Humanização do nascimento - por Ricardo Herbert Jones

Humanização do nascimento - por Ricardo Herbert Jones

A atenção humanizada se apoia sobre um tripé conceitual, que tem como base o respeito aos desejos, aspirações e vontades da mulher na condução de seu parto, desde a gestação até o estágio posterior ao nascimento. 

A humanização do nascimento tem se tornado fonte de grandes debates no cenário da atenção ao parto exatamente porque ela estabelece uma crítica aos pressupostos que historicamente governavam o cuidado com este momento tão delicado da vida de uma mulher e o início da existência de todos nós. Muitas são as formas de entender o que esta corrente do pensamento significa para a cultura, e mesmo quais são os limites de atuação dos profissionais que atuam nesta esfera conceitual. Para evitar confusões, consideramos que a atenção humanizada se apoia sobre um tripé conceitual, a saber:  

1 - O protagonismo restituído à mulher, fazendo dela a condutora do processo, que só poderá ocorrer de acordo com seus desejos, aspirações e vontades. Cabe aos cuidadores serem instâncias consultivas, de suporte e aconselhamento, agindo apenas quando o processo se distancia da fisiologia e estabelece riscos para o binômio mãe-bebê.

2 - A visão interdisciplinar, colaborativa e integrativa do processo de nascimento, alargando o seu entendimento para além da visão biologizante e mecanicista, observando-o como um evento humano e subjetivo

3 - Uma vinculação visceral com a medicina baseada em evidências, demonstrando que as propostas desta visão sobre o parto estão assentadas sobre a rocha firme da razão e da ciência, e não se constituem em uma visão romântica sobre um processo vital e significativo na cultura.

Assim, os chamados “humanistas do nascimento” são profissionais que se esmeram em produzir uma prática alicerçada na autonomia das mulheres sobre seu corpos e destinos, ao mesmo tempo que procuram oferecer o cuidado mais abrangente e mais cientificamente embasado para elas. Também é tarefa destes a educação para o nascimento fisiológico, procurando desfazer mitos e ideias errôneas historicamente disseminadas pelos milênios de visão patriarcal a embaçar a real habilidade feminina de gestar e parir com confiança e segurança. É tarefa de todos que buscam um parto mais seguro orientar as mulheres no caminho mais seguro e empoderador sobre este evento.



--- LEIA TAMBÉM YOGA NA GESTAÇÃO ---

Por outro lado, tentar convencer mulheres a parir de parto normal não passa de um colonialismo intelectual e afetivo, um proselitismo inútil e anacrônico, que desconsidera a capacidade das mulheres de fazerem escolhas corretas diante de informações corretas e precisas. Humanização do nascimento é uma ideia a ser exposta, jamais imposta. Não nos cabe agir autoritariamente, desreconhecendo sua subjetividade e o direito de escolher seus próprios caminhos. Em longo prazo torna-se muito mais efetivo direcionar nossos esforços para as mulheres que realmente desejam parir, lembrando que “desejar” é diferente de “querer”. O “desejar” se relaciona com as emoções mais densas, que brotam dos estratos abissais do inconsciente, regulados pela bruma diáfana de nossas experiências mais remotas. O “querer“, por seu turno, é consciente e superficial, racional e objetivo, portanto, enganoso, pois nossa mente frequentemente burla nossas vontades mais profundas.

Fazer pressão em nome de NOSSAS convicções é um desrespeito à liberdade alheia.

Para estas que demonstram sua vinculação afetiva, psicológica e espiritual com o nascimento fisiológico devemos devotar nosso tempo e nossa arte. Para as que estão em dúvida e demonstram vontade de aprender e se informar, todo o esforço de conscientização dos benefícios do parto normal é válido. Todavia, para aquelas cuja decisão pela cesariana já fez casa em seus corações só nos resta desejar o melhor resultado possível para os desafios de uma cirurgia.

Ricardo Herbert Jones
Obstetrícia - Ginecologia - Homeopatia
ReHuNa - Rede pela Humanização do Parto e Nascimento - Brasil

 

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Vamos refletir! - por Mercedes Sanchez

Chegam a festas de fim de ano e a hora de fazer uma reflexão de como vivemos o ano que...

Batalha dos Porongos - Uma data histórica, recheada de dúvidas... - por Léo Ribeiro

No último dia 14 de novembro comemorou-se 170 anos de um fato histórico, político e social de muita relevância dentro...

Projeto São Chico Formando Campeões

Esta manhã São Chico acordou ensolarada e cheia de expectativas. O goleiro do Grêmio, Bruno Grassi veio para apadrinhar o...

Rincão Poético: Beleza - por Esther Luisa Guthartz

Belo é o dia que nasce, Como a flor que desponta em botão. Trazendo promessas de luz e aromas, ...

A adolescência saudável e a prática de exercícios - por Mercedes Sanchez

Qual o adolescente que não se preocupa com sua forma física, sua aparência, seu estado de ânimo e com sentir-se...

Cartagena das Índias - por Cristiane Serpa

Cartagena das Índias fica à beira do mar do Caribe. A primeira visão que tive foi da Cidade Amuralhada, parte antiga de...

Mãe Reflorestadora - por Liti Belinha Rheinheimer

Quando eu era criança, nossa família vivia num sítio. Década de 1930 a 1950, em Gramado. Em 1930, meus pais...

Estada x Estadia - por Aline Aguiar

Usa-se a palavra estada para a permanência de pessoas ou animais.  E estadia para a permanência de veículos, por exemplo. A...

Chutando o pau da barraca - por Franco Vasconcellos

Quando tinha apenas catorze anos, assisti “O cozinheiro, o ladrão, sua mulher e o amante”, rotulado como comédia dramática. Eu...

Espécies exóticas e invasoras – uma ameaça real - por Telmo Focht

Exótica, ou introduzida, tem origem em outro ambiente ou região, mesmo que a origem e o destino estejam localizados dentro...

Patrocinadores da cultura