Lago Ness - por Juliano Pinto Guimarães

Lago Ness - por Juliano Pinto Guimarães

Resolvemos dar a volta no Lago Ness, eu e meu amigo Ronaldo. O lago fica no norte da Escócia e se estende por 36 km, cruzando a região chamada “Highlands” (Terras Altas). Formado na última era glacial, esse lago de águas frias, turvas e profundas encerra uma beleza particular, junto com montanhas de picos nevados, bosques e pequenas vilas, compõe um cenário mágico e misterioso.

Começamos nossa viagem na cidade de Inverness, famosa pelos “Highland Games”, uma competição onde homens de porte avantajado carregam toras gigantes morro acima na maior friagem, sempre vestindo seus lindos kilts (saias tradicionais).

Iniciamos a volta ao lago, que seria nosso companheiro pelos próximos 100 km. Relaxamos numa praia de pedras fininhas, compartilhada conosco sem muito protesto pelos patos locais. De lá, entramos em um bosque lindo, esquilos vermelhos corriam e olhavam curiosos. Sem querer, pulamos uma cancela e avistamos um gramado enorme e então, um castelo. Não havia ninguém... sentamos nos banquinhos do jardim, cevei um mate e nos declaramos reis. Mas, logo veio a nós um segurança com três belos e enormes cachorros, que, ignorante da nova dinastia instalada ali, arruinou nossos planos de ocupação e usucapião.

{loadmodule mod_custom,Banner adsense middle article

Seguimos viagem por velhos caminhos imperiais, ora na margem do Ness, onde Ronaldo (sob meu protesto) jogava fora sua água mineral e recarregava com água do lago, para em seguida purificá-la com pastilhas purificadoras! Ora em cima de um monte, avistando o lago pelos espaços entre as árvores dos bosques.

Os vilarejos que cercam o Ness têm seu charme rural e um povo muito simpático e solícito, que depois de algumas doses de whisky nos contavam histórias sobre o famoso “Monstro do lago Ness” e nos convidavam a acampar em suas terras (na maioria das vezes).

Era fim de verão e o tempo estava incrível, a brisa refrescava e o sol acalentava. Caminhar, caminhar, ahhhh, avante! Eu e Ronaldo seguíamos a marcha com vontade. Assuntos aleatórios, silêncio, rolos de feno à esquerda, campos e morros, tão constantes quanto nosso ritmo. Foram cinco dias muito legais, a magia dos bosques e sua flora e fauna, rios, castelos, fortes e pontes. Uma atmosfera que me transportava a outros povos e outros tempos.

 • Publicado na Revista Usina da Cultura - número 20 - Janeiro de 2015

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Golfe - por Amanda Pessôa

Você sabia? Depois de 112 anos ausente das Olímpiadas o Golfe está de volta. O esporte, que estreou na Olímpiada...

Desenvolvimento – estamos interpretando corretamente? - por Telmo Focht

Na língua portuguesa existem certas definições que podem ter mais de uma interpretação. Entendo que a palavra desenvolvimento seja uma...

To build a Home - por Elena Cárdenas

Ya han pasado unos cuantos días desde que comenzó el año, y ya de vuelta en Berlín los buenos propósitos...

O Dragão Verde e o Tigre Branco - por Fabiana Souza

O Dragão Verde e o Tigre Branco encerram o tópico dos Quatro Animais Sagrados. O Dragão Verde se posiciona do...

Música - Catavento

A Catavento, formada por Leonardo Rech (guitarra/voz), Leonardo Lucena (guitarra/voz), Eduardo Panozzo (baixo/voz), Lucas Bustince (bateria) e Johhny Boaventura (teclas/voz)...

Campeonato Gaúcho de Rally Regularidade 4x4 definiu campeões em São Francisco de Paula/RS

Após cinco etapas, a competição apresentou seus vencedores nas categorias Graduados, Turismo e Novatos Com uma prova que contou com muita...

Como falar sobre a morte com uma criança? - por Thainá Rocha

Afinal, por que e para que falar de um tema que pode ser tão triste, que nos traz e nos...

Governança Democrática - por Márcio Barcelos

A palavra “governança” tem sido usada como um termo específico para descrever transformações na natureza e no papel do Estado...

Carregando a mochila da forma certa - por Lisiane Inês Thewes

Do nascimento até o fim da adolescência, há uma grande variação fisiológica na postura e na mobilidade da coluna. Por...

Terra, viva! - por Celina Valderez

O Dia da Terra foi criado pelo senador norte-americano Gaylord Nelson, ativista ambiental, há mais de 40 anos. Procurou chamar...

Patrocinadores da cultura