o que realmente aconteceu. Lágrimas vieram aos meus olhos. Imaginei minha mãe, aos 75 anos,  colocando aqueles pinhões no lado de cada moirão ao redor da invernada. Alguns não vingaram, claro, mas uma infinidade de pinheiros, agora com 30 anos, parece que agradecem o gesto anônimo de uma velhinha que lhes deu a vida.

Atualmente, leis proíbem o corte das araucárias, por isso aquelas árvores podem crescer sem susto.

Liti Belinha Rheinheimer

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

A seleção - 1º volume • 
Kiera Cass - por Isabela Sanchez

America Singer foi escolhida para participar na Seleção e não está gostando da ideia de entrar em uma disputa por...

Música - Lara & Jackpot Band - Ride around in trouble!

Lara & Jackpot Band, banda que iniciou seus trabalhos há poucos meses atrás com um single poderoso, elogiado no estúdio...

Mar ou montanha? Os dois - por Luciana Pontes

Em Lisboa, convivi com cabo verdianos muito legais. Então, quando surgiu a questão “Onde será nossa lua de mel?”, nem...

“Se você não parar com isso, vai apanhar...” • Parte II - por Thainá Rocha

Dando continuidade ao tema da última postagem, hoje quero lançar outras reflexões antes de dar início à parte prática do...

O Uso de Altares no Feng Shui - por Fabiana Souza

Embora o Feng Shui Tradicional não esteja associado a nenhuma religião em especial, sabemos que o Budismo e o Taoísmo...

Aplicando Blush - por Giulia Aimi

O blush é um dos itens mais delicados na hora de finalizar a make. É muito fácil ficar com aquela...

Museu de Arte Contemporânea de Niterói (MAC)

Obra de Oscar Niemeyer, quem em 2006 diz: “Como é fácil explicar este projeto! Lembro quando fui ver o local. O...

Um toque românico no ambiente para celebrar o amor - por Fabiana Souza

Que tal preparar a casa para celebrar o amor? Aqui vão algumas dicas para você compor a decoração da sua...

Semana Mundial da Amamentação/Agosto Dourado - por Celina Valderez

Desde 1992, o planeta celebra a Semana Mundial de Aleitamento Materno, entre os dias 1 e 7 de agosto. A...

Música - Catavento

A Catavento, formada por Leonardo Rech (guitarra/voz), Leonardo Lucena (guitarra/voz), Eduardo Panozzo (baixo/voz), Lucas Bustince (bateria) e Johhny Boaventura (teclas/voz)...

Patrocinadores da cultura