A cidade dos resmungos

A cidade dos resmungos

Era uma vez um lugar chamado Cidade dos Resmungos, onde todos resmungavam. No verão, resmungavam que estava muito quente. No inverno, que estava muito frio, ou porque tinha sol ou estava nublado.
Queixavam-se uns dos outros: os pais, dos filhos; os irmãos, das irmãs. Todos tinham um problema, e todos reclamavam.
Um dia chegou à cidade um mascate carregando um enorme cesto às costas. Ao perceber toda aquela inquietação, pôs o cesto no chão e gritou:
- Ó cidadãos deste belo lugar! Os campos estão abarrotados de trigo, os pomares carregados de frutas. As cordilheiras estão cobertas de florestas espessas e os vales banhados por rios profundos. Jamais vi um lugar abençoado por tantas conveniências e tamanha abundância. Por que tanta insatisfação? Aproximem-se e eu lhes mostrarei o caminho para a felicidade.
As pessoas riram que alguém como ele pudesse mostrar-lhes como ser feliz. Mas enquanto riam, ele puxou uma corda comprida do cesto e a esticou entre os dois postes na praça da cidade. Então gritou:
- Aqueles que estiverem insatisfeitos escrevam seus problemas num pedaço de papel e ponham dentro deste cesto. Trocarei seus problemas por felicidade!
A multidão se aglomerou ao seu redor. Todos queriam se livrar dos problemas. Cada um rabiscou sua queixa num pedaço de papel e jogou no cesto.
Depois de pendurar todos os problemas na corda, o mascate disse: Agora cada um de vocês deve retirar desta linha mágica o menor problema que puder encontrar.
Todos correram para examinar os problemas. Procuraram, manusearam os pedaços de papel e ponderaram, cada qual tentando escolher o menor problema. Depois de algum tempo a corda estava vazia. Eis que cada um segurava o mesmíssimo problema que havia colocado no cesto. Cada pessoa havia escolhido os seu próprio problema, julgando ser ele o menor da corda.
Daí por diante, o povo daquela cidade deixou de resmungar o tempo todo. E sempre que alguém sentia o desejo de resmungar ou reclamar, pensava no mascate e na sua corda mágica.



 Texto: Autor desconhecido

• Publicado na Revista Usina da Cultura - número 15 - Julho de 2014  

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Atividades - Fabrique seu próprio gás hélio para os balões!

  Você vai precisar de· 1 garrafa de plástico de 1 litro· Balões· 3 colheres (chá) de bicarbonato de sódio ·...

Cuidados Especiais com gás de cozinha - GLP

O GLP, ou gás de cozinha, tem sido o segundo maior causador de incêndios nos lares, muitas vezes por uso...

Livro - Vingança Mortal

Ao receber uma ligação sobre a morte de sua melhor amiga, Brenda volta a sua cidade natal, Lageado Grande. Lá...

Turismo natural como vocação serrana - por Karine Klein

As opções de lazer natural são muito procuradas aqui em São Francisco de Paula, já que a natureza presenteou esta...

Já é quase 2.015 - por Franco Vasconcellos

Há alguns dias, aguardamos o sorteio da Mega da Virada, comemos lentilhas, bebemos espumante... fizemos resoluções... Entramos em 2.014 com a...

Soufflé de Chocolate - por Leonardo dos Santos

Ingredientes: •1 xíc. (chá) de Leite integral • 40g de Farinha de trigo • 40g de Manteiga sem sal • 120g...

Educação Ambiental Não Escolar: uma demanda aquém do seu tempo - por Fernando J. Soares

A educação como fenômeno social, em sua origem, sua trajetória histórica e sua concepção mais simples, foi e ainda é...

Sabia que...

... A gravidez psicológica pode estender-se pelos mesmos nove meses da gravidez real se não for tratada? Conhecida clinicamente como...

Ecologia Profunda • mudando paradigmas - por Telmo Focht

Antes de iniciar, e para esclarecer, um paradigma é um modelo, um padrão, em qualquer área ou ramo do conhecimento...

A maçã e a seda azul, o balão e a laranjinha - por Franco Vasconcellos

Já comentei várias vezes, em conversas com amigos queridos, das saudades que tenho de algumas coisas. Nessa semana, ouvi uma...

Patrocinadores da cultura