Educação Ambiental Não Escolar: uma demanda aquém do seu tempo - por Fernando J. Soares

Educação Ambiental Não Escolar: uma demanda aquém do seu tempo - por Fernando J. Soares

A educação como fenômeno social, em sua origem, sua trajetória histórica e sua concepção mais simples, foi e ainda é essencialmente percebida como uma via de mão única que flui dos mais velhos aos mais jovens. Se observarmos, veremos que intencionalmente e necessariamente, tanto em suas instâncias informais (a família), como formais (a rede escolar), os mais velhos educam os mais jovens, os adultos educam as crianças. Mas cuidado, há uma diferença entre educação e aprendizagem. Como adultos, por certo aprendemos com as crianças, mas raramente podemos afirmar que elas nos educam. Trata-se de uma correlação básica entre a idade e a sabedoria que acompanha a curva da vida. E isso acontece até um determinado ponto na relação entre o educador e o educando, onde essa via começa a se desfazer tornando-se um campo movimentado de desconstrução e reconstrução do saber. Arrisco estimar que essa transformação se inicia imperceptível com a abstração do pensamento na infância, se consolida de forma clara na adolescência e se estabiliza na idade adulta: aquele ponto em que está incerto quem educa quem. Mas isso não significa que a educação para.

  

Em sua etimologia, educação significa erguer ao conhecimento, levar à intelectualidade (com crase), e é muito natural que seja assim. Afinal, quanto mais anos de experiência na vida, quanto mais anos de reflexão e indagação sobre as coisas que nos acontecem, mais diversas e substanciadas passam a ser as respostas que compartilhamos. Adicione a este fato o universo em rápida expansão de conhecimento, e agora ainda por cima um universo acessível há um click de distância, temos que a educação não escolar, esta entre adultos, precisa ser melhor formulada. 



Não poderia ser diferente com a educação ambiental. Por isso, como ecologistas, ambientalistas, educadores, precisamos estar atentos que a educação ambiental não é, nem deveria ser igual ao longo da idade. Não estou me referindo meramente a conteúdo e/ou à metodologia. Estou me referindo ao paradigma. Precisamos a educação ambiental UNS DOS OUTROS. Pare e pense agora sobre isso porque é a parte mais importante do texto. O empreendedor que busca licenciamento ambiental tem muito a dizer. O licenciador, ainda mais. O administrador dos recursos públicos não sabe nem por onde começar. E assim a nuvem de argumentos e indagações cresce exponencialmente à medida que se adicionam outras instituições e hierarquias intermeadas e sustentadas todas, por conhecimento técnico, político, e de vida.

Quando o assunto é sustentabilidade, todos têm o que dizer. Mas chegamos nisso, nesse momento da história despreparados, sem uma estrutura inteligente e formal para catalizar e facilitar o diálogo construtivo e necessário para que a educação disponível em todos nós flua de forma eficaz. Não estamos tendo nem tempo nem espaço necessários para ouvirmos adequadamente uns aos outros. Precisamos ainda criar esses meios de nos levarmos mais a sério. A educação ambiental não escolar a que me refiro é esta que ainda não criamos, mas que aparece no horizonte como emergencial. 

Este assunto será melhor tratado na terceira edição do curso Gestores Ambientais Comunitários que o Movimento Roessler para a Defesa Ambiental (www.movimentoroessler.org) deverá articular já no primeiro semestre de 2017. 

O Antropoceno, gente, mal começou! Podemos ainda surpreender à Terra e a nós mesmos com ele, mas para isso precisaremos nos educar melhor.

Fernando J. Soares

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Rúgbi - por Amanda Pessôa

Você conhece o Rúgbi? Essa é outra modalidade olímpica!  Depois de décadas sem fazer parte da competição, o RÚGBI chega com...

Espécies exóticas e invasoras – uma ameaça real - por Telmo Focht

Exótica, ou introduzida, tem origem em outro ambiente ou região, mesmo que a origem e o destino estejam localizados dentro...

O que nossas crianças estão comendo? - por Sandra Cristina Biava

Texto de: Sandra Cristina Biava, nutricionista. Com a correria do dia a dia, alimentos com pouca qualidade nutricional, ricos em...

Gengibre, um grande aliado para a sua saúde

O Gengibre ou a raiz do gengibre é o rizoma da planta Zingiber officinale, consumida como uma iguaria, medicinal ou...

Que equipamento devo comprar? - por Silvio Kronbauer

Hoje a dica é um pouco diferente. Seguidamente as pessoas pedem (aos fotógrafos) um palpite sobre qual câmera comprar. Então...

Filme - Eu maior

Direção: Fernando Schultz, Paulo Schultz Ano: 2013Categoria/Gênero: Documentário                                 O documentário é uma reflexão coletiva através de entrevistas com pessoas de diferentes...

As Mensagens Ocultas na Água - por Fabiana Souza

Água exposta à música Lago dos Cisnes, de Tchaikovsky Quem teve a oportunidade de assistir ao documentário “Quem somos nós?” (“What...

Semana Mundial da Amamentação/Agosto Dourado - por Celina Valderez

Desde 1992, o planeta celebra a Semana Mundial de Aleitamento Materno, entre os dias 1 e 7 de agosto. A...

Leitura - por Aline Aguiar

O hábito da leitura melhora o vocabulário, a escrita, a memória e desenvolve o raciocínio. Além de ser um caminho...

O que é "Accountability"? - por Márcio Barcelos

O conceito de “accountability” é dos mais importantes tanto no vocabulário da moderna administração pública quanto no debate sobre democracia...

Patrocinadores da cultura