A cidade dos resmungos

A cidade dos resmungos

Era uma vez um lugar chamado Cidade dos Resmungos, onde todos resmungavam. No verão, resmungavam que estava muito quente. No inverno, que estava muito frio, ou porque tinha sol ou estava nublado.
Queixavam-se uns dos outros: os pais, dos filhos; os irmãos, das irmãs. Todos tinham um problema, e todos reclamavam.
Um dia chegou à cidade um mascate carregando um enorme cesto às costas. Ao perceber toda aquela inquietação, pôs o cesto no chão e gritou:
- Ó cidadãos deste belo lugar! Os campos estão abarrotados de trigo, os pomares carregados de frutas. As cordilheiras estão cobertas de florestas espessas e os vales banhados por rios profundos. Jamais vi um lugar abençoado por tantas conveniências e tamanha abundância. Por que tanta insatisfação? Aproximem-se e eu lhes mostrarei o caminho para a felicidade.
As pessoas riram que alguém como ele pudesse mostrar-lhes como ser feliz. Mas enquanto riam, ele puxou uma corda comprida do cesto e a esticou entre os dois postes na praça da cidade. Então gritou:
- Aqueles que estiverem insatisfeitos escrevam seus problemas num pedaço de papel e ponham dentro deste cesto. Trocarei seus problemas por felicidade!
A multidão se aglomerou ao seu redor. Todos queriam se livrar dos problemas. Cada um rabiscou sua queixa num pedaço de papel e jogou no cesto.
Depois de pendurar todos os problemas na corda, o mascate disse: Agora cada um de vocês deve retirar desta linha mágica o menor problema que puder encontrar.
Todos correram para examinar os problemas. Procuraram, manusearam os pedaços de papel e ponderaram, cada qual tentando escolher o menor problema. Depois de algum tempo a corda estava vazia. Eis que cada um segurava o mesmíssimo problema que havia colocado no cesto. Cada pessoa havia escolhido os seu próprio problema, julgando ser ele o menor da corda.
Daí por diante, o povo daquela cidade deixou de resmungar o tempo todo. E sempre que alguém sentia o desejo de resmungar ou reclamar, pensava no mascate e na sua corda mágica.



 Texto: Autor desconhecido

• Publicado na Revista Usina da Cultura - número 15 - Julho de 2014  

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Daria um filme (A ida) - por Franco Vasconcellos

Seguidamente, ao contar alguma das minhas histórias, ouço alguém dizer: “Bah... daria um filme!”. Muitas vezes, eu concordo. Essa que...

Sabia que?

... A maior ponte do mundo fica na China e possui 42 km de extensão? A ponte Qingdao Haiwan faz...

Lago Ness - por Juliano Pinto Guimarães

Resolvemos dar a volta no Lago Ness, eu e meu amigo Ronaldo. O lago fica no norte da Escócia e...

3 Mitos sobre a depressão - por Ana Cruz

A depressão não surge do nada, nem nasce do vácuo. Tão pouco tem a ver com falha de personalidade. As...

Livro - Heranças de Família

Annabeth, que tinha uma rotina tranquila como organizadora de eventos em Nova York, vê a sua vida mudar completamente quando...

Prevenindo as complicações do câncer de próstata: Novembro azul! - por Luisa Braga Jorge

No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens. Mais do que qualquer outro tipo...

Rincão Poético: O que se passa na cabeça de um gato? - por Gustavo Malagigi

Foto: Livia Duarte O que se passa na cabeça de um gato É o que buscam os humanos, sem saberPois um...

Métodos de esterilização em animais de companhia - por Bárbara Castagna Lovato

Em várias cidades é alarmante a população de animais de rua. A castração de cães e gatos é de suma...

Rincão Poético: Flores - Gustavo Malagigi

Queres flores?  Vai procurar nalgum quintal Deixei-te, certo dia, declarações, amores E tu descartaste tal qual Coisa sem valor Coisa...

De volta à escola - por Mercedes Sanchez

Assim como quando iniciamos as férias estávamos cheios de expectativas e ilusões respeito aos dias felizes que nos esperavam, para...

Patrocinadores da cultura