Festival de Bonecos de Canela comemora sucesso desta edição e prepara a trigésima

Festival de Bonecos de Canela comemora sucesso desta edição e prepara a trigésima

Foram 9 dias de muita cultura, espetáculos, debates e integração, no Festival Internacional de Teatro de Bonecos, em Canela, que ocorreu de 07 a 15 de outubro.

O sol apareceu para oportunizar um grande encerramento ao Bonecos Canela, com espetáculos de rua e um grande desfile, neste domingo. Apesar da chuva, na sexta-feira e no sábado, que fez com que a organização transferisse os espetáculos que deveriam ser apresentados na rua para os teatros da cidade, o saldo do evento é positivo.  Foram mais de 40 atrações voltadas para o público adulto e infantil e também bonequeiros. Segundo a organização cerca de 15 mil pessoas passaram pelo evento, que contou com 16 companhias de teatro de bonecos gaúchas, nacionais e internacionais. O investimento para a realização do Festival foi de 442 mil reais.

O teatro de bonecos, em sua maioria, conta com espetáculos irreverentes, lúdicos, nostálgicos, alegres, envolventes e  clássicos inesquecíveis. Os manipuladores, com suas criações, que parecem ter alma, chamaram atenção e agradaram o público, em Canela, com bonecos de fios, de luvas, de sombras, com manipulação direta, projeção 3D, mídias tecnológicas, com bonecos grandes, pequenos, minúsculos, representando bebês, velhos, mulheres, homens e até animais, nos palcos, na rua e em caixas de lambe-lambe.

A coordenadora do Bonecos Canela Lisiane Berti avalia esta  edição, comentando “29 anos ... 29 possibilidades diferentes de discutir e fomentar a arte do teatro de bonecos. Canela desponta, mais uma vez, no cenário cultural por insistir e resistir realizando este festival, tão importante, integrando comunidade, bonequeiros do mundo todo e artistas locais. Este ano a discussão proposta de Diálogos entre bonecos e tecnologias propiciou ao público assistir grandes montagens com recursos tecnológicos como os romenos de Gulliver ou a Cia de Pernas Pro Ar com Automákina, ou como temática no caso de "Entre Janelas" da Tato Cênica de Curitiba, ou de No'ones Land da Merlim Puppet Theatre da Grécia e a solidão de um espantalho numa terra de ninguém que emocionou o público. Falar do festival é falar de emoção, magia, encanto e ludicidade. E é sempre bom fazer parte deste festival... “. Lisi ainda cita Javier Villafañe, o grande mestre bonequeiro, que certa vez escreveu: “Como um títere, um boneco, pode comovernos profudamente? O que ele tem que o faz humano sem sê-lo? Ou melhor, que segredos esconde a arte do titiritero que uma ou outra vez, em um povo perdido chega por diversos caminhos, por terra, no pátio de uma escola ou em um teatro de uma grande cidade, convoca as crianças e adultos a reunirem-se e torno deles com histórias e personagens que tocam fundo no coração dos espectadores?”

Com os olhos voltados para a 30ª edição do evento, os organizadores já pensam em algumas novidades para o ano que vem, entre elas exposições, lançamento do livro contando a historia dos 30 anos e mais opções de oficinas para bonequeiros e público infantil e adulto, além de um selo comemorativo, anunciado pelo Superintendente Estadual de Operações dos Correios Rogério Saraiva de Azambuja, na noite de abertura do evento. Em 2018, o Festival ocorrerá de 12 a 21 de outubro.

O Bonecos Canela é uma realização da Fundação Cultural, com patrocínio máster dos Correios e Petrobras e, apoio da Prefeitura Municipal de Canela, através do Conselho Municipal de Políticas Culturais.

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

São Jorge, Goiás - por Glauber Vieira Ferreira

São Jorge é um povoado do norte goiano, pertencente à Alto Paraíso de Goiás. Não chega a mil habitantes e...

Demaquilei os olhos, mas e o rosto? - por Giulia Aimi

Olá bonitezas! Dando continuidade à nossa coluna do mês passado, vou explicar para vocês como demaquilar a pele (base, corretivo...

Espectador x Expectador - por Aline Aguiar

Espectador é aquele que vê ou assiste. Expectador é aquele que espera que alguma coisa aconteça, que tem expectativa. Veja...

Campos de Cima da Serra – um lugar para ver e se encantar - por Telmo Focht

Esta região está situada no nordeste do Rio Grande do Sul, em altitudes entre 900 metros, a oeste, e 1.200...

Dicionário informal - por Cássio Schaefer

Simples amigo... Existira amor nessa cidade? A que ponto deixamos o amor acabar, ou a temida paixão  Hoje, falar de...

O menino que Morava na Nuvem - por Luciana Neves

Livro O Menino que Morava na Nuvem aborda adoção de forma leve. A publicação chega à segunda edição como boa opção para...

Dança - por Lucas Gomes & Thiago Alves

Dançarina: Daniela Sánchez A dança simplesmente existe. Ela não pode ser considerada uma criação humana. Ela compõe com a linguagem corporal...

Encontros do Quadrante Patrulhense - por Gesmar Borges

Os 78 municípios desmembrados de Santo Antônio da Patrulha têm efetuado encontros para recapitularem suas experiências. O Quadrante Patrulhense é...

Haja vista que - por Aline Aguiar

A expressão “haja vista que” não varia em número e gênero e pode ser substituída por “tendo em vista”. Exemplo: Passar...

Argentina - País de cultura hermana - por Karine Vasem Klein

Na última edição relatei um pouco sobre como foi conhecer o Deserto de Atacama, no Chile. Tão impressionante quanto o...

Patrocinadores da cultura