Bolinhas de papel - por Rosana Martins

Bolinhas de papel - por Rosana Martins

Vinícius é um menino de onze anos. Sentado em uma classe do terceiro ano de uma escola pública. Entediado, passa a aula inteira tocando bolinhas de papel nos colegas. O menino não sabe ler e nem escrever. O típico “aluno problema”. Mas olhando a história mais de perto, não é o Vinícius que está com problemas.

Existe um sistema imposto ao ensino fundamental, pelo ministério da Educação. Alunos que mesmo não aprendendo a ler e escrever, não podem ser reprovados no primeiro e nem no segundo. Chegam assim no terceiro ano. Vinícius não é o único. Os terceiros anos estão cheios de crianças “não alfabetizadas”. O que agora é politicamente incorreto falar. Eles estão em “processo de alfabetização”.  Como professora, já entrei em uma turma de sexto ano onde alunos não sabiam nem ler e nem escrever. Parece absurdo. É absurdo! Esse processo de alfabetização não tem fim.

Obrigadas a manter certo índice de aprovação, as escolas públicas empurram com a barriga alunos para anos seguintes. O que mais podem fazer essas criaturas se não tocar bolinhas de papel para ter o que fazer em aula. Cansa ficar só copiando do quadro negro.  E que negro esse quadro! Copiar sem entender nada do que colocam no papel. Tocar bolinhas e causar perturbações em aula é a opção de se sentir melhor. A única forma que encontram essas crianças para dizer: “O que eu tô fazendo aqui!?” A escola para eles virou quase uma prisão. Prisão em regime semiaberto.



Há muitos Vinícius sentados nos bancos escolares. Encontram-se no meio de uma turma que já domina a leitura e escrita. Ficam de estranhos no ninho. Um ninho bem desalinhado, onde uns se encontram e outros se pedem cada vez mais.

Como se não bastasse essas chamadas “turmas de progressão”, ainda é imposto a todas as crianças que aprendam e utilizem a letra cursiva. A letra emendada. Desenhada e rebuscada, de difícil apropriação. Quase morta, só existe no âmbito do ensino fundamental. Os alunos aprendem a escrever coma letra script, desemedada. Começam a ler reconhecendo as letras nas ruas, placas, cartazes, outdoor, revistas, jornais, e principalmente nos joguinhos da Internet e videogames. O mundo é script. Tudo a nossa volta está escrito com letras de imprensa. Não é fácil para a criança transpassar de letra. Na minha visão, tempo e esforço desperdiçados.  Quando saírem da escola, dificilmente encontraram a letra cursiva. Para que então?  A Educação está cheia dessas perguntas sem resposta plausíveis.

O mundo está desabando. E a escola dorme. Simplesmente dorme nesse “berço esplêndido”! Fica complicado não tumultuar e não ser “aluno problema”.  Essas crianças estão  acordadas, dizendo: “tem algo de errado, e não sou eu”.  Tocar bolinhas é um comunicado. Será que alguém vai ouvir?

Rosana Martins

Professora e Jornalista

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

O mito da Edição e a Manipulação - por Silvio Kronbauer

Legenda foto: “Foto original, edição natural e edição exagerada” É comum ouvirmos gente falando em fotografia mais “natural” e “editada”. Puritanos...

Carnaval da Escola Castelo Branco

No dia 3 de março foi organizado, na EMEF Presidente Castelo Branco, um baile de carnaval. A escola foi decorada...

Lixo separado, ambiente preservado - por Celina Valderez

Você sabe porque a separação de lixo é entre ORGÂNICO e SECO? Orgânico restos de cozinha, papel higiênico, fraldas Seco plástico, papel Você sabia que 70% do lixo...

Plantas Medicinais – uma farmácia a céu aberto, e pode estar em nosso quintal! - por Telmo Focht

Na edição passada, comentamos sobre plantas tóxicas. Vamos aproveitar a carona no tema saúde e comentar agora sobre algumas plantas...

O Canal de Beagle - por Gilmar Hinchinck

Navegando nas turbulentas águas do fim do mundo... Todos Sabemos que nesse mundão temos uma grande variedade de lugares paradisíacos. Com...

Música - Catavento

A Catavento, formada por Leonardo Rech (guitarra/voz), Leonardo Lucena (guitarra/voz), Eduardo Panozzo (baixo/voz), Lucas Bustince (bateria) e Johhny Boaventura (teclas/voz)...

Rincão Poético: Alimentando bichos - por Maria do Carmo Fraga

Debulhei o milho   Semeei bondade Diverti-me à vontade com a correria delas Não demorei concluir Que um papo muito cheio...

Este fim de semana tem Festival do Ronco do Bugio na Serra!

VER PROGRAMAÇÃO O Bugio é o único ritmo genuíno do RS, diferente de outro tantos que receberam influência de países vizinhos...

O que é "Accountability"? - por Márcio Barcelos

O conceito de “accountability” é dos mais importantes tanto no vocabulário da moderna administração pública quanto no debate sobre democracia...

Comunidade apoia ação solidária em prol de São Chico - por Marlova Martin

Mais de 1,3 mil peças foram vendidas a valores simbólicos no final de semana Com o intuito de ajudar os amigos...

Patrocinadores da cultura