Mar ou montanha? Os dois - por Luciana Pontes

Mar ou montanha? Os dois - por Luciana Pontes

Em Lisboa, convivi com cabo verdianos muito legais. Então, quando surgiu a questão “Onde será nossa lua de mel?”, nem pisquei para responder. Meu companheiro fez cara de susto, especialmente tendo em conta a nossa grana curta. Cabo Verde é um país da costa oeste africana formado por 10 ilhas. Sua diversidade se reflete na língua, o crioulo, mistura de idiomas nativos e dos vários colonizadores (é uma rota de marinheiros, pois há uma corrente marítima que proporciona a melhor travessia do Atlântico). Para o nosso itinerário, escolhemos três ilhas: Sal (onde está o aeroporto), São Vicente (berço da música) e Santo Antão (paraíso do trekking). 

A gente não os conhece, mas eles conhecem a gente. Chegando ao aeroporto, fomos trocar dinheiro e o atendente, ao pegar meu passaporte, disse: “Ah, você é de Uberlândia...”. Automaticamente respondi: “É, lá no interior do Brasil, ninguém conhece”. Então, ele responde: “Estudei lá”. Vendo minha cara incrédula, abre a carteira e mostra uma foto. Foi então que eu quase caí: minha irmã estava na foto! Depois fui entendendo melhor: por exemplo, na rádio só toca axé. É que enquanto o Brasil é grande e relativamente influente, eles só tem uma personalidade conhecida: Cesárea Évora, a diva dos pés descalços. 

Sal é uma ilha turística, cujo nome deve-se às salinas, com piscinas onde uma pessoa flutua involuntariamente devido à densidade da água. Em São Vicente, conferimos bares marinheiros à beira do porto e curtimos um festival de música. 

Conseguimos pegar o barco que só os nativos usam para ir a Santo Antão. Éramos os únicos brancos e ali o português não era língua oficial. Assim, perdemos uma oportunidade de conhecê-los melhor, mas era uma lua de mel e a nossa antropologia andava preguiçosa. 

Em Santo Antão, viajamos 5h em caminhonete para chegar a Tarrafal do Monte Trigo. Na carroceria, pudemos falar com um professor, que explicou que o problema ali era a falta de água doce. Justamente, Tarrafal é uma mina de água que brota da montanha, uma mancha verde no meio da aridez. Uma aridez espetacular de praias de areias negras, montanhas escarpa- das, falésias que acabam no mar colorido. Os donos da pousada, marinheiros que haviam dado a volta ao mundo, tinham decidido viver ali porque era o lugar mais lindo que encontraram. Ali também conhecemos uma alemã, tradutora de várias línguas africanas, que nos explicou as diferenças entre Cabo Verde e os países do continente. 

Marcante mesmo foi a caminhada entre Tarrafal e Monte Trigo. A paisagem desértica e a gente andando ali na montanha quase caindo no mar, com aquela beleza ensurdecedora nos cegando. Saímos tarde, resultando na desaconselhável proeza de cruzar um deserto com o sol a pino. Chegando a Monte Trigo, aldeiazinha de pescadores, eu pensava já não poder dar um passo. Porém, quando pediram 60 euros para levar a gente de volta em barco, me restabeleci na hora. Nunca ser avarenta me saiu tão bem: com o cair da tarde, a caminhada de volta foi ainda mais linda. 



O que achou, foi útil para você? Então conta pra nós!

Artigos que podem te interessar

view_module reorder

Lixaço - por Rafael Sanches Souza

Um dos conceitos que mais me marcou quando li 1984, do George Orwell, foi o do uso da guerra, que...

Da arte à natureza, em busca das esponjas de água doce - por Prof. Dr. Rodrigo Cambará Printes

A artista plástica norte americana Hope Ginsburg, está expondo a obra “Sobre resistir à separação dos continentes: Esponjas de água doce do Rio...

Você já ouviu falar do CAR (Cadastro Ambiental Rural)? - por SOS Mata Atlântica

A SOS Mata Atlântica disponibiliza o curta-metragem “Cumpre-se”, que ajuda a entender essas questões a partir de depoimentos de especialistas...

Livro infantil ecológico traz passatempos e brincadeiras com consciência ambiental

Entre os fatores que contribuem para os problemas ambientais enfrentados nos últimos tempos, pode-se destacar a ação do homem, atuando de...

O interesse ou as ideias nos governam? - por Luís Osório Cardoso de Moraes

Pode-se dizer, mais acertadamente, que pelas ideias, pela ideologia, que dá operacionalidade àquele interesse - até então - mera potencialidade...

Rincão Poético: Em busca... - por Evelyn Fagundes

O mundo é nada o mundo é tudo. Onde estamos mudos. Divagando entre dois mundos distintos de ilusão e realidade...

Ano novo, vida nova! - por Fabiana Souza

Ano novo é tempo de promessas e esperança, compromissos e mudança. No “brinde da virada”, prometemos ser mais humanos e...

Visual com Arte: Cordéis - por Alunos do Colégio Expressão

Autor: Alunos do Colégio Expressão. Professora Ana Paula. Quer ver sua imagem aqui? Envie para info@usinadacultura.com{loadmodule mod_custom,Banner adsense middle article} • Publicado...

Se você não parar com isso vai apanhar... • Parte VII • Conclusão - por Thainá Rocha

Sobre os Castigos Físicos Os castigos físicos são o principal exemplo de castigos para fazer sofrer. Segundo uma pesquisa realizada em...

Giuseppe e Anita Garibaldi - por Prof.a Rose Mari Da Sois Fetter

Giuseppe Garibaldi nasceu em 04 de julho de 1807, na cidade de Nice (França). Dedicou os 75 anos de sua...

Patrocinadores da cultura