Mãe Reflorestadora - por Liti Belinha Rheinheimer

Mãe Reflorestadora - por Liti Belinha Rheinheimer

Quando eu era criança, nossa família vivia num sítio. Década de 1930 a 1950, em Gramado. Em 1930, meus pais e irmãos mais velhos foram extrativistas, isto é, tiravam da terra o que a natureza lhes dera até então. Caminhões e mais caminhões levavam a madeira e os xaxins que havia em profusão. Para as vacas leiteiras e cavalos foi feita uma invernada. Eles se alimentavam das gramas e pequenos arbustos e inços entre as árvores altas. 

A partir de 1940, como colonos, ajudados por peões,  plantavam-se muitos tipos de plantas, como: milho, batatas, pessegueiros, macieiras, pereiras, laranjeiras, amoras, framboesas, vimes. Estas plantações, além de pasto para vacas, cavalos, porcos, galináceos davam o sustento à família e empregados.

Minhas irmãs e eu, por sermos meninas, o que dificultava o trabalho pesado da lavoura, “fomos saídas” para parentes de cidades para estudar e ter futuramente uma profissão.

Assim, tornei-me professora. Durante muitos anos, poucas vezes retornei ao lar, apenas para curtir férias.



As pessoas da família foram desaparecendo como por encanto. Faleciam. Leis vieram. A estrutura do sítio mudou. Não mais havia família como antes, nem empregados.

Um dia, lá pelos anos de 2010, andando pelas terras, vi uma infinidade de jovens araucárias, copadas, mais altas que eu. Algumas em linha reta. Como surgiram ali?

Minha irmã, ao meu lado, que morou com nossos pais por mais tempo que eu, respondeu: 

- Lá pelos anos de  1980, mais ou menos, nossa mãe quis reflorestar. Plantou estas árvores. Ela foi esperta. Sabia que as araucárias são frágeis no desenvolvimento, por isso colocou os pinhões ao lado dos moirões (postes) das cercas da invernada. Assim, o gado não pisaria os brotos e as árvores poderiam crescer.

Isto foi o que realmente aconteceu. Lágrimas vieram aos meus olhos. Imaginei minha mãe, aos 75 anos,  colocando aqueles pinhões no lado de cada moirão ao redor da invernada. Alguns não vingaram, claro, mas uma infinidade de pinheiros, agora com 30 anos, parece que agradecem o gesto anônimo de uma velhinha que lhes deu a vida.

Atualmente, leis proíbem o corte das araucárias, por isso aquelas árvores podem crescer sem susto.

Liti Belinha Rheinheimer

O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Rincão Poético: Jeito Orestes Leite de ser - por José Luis do Nascimento

  No ano de 1964, lá no Bairro do Rincão nascia uma instituição que se dedicaria ao ensino, acolhendo meninas e...

Dicas de pronúncia - por Aline Aguiar

GratuitoPronuncia-se (gratúito) ou (gratuíto)? O correto é pronunciar (gra-túi-to), com o acento tônico no “u”, assim como circuito, muito, intuito... ...

Projeto voluntário visa proporcionar orientação profissional àqueles que buscam recolocação no mercado de trabalho

A partir da experiência vivenciada em grupos de RH via WhatsApp, administrados pela Mestre em Educação, Cláudia Marchioro, nasceu o...

A fotografia de paisagem como forma de arte - por Silvio Kronbauer

Considerada, por muitos, uma forma de expressão artística, a fotografia é hoje uma das mais usadas, e mais bem vistas...

Amigos para sempre? - por Mercedes Sanchez

Amigo é coisa para se guardar no lado esquerdo do peito, mesmo que o tempo e a distância, digam não...

Rincão Poético: O Ébrio - por Cristiano Machado Lisboa

Veja o ébrio que em noite fala o seu encanto, Quando ainda canta sua sina sem parar Veja o ébrio...

Albert Schweitzer - O médico de Lambarené

“Dar o exemplo, não é a melhor maneira de influenciar os outros - é a única.” Formou-se em teologia e filosofia na...

São Francisco de Paula promove Beatle Weekend com atrações nacionais e internacionais

Evento ocorrerá durante três dias à beira do Lago São Bernardo, em novembro A Beatlemania no Brasil receberá um novo impulso...

LSD Lua - por JackMichel

J. Jack Jack é um jovem normal que leva uma vida convencional: mora com sua namorada numa casa com pássaros...

Renovação e rotina - por Mercedes Sanchez

Renovação... a palavra mais almejada no começo de um novo ano. Como por arte de magia, colocamos nossa vida na balança...

Patrocinadores da cultura